sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

QUEM É QUE NÃO GOSTA DE UMA PELADA?

Vídeo caseiro com a música PELADA, 
recentemente gravada pelo SOUL DU SAMBA.
 A produção é econômica, mas dá o recado...

O sentido é duplo mesmo. Quem é que não aprecia a nudez feminina? Até as próprias mulheres gostam de ver um corpo feminino desnudo. Mas o assunto é a outra pelada, aqueles embates futebolísticos informais irresponsáveis, com traves de bambu ou pedras...as vezes algumas camisas delimitando os gols, quadras ou campos com ou sem grama. Fico olhando a turma passar animada pra bater uma bolinha. O povo passa carregando suas chuteiras nas mãos, animados, cheios de disposição. O bacana é que jogam juntos os caras que sabem jogar e os pernas-de-pau. Diversão pura! E costuma acontecer do perna-de-pau estar numa noite inspirada e humilhar os craques, com chapeuzinhos e canetadas. Eu adorava jogar bola. Perto de minha casa em Alvinópolis havia um campinho 24 horas. Na época o futebol amador era forte e meu pai ia ao campo todos os domingos. Nunca fui um craque. Durante muito tempo, cismei que era lateral esquerdo e jogava nessa posição até nas peladas. Cheguei a jogar nas categorias de base do “Pinga rato”, mas aí não era exatamente pelada. Já era um futebol mais ”profissional”, pois tinha jogos de camisas, trave com rede, etc. Boas mesmo eram as peladas. Alguns craques com um pé calçado e outro descalço. Havia os times sem e com camisa (era esse o uniforme). Os times eram definidos no par ou impar. Quem ganhava tinha o direito de escolher o primeiro jogador e assim sucessivamente. Eu era um dos últimos a ser escolhido. Pra mim não fazia diferença. Eu queria era jogar. Havia aqueles especialistas em ficar na banheira, outros especialistas em chutar de bicuda, tinha aqueles que chutavam a bola dentro do rio ou fora da quadra, pra esfriar o ímpeto dos adversários. Mas as peladas continuam na moda. Pra todo lado tem quadras, seja de grama artificial, seja de cimento...e a turma joga peladas fantásticas. Hoje em dia tá na moda gravar. Quem sabe não pinta um daqueles gols pro bola cheia do fantástico? Bolas murchas com certeza vão rolar com força. E a bola vai rolando pelo Brasil à fora. Quantos craques brilhando em lances inesquecíveis. Pode ser que seja necessário um número maior de intervalos, para comportar tempos técnicos extras, pra tomar uma cerveja ou uma cagibrina. As regras podem mudar a qualquer momento. Mais recentemente as mulheres resolveram jogar bola e não tem nada melhor do que assistir uma mulher jogando pelada, quer dizer, vestida, quer dizer...deixa pra lá. As meninas estão fazendo bonito e dando o maior olé em muitos marmanjos. O fenômeno até me inspirou a fazer uma música, um sambinha denominado “PELADA”, que foi recentemente gravada pelos meus amigos do SOUL DO SAMBA. E por falar em pelada, fico pensando nos amigos músicos. Podia rolar de vez em quando uma peladinha musical, um palco aberto pra turma tocar sem compromisso, sem lucro, só pelo prazer de tocar, afinal de contas, quem não gosta de uma pelada? E por falar nisso, quando sai a playboy com a Sininho?



Quem quiser conferir a gravação do SOU DU SAMBA, tem o link


Nenhum comentário:

Postar um comentário