terça-feira, 6 de setembro de 2016

ESSA VIDA É UMA NOVELA



Enquanto isso, aquele sujeito tava bravo com a mulher que demorava pra sair de casa

- Ô Jackinha. Vamos depressa. O homem vai falar daqui  a pouco. A praça tá cheia.
- Eu não vou enquanto não terminar a novela.
- Mas amor...é importante a gente aparecer lá, pro pessoal ver que apoiamos o partido.
- Mas nós vamos lá. Espere só acabar a novela. Vai lendo o jornal aí...tem dois jornais desses de político.
Ah...pelo amor de Deus. Tá vendo novela? Como é que você fica vendo essa globo? Eles apoiaram o golpe.
- Golpe você vai ver se não ficar calado. Cala a boca que essa cena eu quero  ver...
- É um absurdo. Minha muié vendo essa globo golpista.
- Cale a boca agora.
- Eu...
- Nem um pio...
- Era só essa que me faltava. Minha mulher vendo essa porcaria.
- Se você falar mais uma palavra eu me separo de você...
- ( silêncio)...
( O ASSASSINO É REVELADO E O MOCINHO BEIJA A MOCINHA)
- Nossa...terminou bem demais. Podemos ir agora. O que você estava falando mesmo?
- Então vamos logo...o home vai falar agora...a praça tá cheia.
- Espera que eu vou só retocar a maquiagem. Cadê a camisa e a bandeira do partido?
- Tá aqui ó...vamos nessa...
- Deixa eu trocar a camisa...
- Nossa amor...você assim sem blusa me deu uma vontade...
- Você se importa de chegarmos um pouco atrasados?
- De jeito nenhum...
Uma hora depois os dois estávamos no meio do povo gritando o famoso grito de guerra. O povo não é bobo. Abaixo a rede globo.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário