quinta-feira, 28 de julho de 2016

ORAÇÃO POLÍTICA


Enquanto isso naquela montanha, um homem orava em voz alta:

- Ó Deus misericordioso. Rogai por nós. Faça com que finalmente tenhamos políticos de bom coração, boa índole, bem intencionados e competentes no poder.  Faça com que a legislação funcione e os maus sejam realmente punidos e afastados da vida pública. Faça, senhor, que o sujeito que afanar os cofres públicos pegue uma coceira na mão, mas uma coceira tão forte que tenha de coçar com faca até chegar nos ossos. Que o nosso povo finalmente vote com a razão e não com a emoção. Que saiba escolher não o mais popular, mas o mais competente. Que nossos homens públicos, ao ascenderem ao poder, não levem pra dentro da prefeitura os amigos pra preencher os cargos, mas pessoas realmente competentes e vocacionadas. E que todos que continuarem insistindo em votar nos ladrões acordem no outro dia com a palavra BURRO tatuada na testa. Que as empresas também tomem vergonha e parem de oferecer bolas para os políticos. E que as empresas que assim agirem, sejam denunciadas e as pessoas parem de consumir seus produtos ou serviços. Se o senhor também puder mandar um meteorito incandescente em cima também ajuda.  E Deus. Mais uma coisa. Puna os políticos que deixaram obras importantes sem finalizar só por que foram iniciadas na administração anterior. Para esses, uma incontinência urinária e desinteria eterna já ajudam. Já que não quiseram acabar as obras, que as obras os punam.  Deus, e que tenhamos vereadores que realmente mereçam os votos dos cidadãos. Que paremos de eleger o zé da bulança, o zé do caminhão de leite e passemos a eleger vereadores que vão realmente trabalhar. E se não trabalharem, que peguem uma ziguizira daquelas, uma dor que ferroa toda vez que eles estiverem morcegando. E que tenhamos partidos com ideias afins e não quadrilhas que se unem pra rezar juntos.  E que o Brasil finalmente entre no rumo certo e saia da armadilha da dualidade ideológica que gera inércia e impede o nosso desenvolvimento.

De repente um barulhão

- Tem alguém aí?
- Sim
- Quem?
- Sou eu!
- Eu quem?
- Você me convocou...
- Deus?
- Ai você tava querendo demais né? Sou um anjo, pô.
- Puxa vida. Mas isso é um milagre. Rola um self?
- Não adianta. Não sai nas filmagens. Mas aqui...não acha que tá querendo demais?
- O que? Pedir pela moralização da política?
- Ô meu fi. Esquece esse trem. Peça uns milagres mais simples, mais fáceis de realizar...
- Mas seu anjo...a política atrapalha a gente demais.
- Eu sei...mas sabe o que acontece? Esse tipo de coisas não é da nossa alçada. Entendeu? Tente pedir pra ganhar na loteria, viajar pra Acapulco. É bem mais fácil...
- Ah...mas eu gosto de política...o que é que eu faço?
- Bem, nesse caso então vou ter de chamar um outro irmão meu pra falar com você...Ô mano...vem cá conversar com esse senhor aqui...
- Puxa anjo gente boa. Valeu hein?
- Não tem de que...agora é com vocês.
- Prazer. Meu nome é Lúcifer. O que você deseja?...

terça-feira, 19 de julho de 2016

O JUIZ FELIZ


Enquanto isso naquela academia...

- Por favor. Pode tirar o tênis e se pesar ali.
- Pois não. O Sr é técnico em que?
- Por favor. Tem de botar os dois pés na balança.
- Ah tá. Que distração a minha..,rs
- Eu sou nutricionista com mestrado em alimentação vegana.
- Ah sei...que só come verduras né?
- Não que só coma verduras. A cozinha vegana utiliza basicamente vegetais, cereais.
- Sei. Mas aqui...vamos continuar os exames.
- Bom,  estou vendo que você está uns 20 kgs acima do seu peso ideal
- Só isso? Que alivio. Achei que fossem uns 30.
- Mas 20 kg só de gordura não é pouca coisa.
- Pois é. Eu na verdade levo uma vida sedentária. Eu sou juiz, sabe?
- Puxa. Mais razão para você equilibrar a sua vida. É uma profissão de alta pressão...
- Ah. Eu não acho tão pressão assim. Acho até aprazível.
- Tá certo. A gente quando trabalha fazendo o que gosta, tem prazer no que faz.
- Mas Dr. E o meu coração?
- Calma que nós vamos fazer todos os exames.
- Mas Dr. Será que vou conseguir perder peso?
- Se seguir todas as instruções, na certa vai ganhar músculos e perder gordura.
- E quando eu poderei começar a malhar?
- O Sr pode começar amanhã à noite...
- Amanhã eu não posso.  Tenho um júri em Alvinópolis.
- Depois de amanhã então...
- Deixa eu ver na minha agenda...ih...juri em Barão de Cocais.
- Na sexta então?
- Na sexta tenho compromisso em João Monlevade
- Sábado então?
- Compromisso em Dom Silvério
- Mas desse jeito você não vai encontrar tempo para malhar...
- É. Pensando bem isso não vai dar certo mesmo.
- Mas espere aí. Que negócio é esse de juri à noite? Você é juiz de que?
- Juiz de festivais gastronômicos. Eu tenho uma coluna sobre gastromania e dizem que a minha cara de satisfeito depois que eu como fica bem nas fotos. Por isso sou sempre chamado. Vida dura, viu...

terça-feira, 12 de julho de 2016

BOLSA ZUMBI

No Programa Esquinas do Tempo de hoje, vamos registrar a conversa entre dois grandes nomes da literatura brasileira: Macunaíma e Odorico Paraguaçu...palmas para eles ( clap – clap – clap)

- Eu estou deverasmente honrado com o convite, embora que não fiquei satisfeito com a cachaça servida aqui nesse programa, num sabe?
- Tá brincaaano? O mé é dubão!
- Que insolência e saliência é essa? Como você interrompe uma autoridade? Quando um equino fala, o outro murcha a orelha.
- Tem dinheiro aí coroné?
- Já vem você me cantar dinheiro...vocês precisam é de educação...vou mandar fazer mais escolas...
- Coroné! Nós qué festa
- Tá bom. Vamos mandar shows com as maiores duplas sertanejas do planeta e até do funk, tudo de graça pra vocês.
- Coroné. Só festa não.
- O que mais vocês pleiteiam?
- Nós qué médico pros menino nascê, crescê e vivê
- Tá certo. Vou providenciar mais hospitais, mais escolas e mais moteis. Pode deixar...
- Coroné é safado, né? Mas nós qué também transporte mior de mode nós irivir.
- Isso você pode deixar. Vamos voltar com trens de passageiros por todo o país.  Eu vou montar uma firma com meu filho pra gerir isso. E vamos melhorar os ônibus municipais também, colocar barzinho a bordo, cervejinha...um acarejézim
- Uhn...vamos votar no sinhô. Mas coroné. Tem um ultimo pedido. É sobre a robaiêra;
- Meu querido. Não é robalheira. É apenasmente o amealhamento do percentual proporcional de influência pública. Os últimos governos foram pouco cuidadosos nos ocultamentos e causou todos esses celeumas que causam revolta na pátria brasileira.
- Coroné. Nós não é contra a robaiêra...pode mandar umas propininhas pra nós.
- Ah tá. Montem uma ong que vou mandar uns agrados pra vocês.
- Então nós vamos votá no sinhô.
- E vou te dar uma boa notícia. Vamos investir em empregabilhamentos. Vamos lhes proporcionar muitos empregos, muito trabalho...
- Mexe com isso não coroné. Tenho um projeto mior. Que tal o bolsa zumbi?
- Bolsa zumbi? Como seria isso?
- A bolsa zumbi vai ser assim: você ganha uma tv de led, uma rede novinha, salário de 2000 e passa 4 anos deitado na rede tomando água de coco, assistindo tv e fazendo saliência com a patroa. E de 4 em 4 anos vai lá votar no coroné e nos seus iscuidos.
-Negócio fechado!

terça-feira, 5 de julho de 2016

SUPER HERÓIS BRASILEIROS



Enquanto isso naquela sala de aulas.

...- E então o herói Tiradentes foi traído pelos seus companheiros...
- Professor...eu protesto. Tiradentes não foi herói. Ele foi preso, enforcado esquartejado, um perdedor. Que merda de herói é esse? Herói é Rambo, Capitão América, Wolverine...
- Você está desinformado. Tiradentes foi o herói da liberdade. Morreu pela nossa liberdade.
- IH. Tá vendo? Que nem Jesus Cristo. Essa história é cover
- Não misture teologia com história. Tiradentes ousou encarar a coroa.
- O sr também encara a coroa que eu sei. Tá pegando a professora de biologia né?
- Assunto inconveniente? Olha os facultativos.
- Calma professor. Eu só tava brincando.
- Então eu vou desafiar vocês. Ô Laurinha. Que outro herói o Brasil teve?
- Que tal Airton Sena...tchantchantchan....tchantchantchan...
- Aquele motorista que barberou, bateu o carro e as botas? Eu prefiro o Rubinho pé de chinelo que é mais divertido.
- Espera aí, gente! Vamos organizar.  Lembrei de outro herói nacional importante: Dom Pedro I
- Aquele que traiu os próprios pais e seu país de origem por um projeto de poder? Isso é herói?
- Mas Dom Pedro libertou o Brasil
- Libertou dos Portugueses pra entregar pros Americanos.
- Esperem aí: que tal o Getúlio Vargas? Foi um Brasileiro importante
- Aquele ditadorzinho que matou muita gente e foi amigo de Hitler?
- E Juscelino Kubitscheck que construiu Brasília?
- Aquela ratoeira gigante?
- Puxa. Mas você tem muita má vontade com os heróis brasileiros. Aposto que prefere o Thor, o Homem de Ferro, o Ultraman,  o Spectraman, o Hulk, o Heman, o Homem Aranha.
- Não.  Heróis de verdade são os pais e mães de família que conseguem sobreviver e manter os filhos e os bichos nesse mundo louco sem nenhum superpoder a não ser a fé e a esperança.

( OBS - conto inspirado na música SUPER HERÓI BRASILEIRO, do amigo Max Lisboa - https://www.youtube.com/watch?v=Mc2sSopyUaE )

sábado, 2 de julho de 2016

IMAGINE...

Imagine que você nasça num país muçulmano. É bem provável que seja educado segundo o Alcorão. Também vai achar que o ocidente é dominado por satanás. E que é obrigação de um seguidor de Alah combater o demônio onde ele se encontre. E vai pensar que é legítimo o sujeito vestir uma roupa de bombas e explodir pecadores em seus templos de consumo. E vai achar legítimo que se combata outras crenças em nome de Alah. E não vai entender como alguém pode adorar o profeta Cristo, já que pode conectar-se de forma direta a Alah, desde que siga seus rígidos preceitos. Agora imagine que você nasça num país budista, no Tibeh por exemplo. Vai ter sua mente preenchida com outros conteúdos, mais pacifistas, mas também rígidos. Agora imagine que você nasça numa pátria sem religiões, mas regida por um rígido controle social, onde todos são iguais e suas profissões e sobrevida são controlados pelo estado. Agora imagine que você nasça e renasça diversas vezes passando por todas essas experiências humanas e espirituais, evoluindo seguidamente como dizem os kardecistas, os filósofos e a história. Só podemos pedir a Deus, seja ele quem for ou o que for, que nos dê paciência, tolerância e capacidade de amar o outro, apesar das diferenças.