sexta-feira, 30 de outubro de 2015

O MELHOR GUITARRISTA DE TODOS OS TEMPOS


Enquanto isso, naquele bar 

- Pra mim o melhor guitarrista de todos os tempos foi Jimmy Page do Led Zepelin.
- Ele é bom. Mas o mais que mais influenciou o Rock, o mais incrível foi Jimi Hendrix.
- Dois Jimis né?
- Cês tão por fora. O melhor de todos os tempos é o Angus Young do ACDC. Não tem ninguém igual a ele.
- Peraí. Vocês estão esquecendo de Ed Van Halen. O cara reinventou a guitarra, toca demais.
- Mas não podemos esquecer que Van Halen foi influenciado por Jeff Beck. Esse sim foi sensacional.
- Mas Jeff Beck ficou obsoleto depois que apareceram sujeitos como Sartriani e Steve Vai.
- Mas o original é sempre mais importante.
- Mas se formos falar em originalidade, em invenção, realmente Jimmy Hendrix é o maior. Influenciou meio mundo.
- É mas em termos de inventividade, não podemos esquecer do The Edge do U2. Ele inventou um jeito novo de tocar, de utilizar efeitos.
- Ah não. Vocês estão todos equivocados. O melhor de todos sem dúvida nenhuma é o David Gilmour do Pink Floyd. Ninguém criou solos mais virtuosos e levou a juventude a viajar. É o melhor.
- Peraí. No progressivo tem Steve Howe do Yes que tocou uma guitarra muito virtuosa.
- Pra mim o melhor é do Queen, Brian May. Guita maravilhosa.
- Vocês estão desatualizados. Como não citam um Slash? E o Jeff Hanniman do Slayer? E querem saber?  Zakk Wylde hoje é o melhor do mundo. 
- Que isso. Essa turma nova só copia. Esqueceram de citar Alex Lifeson do Rush. Fera demais.
- Ah...eu já gosto é de blues. Pra mim o melhor foi Steve Ray Vaugan. Depois, Eric Clapton. Gosto também da guitarra latina do Carlos Santana.
- Peraí...como não citaram George Harrison dos Beatles? Foi muito criativo também. Vocês tem preconceito com os Beatles. 
- E Robert Fripp do King Crimson? Aquele é criativo e diferente...
- É. Mas continuo achando que Jimi Hendrix foi o maior. A guitarra elétrica nunca foi a mesma depois dele.
- Parece que não vamos entrar em acordo. Vamos então ouvir uma opinião neutra. Vamos saber da Stefanny, que é namorada do Wever. Pra você qual o melhor guitarrista de todos os tempos?
- Chimbinha? 

- kkkkkkkkkkkkkkk ( geral).
- Peraí, pessoal. Vamos respeitar a opinião da menina...e respeitar o Chimbinha também. Ele carrega consigo as técnicas das guitarradas paraenses. Tem cultura ali.
- Tudo bem. Mas melhor de todos os tempos é muito né? 
- Posso mudar a minha opinião então?
- Claro...
- Bon Jovi...
- Ai...essa doeu...tá terminado o namoro.
- Que isso amor? Por causa de uma bobagem dessa?
- Ah não. Tudo, menos Bon Jovi. 

domingo, 25 de outubro de 2015

VIVA A POLÍCIA MILITAR!

Hoje quero manifestar meu respeito e meu apreço aos policiais militares. São eles que nos atendem nos momentos mais críticos, que entram na frente de tiros por nós, que sobem as favelas, se embrenham nas matas, entram em lutas corporais, enfrentam os piores bandidos, apartam brigas de casais, de condomínios, entram em cenas de crimes, convivem com os piores pesadelos humanos e ainda tem de aguentar uma série de preconceitos e violência por parte da própria sociedade por eles protegida. Quanto jovens, temos a tendência de nos revoltarmos contra a polícia. A juventude tem essa tendência natural de se revoltar contra as normas estabelecidas, contra a autoridade paterna, contra a lei e a ordem. Mas com o passar dos anos vamos ficando caretas. Adquirimos juízo, ficamos mais preventivos, mais vigilantes quanto aos perigos do mundo, aos excessos da juventude e também dos adultos.  Até hoje, em todas a vezes em que precisei da polícia para alguma coisa, fui atendido com presteza e gentileza. Só uma vez um policial ameaçou quebrar meu violão, mas eramos serenateiros inveterados e se para alguns as serenatas eram expressões do romantismo, para outros era perturbação da ordem pública. E à polícia cabia o oficio de zelar pela paz do cidadão. Mas ficou tudo bem. Ouvimos os policiais, interrompemos nossa cantoria (naquela madrugada), eles tomaram seu caminho e nós fomos para casa. Por isso quero manifestar meu reconhecimento a essa classe tão incompreendida. É claro que existem os bons e os maus policiais. Quem teve a experiência de conviver com maus policiais tem motivos para odiar. Na época da ditadura por exemplo houve muitos excessos autoritários e isso criou estigmas. Mas quero deixar de público meu agradecimento e reconhecimento aos bons policiais com os quais tive a sorte de conviver.Que a polícia tenha cada vez mais recursos para fazer bem o seu trabalho e com respeito e apoio da sociedade.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

ORAÇÃO BRASILEIRA


Ó Deus misericordioso. Dizem que o senhor é Brasileiro. Então prove e tenha misericórdia de nós que penamos com nossas elites há séculos e seculorem. Antigamente, durante o Brasil império, tínhamos de bancar a vida nababesca da nossa família real e da gulosa coroa portuguesa. Depois ficamos independentes, mas continuamos bancando a realeza brasileira, também sem limites em sua ostentação. Depois tivemos ditaduras, repúblicas e republiquetas...e o povo sofrendo pra pagar a boa vida das elites. E tivemos inflação de dois dígitos, juros de 90% ao mês, confisco do dinheiro, o boi sumiu dos pastos, a gasolina nas alturas... mas o povo aguentou firme, sobreviveu a todos esses cataclismas. Mas apareceu o plano real e todos acharam que finalmente o país estava saindo do buraco. E veio o governo do PT e aparentemente mais avanços. Mas o modelo chegou a exaustão. Crises sistêmicas formando sinapses pra todo lado e o mar de lama exposto a céu aberto, um imenso e fedorento esgoto putrefando o ar que respiramos. Nenhuma derrama, nenhuma exploração, nada no planeta se compara ao esquema de corrupção que acabou tomando o estado brasileiro de assalto. E isso não vem de hoje. Qualquer Brasileiro sabe que "se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão". Todos sabem e ainda fazemos piada. Só que a coceira virou tumor. O pequeno edema foi gerando metástases e de repente o organismo virou câncer por inteiro. Chegou a tal ponto que milhão e tostão tem mais ou menos o mesmo peso, tal o desrespeito com a coisa pública e o abismo entre o cidadão, ser humano normal e os deuses políticos, estes acima das leis, acima do bem e do mal. Então pergunto: o que fazer? Ó Meu Deus. Eu gostaria de pedir o seguinte: topo pagar um imposto caro. Topo pagar até 40% do que ganho para que os políticos nos deixem em paz. Topo que 40% de tudo que a gente produz vá pra gastar com eles, pagar hotéis caros, restaurantes pra que possam se empaturrar até morrer, cassinos para que joguem, prostíbulos para que possam sublimar o stress. Mas por favor, meu Deus: que fiquem longe de nós, que deixem o país andar, que parem de criar monstrengos, que nunca mais criem CPIs pra nada, pois sempre livram a cara dos companheiros, que não haja mais eleições, que eles possam se manter pra sempre em seus condomínios fechados de segurança máxima e não nos importunem mais. Por favor, que não venham mais querendo nos guiar pra esquerda ou pra direita. Vamos pelo caminho do meio, direto, sem desvios. E as elites há muito deixaram de ser hereditárias, pois surgiram novas elites reconfiguradas pela meritocracia do voto, que não é o da competência, mas da popularidade. E para governar o Brasil, precisamos de uma equipe formada por competências e não por conveniência. Gente da educação na educação, gente da ciência na ciência, do desenvolvimento no desenvolvimento, da cultura na cultura e por aí vai. Mas somos governados por uma classe política viciada no poder, completamente sem noção de suas atribuições, que não se sente ameaçada por nenhuma mega passeata, que considera normal apunhalar os companheiros para salvar as próprias cabeças, que não tem nenhum escrúpulo em ostentar fortunas 1000 vezes maiores que os valores que recebem em seus cargos. Ó Deus, quem sabe alguns meteoros ou asteroides alvejando os principais alvos de poder e queimando esses demônios? Mas cuidado, viu Deus? Sodoma e Gomorra são cidades santas perto de Brasília. Vai que eles se salvam e ainda vão querer o seu impeachment, abrindo caminho para Alah e outros Deuses emergentes...

terça-feira, 20 de outubro de 2015

EU ADORO A CRISE




Enquanto isso, naquele programa de TV

- Estamos aqui mais uma vez com nosso programa RAIO X, para entrevistar o sociólogo e economista, Dr Pangloss, que está lançando o livro " EU ADORO A CRISE". Obrigado pela sua presença, viu Dr. PanglosS?
- Eu é que agradeço pela oportunidade.
- Mas você está na contramão de todos os seus colegas economistas e analistas. Em que você se inspirou para escrever esse livro " EU ADORO A CRISE?
- São diversos os benefícios da crise. Pra começar, vou citar um deles. A crise é excelente para o meio ambiente. Menos consumo de combustível, menos queima de CO2, menos demanda, menos consumo, menos lixo.
- Mas...e fora esse benefício?
- Peraí...menos consumo de água e eletricidade. Também ajuda as pessoas a melhorar a economia doméstica, na medida em que passam a economizar para aliviar o bolso, Se você gasta menos água, se poupa nos banhos, se para de lavar a calçada pra não ter um enfarto quanto chega a conga, já será um ganho para os nossos reservatórios.
- OK. Mas e o desemprego? O Sr sabia que já temos 20 milhões de pessoas que perderam seus empregos no Brasil?
- Mas isso é muito bom.
- Mas peraí, Dr. Panglóss. O se está extrapolando agora.
- Não estou e provo. Muitas dessas pessoas que saem dos seus empregos começam a empreender, daí nascem novas empresas, novos prestadores de serviços competitivos que conquistam sua autonomia. A maioria dos brasileira é boa em sobreviver.
- Mas meu amigo. Nada tá vendendo. Veja a fábricas de automóveis. Os pátios cheios de carros zero e ninguém comprando.
- Muito bom
- Mas como assim...muito bom?
- O dinheiro não acaba, meu amigo. Ele muda de mãos. O que está acontecendo estimula o mercado de carros usados e oficinas de reparos. Além do mais, força as montadores a rever seus preços. Sabia que temos os automóveis mais caros do planeta? 
- Mas e os supermercados? Já começam a faltar produtos nas gôndolas.
- Muito bom. Vai estimular as pessoas a plantar sua hortinha no quintal, criar suas galinhas, investir em hortas comunitárias. Uma dieta mais saudável.
- Puxa, Dr. Panglóss. Muito interessante a sua abordagem, levando-se em conta que as pessoas andam muito pessimistas com o cenário econômico e político. 
- Pois é. Eu me recuso a ver o copo vazio. Precisamos agradecer a todo momento pela glória da vida.
- Bom Dr Panglóss. O Raio x vai ficando por aqui. Agradece pela sua entrevista e esperamos que em breve o sr retorne aqui para nos trazer mais um pouco de positividade.
- Será sempre um prazer.
- Só me diga uma coisa. O sr diz que é sociólogo e economista que nem FHC né? O senhor estudou fora também?
- Sim. 
- Estudou na França também?
- Não. Formei-me em Havana e fiz pós em Caracas.
- Ah tá...

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

VAI FALTAR PONTE...



Enquanto isso naquela ponte...

- Ô moço. Não fica aí não, sô. É perigoso...
- Hein?
- Vem mais pro meio da ponte, sô. Ai o sr pode cair...
- Eu não tenho medo não. Muito pelo contrário.
- Eu hein. O sr tem fósfo?
- Tenho isqueiro.
- Simporta se eu acender um cigarro de paia?
- De jeito nenhum. Tome aqui o isqueiro.
- Brigado. Mas o que o sr tá fazendo aí nesse canto da ponte. Pescando é que não tá. Esse rio não tem peixe a muitos anos.
- Não. Eu ia é suicidar mesmo.
- Suici o que? Cê não tá doido...
- Eu pensei muito e é a única saída.
- Mas o que aconteceu?
- A empresa em que eu trabalhava quebrou e não tem dinheiro pra nos pagar. Não tenho como sustentar minha família. Sou um homem sem honra, sem nada.
- Que isso, meu amigo. Não pensa assim não. Você é forte, tem saúde.
- De que adianta se ninguém quer me contratar pra nada? Já tentei de todo jeito...
- Uai. Sempre tem um jeito pra tudo nessa vida. Venda alguma coisa, faz um caixa pra aguentar.
- Quem dera meu amigo. A essa altura eu já vendi tudo que podia. Aguentei enquanto pude.
- Mas me conte uma coisa. Você mora em apartamento ou casa?
- Em casa.
- Pois é. Na roça quando tem crise, a gente sempre tem  uma horta e cria umas galinhas assim ninguém passa fome. Ocês da rua são tudo luxento. Só gostam desse tar de maquidonaldi.
- Não adianta. Já está decidido. Eu sou um suicida.
- Pra mim suicida é uma dupla sertaneja.
- Como assim?
- Uai, tem duas amigas minhas que montaram uma dupla. Uma se chama Sueli e a outra Aparecida. E a dupla Su e Cida. 
- Você não está ajudando com essas piadinhas, amigo. 
- Não seja tão negativo....pense bem. Sempre tem uma saída.
- A saída é eu morrer e minha esposa receber o seguro de vida pra aguentar um tempo, enquanto tenta arrumar emprego pra ela e pra nossa filha.
- Mas morrendo nessa ponte você não recebe dinheiro de seguro, home. Suicídio não é acidente.
- Tem razão. Melhor um atropelamento. Posso entrar na frente de um carro né?
- Acho que não. O melhor é você continuar aguentando o tranco. Além do mais, o Padre falou na igreja que suicídio é pecado mortal. Você já vai direto pro inferno.
- Ah. Pra isso eu nem tô ligando. Aqui já tá um inferno mesmo. Mas eu penso é na minha família. Preciso deixar alguma garantia pro pessoal.
- Quer pitar um pouco?
- Obrigado. Não me faz bem pra saúde.
- Então faz o seguinte. Sai dessa beirada aí e vem pra cá e deixa pra suicidar outro dia. Pense mais um pouco...
- Mas não adianta, sô. A situação do Brasil tá caótica e não vai melhorar tão cedo. Crise de todo jeito, econômica, política, psicológica, financeira, pior que a temporada de furacões nos estados unidos.
- O problema seus é esse. Vocês da cidade ouvem notícias demais e adoram notícia ruim.
- Ah...notícia ruim mesmo é ficar sem emprego, ter o telefone cortado, a Cemig, faltar comida em casa. É isso que tá acontecendo com um monte de gente...
- Por isso é que ser pobre é bom.
- O que você falou?
- Pobre se faltar luz faz fogueira na porta de casa e toca violão tomando cachaça.
- E pra comer?
- Uai...tem a hortinha, as galinhas, os ovos...pobre sempre deu um jeito.
- Ser classe média no Brasil é fria. 
- Que nada. Temos um país maravilhoso, sol quase todo dia. Água é que tá diminuindo e precisamos dar um jeito, mas no resto, o Brasil é uma maravilha. Você daqui a pouco sai do atoleiro, o Brasil também sai do atoleiro e vamos pra frente.
- Será? Tá certo então. Vou ver se aguento mais um pouco. E pensando bem, me dá um cigarro desse seu aí.
- É forte hein? Tá acostumado com fumo de rolo?
- Eu não. Mas me deu vontade.
- Eu fico pensando ... fico ouvindo a rádio e eles dizem que 600 mil perderam seus empregos nas obras pelo brasil afora. Nas montadoras, mais um montão de gente perdendo empregos. Já pensou se esse povo todo resolve suicidar?

- Vai faltar ponte

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

VÍCIOS


Enquanto isso naquela clínica de recuperação:

- Estamos aqui mais uma vez reunidos, para que cada um possa expressar o seu problema, primeira ação terapêutica para que possamos controlar os vícios a que somos acometidos. Quem quiser se expressar que fique à vontade. Você quer falar?
- Sim. Devo confessar: sou um viciado. Comecei com um por dia e hoje preciso de no mínimo 6 para me satisfazer. É um de manhã quando acordo, outro por volta das 10 horas, outro as 2 da tarde. As 5 é essencial. As 8 é pra encarar a noite. E as 11 é pra dormir. Já tentei mas não consigo diminuir. Em determinada ocasião, consegui diminuir para apenas 2 por dia. mas com o tempo voltei ao consumo anterior. Não sei mais o que fazer. Preciso de ajuda. Para os alcoolatras tem o AAA. Para outros vícios tem as clínicas, mas ainda não criaram a associação dos comedores de pãozinho de sal anônimos. 
- Uma salva de palmas para o nosso irmão. A confissão é um passo importante para conseguirmos a cura. Vamos ao próximo...você aí que levantou a mão... 
- Sou um viciado em coca-cola. Já vi milhares de filmes e textos horríveis, verdadeiro terror comercial anticoke. É coca-cola pra desentupir pia, pra tirar ferrugem, pra lavar trator e até com rato dentro. Os nutricionistas, os comunistas, o pepsistas, todos unidos movendo campanhas colossais e recomendando distância da diabólica bebida símbolo do capitalismo. Mas não adianta. Não fico sem coca-cola de jeito nenhum. Principalmente na hora do almoço para aquele orgasmático arroto ( politicamente incorreto, mas delicioso). E tem de ser daquela de rótulo vermelho. Nada de Light ou zero. Com gelo e limão é a bebida mais refrescante do mundo. Com run, vira cuba libre. Com Vodka vira guerra fria. Com bala mentos vira atentado. 
- Uma salva de palmas para o irmão. Alguém mais quer falar? Você...
- Bom, eu tenho vícios corriqueiros como ler no trono, andar no meio fio, tomar 3 garrafas de café por dia, também sou viciado em batata frita. 
- Palmas para ele pela coragem de se expressar. Ser viciado não é nem pecado nem crime. Pode até não ser recomendável, mas não mata ninguém. Alguém mais quer falar?
- Eu agradeço a Deus por meus vícios, que são até lights se comparados a alguns vícios muito mais destrutivos.
- Alguém mais quer falar? Você de terno e gravata...
- Eu sou um político e fiquei viciado em propina. Já tentei parar, mas sempre aparece um empreiteiro oferecendo pixulecos e tenho terríveis recaídas. 
- Posso falar também? Fiquei viciado em fofocas e calúnias. Já tentei parar, mas não consigo. A língua coça e quando vejo, já estou futricando de novo.
- Esse vício é muito danoso. Costuma dar câncer na língua.
- Posso falar também? Estou viciada em facebook e whatsapp. Não consigo ficar um segundo sem conferir as novidades.
- É um vício que vampiriza o tempo. O pior dos vícios modernos. Mais uma salva de palmas para todos que tem a coragem de expressar suas fraquezas. Você aí. Quer falar também? 
- Minha situação é pior. Eu trabalhava no circo e fazia números incríveis. Fiquei viciado em comer giletes. Depois parou de dar ibope e me viciei em engolir espadas. Proibiram o número e me tornei palhaço. Fiquei viciado no riso da platéia e em roubar mulher dos outros. 
- E você? É viciado em que?
- Eu sou PMDB e sou viceado no poder.