segunda-feira, 28 de março de 2016

ESQUERDA? DIREITA?



ENQUANTO ISSO NAQUELE TEMPLO...

- Mestre, nós estamos em dúvida. Qual caminho o senhor nos recomenda? Esquerda ou da direita?
- Sigam os corações de vocês...
- O coração é vermelho...então o caminho é da esquerda né?
- É assim que você interpreta? 
- A esquerda não significa sensibilidade social, distribuição das riquezas?
- Sim. Mas a direita também tem qualidades. Representa o ordenamento público, a possibilidade da prosperidade, do desenvolvimento.
- Mas mestre...a vida inteira nos ensinaram que a direita é da elite...
- Mas você não almeja prosperar também? Ter um triplex, um sitio bacana, carro do ano, conforto?
- Sim. 
- Então também quer ser elite.
- Aí não. Pode me chamar de bicha, maconheiro, mas não me xingue de elite.
- Mas rapaz...se você quer enriquecer, ter uma vida melhor, qual o problema de ser elite?
- Ah. Eu prefiro não ter posses, para não me tornar escravo delas.
- Muito bem. O desapego é uma ótima política.
- Mas mestre. O senhor chama desapego de política?
- Mas é claro. É um ato político radical de extrema esquerda. A direita é acumulativa. A esquerda distributiva.
- Então o senhor também é de esquerda?
- Eu não sou de esquerda nem de direita, nem de fora nem de dentro.
- AH, mestre. O senhor está em cima do muro.
- Na verdade eu sou o muro. 
- Mas como assim, mestre? Você não pode ser o muro...você é o caminho.
- Não. Eu sou o muro. Você pode subir em cima e observar o outro lado. Vai ver que não é tão ruim assim. Tem gente boa do lado de lá também.
- Ah não, mestre. O senhor está parecendo tucano.
- Meu querido. Eu voo um pouco mais alto. 
- Uma águia? Mas a águia é um símbolo americano. O senhor é de direita, mestre?
- Eu voo um pouco mais alto ainda.
- Mais alto ainda? Mas o que voa mais alto que uma águia? Não sei...será um foguete...os discos voadores? Ah não mestre. Não vá me dizer que o senhor é um alienígena?
- Não precisamos nem de asas pra voar, meu querido. Só a imaginação nos basta.
- Mas e então? Esquerda ou direita?
- Eu recomendo que olhem o mundo sem as lentes das ideologias. Elas distorcem as visões. Busquem a pureza dos sentimentos.
- O senhor está nos enrolando, mestre. Imagine que estamos numa estrada e de repente chegamos a uma bifurcação. Um caminho vai pra esquerda, outro pra direita. Qual devemos seguir?
- Que tal seguirem pelo caminho do meio?
- Mas mestre...não existe caminho do meio.
- Então construam um...e sigam juntos de mãos dadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário