sexta-feira, 29 de abril de 2016

O FANTASMA DE JEAN MONLEVADE

Alguns séculos depois, foi concedida a Jean Monlevade uma permissão especial para retornar à terra e conferir a sua obra. Ele retornou como fantasma observador. Poderia enxergar, ouvir, sentir, mas não poderia intervir em nada. Ele espantou-se com a cidade que surgiu como efeito colateral da usina. O planeta inteiro precisou do aço e a Belgomineiraarcelormittal tava aí pra fornecer. O Jean ficou feliz com o que viu. A vocação industrial brotou do seu sonho. O industrial virou comercial, empresarial, virou um mundo. Jean foi flutuando e observando os bairros, passou pelo antigo cemitério, deu uma volta dentro da usina, parou na fazenda solar e relembrou tempos antigos, depois fez questão de atravessar a parede da usina pra ver de perto o aço laranja incandescente. Depois foi até a chaminé onde se elevava a colossal chama azul. E pra finalizar, Jean passeou pelo centro de carneirinhos, parou na banda de revistas e ficou observando a conversa das pessoas. Um senhor xingava dizendo que a cidade precisava mudar. Jean Monlevade pensava: mas mudar por que? Tá ótima. Tá cheia de vida. Mas o povo xingava. Ah, tem de tirar a presidenta, tem de prender todos os políticos. E Jean Monlevade não entendia. Pra que reclamar tanto morando numa cidade tão linda? De repente uma professora fala: nossa cidade já esteve melhor, mas até que não está tão mal também. Precisamos fazer as nossas partes. Não esperar que alguém resolva os nossos problemas. Já estava avançando a noite. Jean Monlevad resolveu sair do burburinho. Cada tempo tem seus problemas. Já era hora de ir embora. Foi subindo devagar, sentindo os cheiros da cidade, dos churrasquinhos, da fumaça, das ruas e os sons de música popular e automóveis. Jean Monlevade foi subindo até o céu, vendo as luzes da cidade cada vez menores, foi se afastando cada vez mais rápido até voltar à condição de estrela, que lá de cima usa a lanterna da história para iluminar o presente. 

Complemento - Ave Jean Monlevade e outros grandes homens que levaram a humanidade alguns passos adiante. Que a cidade que herdou seu nome saiba honrar seu pioneirismo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário