quinta-feira, 17 de setembro de 2015

CIANURETO COM NITROGLICERINA



Enquanto isso naquela clínica psiquiátrica, dois internos conversavam...

- Quem é você?
- Não sei. Acho que surtei. E você?
- Eu também.
- Mas como foi o seu caso?
- Eu sou uma pessoa que recuperou a memória.
- Memória de que?
- Memória do homem, da sua ancestralidade mais remota...
- Mas o que será isso? Algum tipo de psicografia? Você se comunica com os espíritos?
- Eu bebo da fonte primordial, da luz da vida.
- Você está falando de Deus?
- Não sei se Deus é um nome adequado. Cria uma hierarquia.
- O que seria então?
- Quem dera eu soubesse. Sei que extrapola os Deuses terrenos. Vai além do homem.
- Então acredita nos Deuses astronautas?
- A vida está em diversos pontos do universo.
- Mas o que faz a terra tão especial?
- É viveiro de muitas espécies. E tudo que vive tem alma. A alma não é privilégio humano.
- E você acredita em reencarnação?
- Eu vivo isso. Acabo de recuperar memórias ancestrais. Isso inclui vidas passadas,
- Mas não tem uma religião?
- Tenho à minha maneira. Acredito que todas com seus rituais, moralidade e ensinamentos podem ajudar as pessoas a se conectar com boas energias. O problema é que também são usadas para dominar e até para justificar guerras e carnificinas.
- Então você fica em cima do muro?
- Em cima, não. Acima. A gente precisa flutuar, voar acima e não se perder em labirintos.
- Mas você está aqui, nesse hospício.
- Estou porque quero.
- Sabe que eu também?
- Estou aqui porque fui tomar um chá de um raizeiro que o pessoal estava dizendo que era bom pra sabedoria. Foi aí que recuperei toda a memória. Acordei aqui. Minha família me internou, pois me encontrou catatônico, sem brilho nos olhos. O estado catatônico durou 4 dias.
- Eu acredito. Eu estou aqui porque percebi que meu patrão ia me mandar embora. Então simulei um treco Sabe o que é dar um treco? Eu fingi que não falava nada com nada, falando tudo embolado. A menina da segurança tratou de pedir pra me examinarem. Deram-me uns remédios legais. Fiquei doidão. Depois fiquei 4 dias tipo autista. Sem falar nada. Estou afastado.
- Mas corre perigo. Não poderá adiar pra sempre...
- Você é que não me conhece. Sou ótimo ator. Sei fingir bem. Se bobear consigo aposentar.
- Boa sorte. Obrigado viu? Estou indo embora.
- Mas espere aí...mas como assim indo embora? Você está com telefone celular...você gravou a nossa conversa?
- Sim. Me perdoe mas é a vida.
- Espere aí?
- Tem você confessando que tá fingindo doença. Perdeu, irmão.
- Seu FDP...então aquela conversa era papo furado?
- Criativo né? Tem um sujeito que escreve esses textos pra nós.
- Mas o que você ganha com isso?
- Nunca ouviu falar em Delação Premiada?
- Que pilantra. Ganhou minha amizade, puxou minha língua e me esfaqueou.  
- A República precisa dos delatores.
- Será você uma reencarnação de Judas, Joaquim Silvério dos Reis?
- O Clube dos delatores? Tem o Roberto Jefferson também e os outros que vão trairando uns aos outros.
- Vamos fazer o seguinte: dou 5.000 nesse celular...
- 7.500,00 e ele é seu.
- Me dê ele aqui...
- Mas como garante que eu vou receber o dinheiro?
- Vamos entrar no homebanking e transfiro aqui na sua frente...
- Negócio fechado...transfira então para que eu veja...
- Então vamos lá...internet boa hein? Numero agencia, número de conta senha...ok. Agora o número da sua conta...pronto...transferido.
- Beleza. O telefone é seu. Agora vou embora.
- Mas espere aí. Não pode ir embora. Não tem mais o telefone.
- Mas eu tenho meu relógio que também grava. Valeu, viu?
- Fdp...
- Aqui...tô deixando um chazinho pra você tomar. Se quiser se arriscar...
- É aquele chá que você tomou?
- Não. É cianureto com nitroglicerina.

2 comentários:

  1. Isso é fantástico. Adorei Seu Marcos. Estou escrevendo um livro e quem dera Deus me houvera dado esta história para um dos meus preferidos personagens, Cairia como anel no dedo. Ele se chama Zé Bonzin e vive bêbado. É um sério crítico dos contrastes vivenciais da humanidade. Ele afirma: "Há pessoas que só pensam em sexo e se esquecem do outro 1% da vida que também é tão importante. Este seu diálogo é maravilhoso. Foi bom lê-lo. Obrigado, cada dia que passa lhe conheço mais um pouco e um muito mais lhe admiro. Carinhos Manoel.

    ResponderExcluir
  2. Puxa, vindo de você, caro Manoel, fico muito lisonjeado e feliz. Seus textos também são preciosos. Um grande abraço.

    ResponderExcluir