quinta-feira, 9 de outubro de 2014

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO, CUMPADRE!!!

 

Enquanto isso, numa vendinha do interior.

- Tarde.
- Tarde.
( silêncio de 1 minuto)
- Tempo tá virado...
( silêncio de mais 1 minuto).
- Mas vem chuva de tanajura.
- Dia 20.
- Que tem dia 20?
- Vai chuver.
- Como sabe?
- Cumpadre Antônio falou.
- Ele é vidente?
- Não. Ele ouve o climatempo na rádio
- E a política...
- O que tem a política?
- Você gosta de política?
- Mas é claro, uai...vixe...fica quieto que tá chegando um home aí.

Um sujeito gordinho e falante adentrou pela vendinha

- Seu  Zé, seu Zé. Tô precisano docê.
- Mas é claro. Em que posso serví-lo.
- Sabe o que é? Tá vindo a eleição, né? Nós estamos trabalhando com o candidato Dr Alfredo. Ele é o candidato da saude, é o que tem as melhores propostas para a cidade, inclusive para o fim de mundo de vocês aqui, quer dizer, a comunidade de vocês.
- Mas é claro que nós vamos votar nessa ratazana, quer dizer, no bacana do Dr. Alfredo. Aqui eu arrumo voto pros candidato mesmo.
- Que bom. Então nós podemos contar com o senhor?
- Mas é claro. Só tem uma condição.
- Mas qual que é?
- É deixar uma pequena colaboração de 300 real pra caixinha dos funcionários.
- Ah...claro. Tá aqui ó.
- E pode contar comigo sim. Traga os demônios, quer dizer os santinhos do seu candidato que eu vou distribuindo.
- Então tá combinado. 

Depois que o cabo eleitoral saiu, o companheiro que tava na moita falou

- Mas ocê é ordinário mesmo, hein Zé?
- Mas mode porque, cumpadre?
- Você pediu dinheiro pro caixa dos funcionários...mas só tem você de funcionário.
- Ah cumpadre Jorge. Você tá muito preocupado com miudeza. Mas o que a gente tava conversando mesmo?
- Sobre política. Eu perguntei o que você tá achando da politica.
- Ah...eu não gosto muito desse trem. Gosto mais de futibor. Veja o tanto de fotos de time com título que eu tenho. Ser Cruzeirense é muito bom, né cumpadre Jorge?
- É bão mesmo. Ih...olha lá...lá vem mais um...

ENTROU MAIS UM CABO ELEITORAL FALADOR

- Seu João. Como é que estão as coisas?
- Opa. Você não é filho do Pedro Polycarpo?
- Sou eu mesmo...
- Seu pai tocava sanfona muito bem. Tocava Luiz Gonzaga e música sertaneja da boa.
- Pois é. Mas o senhor vai me desculpar mas tenho de ser objetivo. Sabe como é né? Sou pragmático.
- O sr é o que? 
- Pragmático? 
- Pragmático é um espécie de macumbeiro?
- Macumbeiro?
- Que joga praga na gente.
- O sr é brincalhão hein?
- Mas que tal irmos ao que interessa?
- Mas claro. Eu queria pedir ao senhor pra apoiar o nosso candidato, o Chico Picareta. 
- Mas o que que ele pode fazer pelo povo aqui da região?
- Ele vai trazer mais emprego, mais segurança, saúde, lazer, cultura, desenvolvimento, educação, tudo que tiver no menu.
- Uai. Ele é bom então, hein? Pode contar com meu apoio.
- Sério mesmo? Então posso trazer os santinhos pro senhor?
- É claro...mas com uma condição.
- Que condição é essa?
- Que você deixe 480,00 para o caixa dos funcionários. 
- Mas é claro...deixa eu depositar aqui...
- E vou ficar esperando os capetinhas hein, quer dizer...os santinhos.
- Ok...agora vou andando...

QUANDO O MALA ELEITORAL SAIU O CUMPADRE RESOLVEU FAZER SUA CONTABILIDADE

- Deixa eu ver aqui...vou fazendo os bolinhos de 100 cruzeiro...2.500 cruzeiro. Tá bom né?
- Cumpadre, você é muito esperto.
- Sou nada...
- Mas me diga uma coisa. Todo dia é assim?
- Vareia. Tem dia que dá menos um pokim.
- E o Sr trabalha pra todo mundo mesmo?
- Mas é claro. Deixa eu te mostrar como funciona. Fecha o olho.
- Pra que?
- Feche o olho e não discute............agora pode abrir
- Mas o que é isso?
- É meu baralho de candidatos. Chega gente aqui e me pergunta se eu tenho algum candidato pra indicar. Eu falo que tenho vários pra indicar. Só gente boa. Ofereço o baralho e peço pra pessoa escolher um. Tem gente que até agradece.
- Tá certo cumprade. No final tá ajudando as pessoas, né?
- Prestação de serviço, cumpadre...

Nenhum comentário:

Postar um comentário