terça-feira, 23 de maio de 2017

A RENÚNCIA

Enquanto isso naquela reunião de cúpula

- E aí? Todo mundo já chegou?
- Todos estão aí...
- Então muito bem. Eu queria comunicar para vocês, que vou renunciar ao cargo. 
- Mas presidente. O que é isso? O senhor não pode fazer isso. Não é justo.
- Eu refleti muito. Não tem mais clima, estou deixando a minha mulher em casa sozinha, vai que o Ricardão aparece...
- Olha. Faz o seguinte. Vá pra Fernando de Noronha uns dias pra espairecer, leve a esposa...enquanto isso a gente toma conta do queijo, quer dizer...da política, né? Dessa crise que não acaba.
- Nada disso. Eu vou passar a presidência para o meu vice.
- Pra mim? Nem pensar. Eu estou impedido. Tenho 380 processos contra mim.
- Ah é? Então vc, ministra do supremo?
- Eu? De jeito nenhum. Eu não me sinto em condições de assumir tamanha responsabilidade.
- Então vai um dos outros ministros do supremo?
- Sr. Presidente. Nós já conversamos sobre isso. Nós todos temos culpa no cartório. Tem de ir o senhor mesmo.
- Sr presidente do senado?
- A Lava gato me pegou...
- Quer saber uma coisa. Me passem o telefone...
- Mas presidente. O sr vai ligar pra quem?
- Alô...é o barbudo? Como é que tá? Aqui...vc tá querendo a presidencia né? Vamos fazer o seguinte. Vamos aprovar essa diretas já de uma vez, você assume e leva procê.
- Espere companheiro. Não é bem assim. Não é o momento de pegar. Vou esperar você fazer as reformas primeiro aí vc fica como vilão e eu chego como mocinho. (Tu...tu...tu...tu...caiu a ligação).
- Já sei...vou ligar pra ela...ô minha presidenta. Eu fiz aquela malcriação...aquele golpezinho...mas tô arrependido. Quer pegar de volta? Hein? Tá dando palestra num hotel em porto rico? Tomando Amarulla? Ah que pena. Tá bom então. Tchau querida...
- E aí presidente?
- Última tentativa...alô...e aí? Olha...eu tô pensando em renunciar a presidência mas ninguém quer pegar. Você topa? Topa mesmo? Viva...até que enfim...
- Sr Presidente? Quem topou?
- O Tiririca... 


segunda-feira, 15 de maio de 2017

DENTE CADENTE


Enquanto isso naquele bar das paqueras ... uma recém separada investia sobre um tímido no balcão.

- Olá. Posso beber ao seu lado?
- Claro.
- Vc vem sempre aqui?
- Sim. Gosto de beber aqui, sempre venho sim.
- Procurando alguém?
- Não exatamente...venho pra beber e pensar na vida.
- Mas num bar como esse?
- Nesse bar vem pessoas pra beber por que perderam o amor, outros procurando outro amor.
- E qual é o seu caso?
- Minha situação é pior. É um problema de infância que nunca consegui resolver.
- Mas não é possível.Vc também é viado?
- Não. De jeito nenhum. Eu pareço um ?
- Mas hoje em dia não precisa parecer mais. Antigamente eles eram efeminados né? Hoje em dia costumam parecer másculos...mais até do que alguns que realmente são. É uma confusão.
- Mas não é o meu caso. O que você está bebendo?
- Vodka pura. Eu quero ficar de foguinho rápido.
- Sei. Mas qual é o seu caso.
- Pois é. Meu marido me largou por causa de um rapaz. Acredita? E eu não desconfiava de nada. Mudou-se com ele para Macacos. Pelo menos continua pagando minha pensão.
- Puxa. Mas você bebeu quase um copo de uma vez. Assim vai passar mal.
- Eu quero é esquecer. Mas me diga aí. Qual é o seu problema?
- Uhn. Não sei não. Acho que vc vai sair correndo daqui quando souber...
- O que foi? Tem alguma doença grave contagiosa?
- Não. Eu tenho é dente cadente.
- Mas o que é isso?
- É o seguinte. Quando adolescente eu levei um tombo de bicicleta e quebrei os dois dentes da frente. O dentista colocou dentes postiços pra mim, mas eles sempre caem nas situações mais inusitadas.
- Ah...mas isso é motivo pra se isolar do mundo?
- Eu não quero passar mais vergonha. Viu aquele caso do ministro cujo dente caiu na hora que ele estava falando? Puxa...outro copo de vodka?
- Olha...quer saber de uma coisa?
- Já sei...vai me deixar sozinho aqui né? Eu já esperava. Fique à vontade.
- Não...eu vou fazer outra coisa...
( E lascou um beijo na boca do moço. E ele que estava na seca há muito tempo correspondeu com entusiasmo. Foi um beijo de 10 minutos)
- Puxa, vc me surpreendeu.
- Nossa...eu engoli o seu chicletes...espera aí...você está banguelo...ahhhhhhhhhhhhhhh !!!!

segunda-feira, 8 de maio de 2017

SUPER JEAN

Enquanto isso naquela escola, o professor iniciava a sua aula de filosofia...

- Hoje eu quero provocar vocês. Eu quero saber quem é o maior herói da nossa cidade. Alguém sabe me dizer o nome dele? Hein? Luizinho levantou a mão! Sabe quem é?
- O Vinícius Araujo?
- Não. Não é o Vinícius Araújo. Ele inclusive anda meio sumido. Quem mais quer arriscar?
- Eu...
- Viviane...pra você quem é o nosso herói?
- O soldado Otávio.
- Mas quem é esse soldado Otávio?
- Um guardinha que salvou o meu gato que tinha subido no poste de luz. Ele foi muito corajoso. Podia ter morrido esturricado. E até que ele era um gato também....
- Olha Viviane. Os policiais são heróis mesmo, mas não é dele que estou falando. Mais alguém quer arriscar?
- Professor...eu sei de quem o sr está falando. É do Jean, não é?
- Até que enfim. Agora diga para os seus colegas quem é o Jean.
- Jean é o cara que traz uns games irados pra gente dos Estados Unidos. Gente boa ele viu.
- Você está de brincadeira né?
- Uai. Achei que tinha acertado. Não é ele?
- Quase. Vou lhe dar mais uma chance.
- Já sei...JEAN foi o cara que inventou a calça JEANS.
(risos gerais)
- Minha nossa senhora. Vou dar uma pista pra vocês. Qual é o nome da nossa cidade?
TODA SALA FALOU JUNTO:
- João Monlevade.
- E agora...pra vocês quem é o nosso principal herói?
E TODA A SALA FALOU JUNTO NOVAMENTE: JOÃO MONLEVADE
- Ufa. Até que enfim. Só que o nome dele era JEAN. Os brasileiros da época é que adaptaram, assim Jean virou João.
- Puxa professor. Mas por que ele foi herói?
- Uai. Ele saiu da França há 200 anos atrás pra fundar a Belgo Mineira e a nossa cidade. Se não fosse por ele, não estaríamos aqui.
- Mas ele tinha algum super poder? Onde já se viu herói sem super poder?
- Sim. Ele tinha super inteligência, super persistência e super visão de futuro.
- Que nem o Scoth dos Xmen com sua visão de raio laser?
- Muito maior...a visão dele atravessou dois séculos e chegou até os dias de hoje.
- Mas tem HQ com a história dele? Tem série pra gente ver?
- Ainda não. Mas, esperamos que a cidade comemore com muita festa, pois não é qualquer lugar que tem um herói tão importante.
- Mas professor. Se ele era mesmo um herói, usava capa? Podia voar?
- Não. Era um herói de carne, osso e atitude. Mas suas ações foram tão marcantes que influenciaram o futuro de uma região inteira.
- Puxa professor. Que maneiro. Que bom que temos um herói.
- Pois é, meus queridos. Os orientais veneram seus antepassados e honram seus exemplos. Espero que vocês tenham gostado da aula. Tomara que instalem o espírito do Jean no coração de vocês.  
- Professor...professor...nós estamos pensando em criar um HQ. Sabe qual vai ser o nome?
E DISSERAM JUNTOS:

- SUPER JEAN...