sexta-feira, 11 de abril de 2014

SE DER DINHEIRO, TUDO BEM!


O filho, pela tricentésima sexagésima quinta vez, tentava estabelecer um diálogo aproveitável com o pai. Digo aproveitável, por que conversa de adulto com adolescente é só pra cobrar condutas irrepreensíveis, como se os adultos não errassem...

- Pai. Eu vi uma coisa incrível hoje.
- É mesmo? O que foi?
- Tinha uma pessoal apresentando uma peça de teatro na rua.
- Sei...
- O pessoal apresentava aquela peça Dom Quixote. O ser conhece?
- Um idiota que andava num cavalo de pau lutando contra moinhos de vento? Esse cara fumava é droga estragada.
- Quê isso, pai. Nosso professor de literatura nos falou que o Miguel de Cervantes foi o maior escritor da Espanha. Dom Quixote foi seu personagem imortal.
- Filho. Aprenda uma coisa com o seu pai. Toda vez que você analisar qualquer coisa, deve primeiro fazer uma pergunta pra você mesmo. A pergunta é : Isso dá dinheiro? Se der dinheiro, vá em frente.
- Mas pai. Essa peça já foi apresentada milhões de vezes no planeta inteiro, sempre com muito sucesso.
- Ai, ai, ai. Já vi que você está com pensamento de ser artista, né? Pois tire esse pensamento da cabeça. Assim você não vai ser ninguém na vida.
- Mas pai, tem artistas muito bem sucedidos.
- Uai. Se você quiser se prostituir e até sair pelado em revista, até que ganha algum dinheiro.
- Mas que preconceito, pai. Nossa...
- Preconceito, nada. Eu sou é realista. Veja essas atrizes todas que você conhece. Elas ganharam dinheiro mesmo foi quando mostraram tudo nas revistas de mulher pelada.
- Puxa, pai. O senhor não acredita na arte mesmo, hein? Cadê a guitarra que o senhor tocava tão bem? Cadê seus discos de rock?
- Ih...a guitarra eu troquei numa esteira de ginástica e meus discos eu joguei no lixo.
- O senhor virou um escravo do sistema. Que tristeza.
- Escravo do sistema? Mas como assim escravo do sistema? Pois saiba que esse escravo do sistema aqui é que paga as contas dessa casa.
-Tudo bem. Mas precisava ficar tão careta assim? Tão longe da arte, da poesia, do rock?
-Filho. Vou repetir mais uma vez. Guarde muito bem o que vou lhe falar. Não perca tempo com ilusões, com esses sonhos juvenis. Grave bem: Se der dinheiro, vá em frente. Se não der, dispense. Se agir assim vai se dar bem na vida.
-Aff.
- Agora você vai me dar licença pois tenho de ir ao banco pagar algumas contas...

Foi o pai sair e o  avô  que ouvia tudo no quarto ao lado chamou o neto.

-Guilherme...venha aqui.
- O que foi, vô?
- Só pra lhe dizer uma coisa. Seu pai está passando por uma fase difícil, muito preocupado em juntar dinheiro e acumular patrimônio. Um dia ele vai entender que isso não vale nada.
- Pois é, vô. Ele tá ultra careta. Não sei o que fazer.
- Então ouça esse seu velho avô. Ele falou que se der dinheiro, vá em frente. Não é isso?
- Sim.
- Então apague e coloque no lugar o seguinte:  se der prazer, vá em frente. Um dia ele vai entender isso...

Nenhum comentário:

Postar um comentário