sexta-feira, 1 de novembro de 2013

SPY VS SPY

Quem não se lembra dos dois personagens espiões sacanas das tirinhas Spy vs Spy da revista MAD?Spy vs. Spy é uma série de quadrinhos criada em 1961 por Antonio Prohias, um cubano radicado nos Estados Unidos. Esse episódio da espionagem internacional me lembrou os dois espiões criados durante a guerra fria.  Aqui no Brasil, repercutiu muito a indignação da Dilma. A espionagem existe desde que o mundo é mundo e não vai ser agora que vai acabar. E o que o governo brasileiro queria? Os americanos inventaram a internet e a sediam. Lá estão a Google, o facebook, a microsoft, a apple, a ONU, a maioria das grandes centrais de uploads e a gigantesca nuvem computacional se desvanece num segundo, caso eles resolvam apertar o botão de off. Pra completar, eles possuem uma intrincada rede de satélites, de cabos. Sem a internet e tanta tecnologia eles já espionavam todo mundo, imaginem agora que podem encontrar até o fio de cabelo no deserto? O mundo agora descobriu que os americanos espionam é todo mundo e os espionados estão revoltados. Descobriu-se que eles xeretaram a Angela Merkel da Alemanha e até o conclave da escolha do papa. Os países considerados alinhados ficaram indignados.
- Ora, Obama. Que isso, espionar os amigos? A Dilma disse algo parecido. Só que o caso brasileiro é um pouco diferente. O Brasil se aliou a vários países ditos inimigos do tio Sam, como a Venezuela, Irã, Cuba, China e Rússia. O Brasil não tornou-se inimigo dos Estados Unidos por causa da sua diplomacia vermelha, mas entrou na lista dos levemente suspeitos. O mais terrível foi a constatação de que houve espionagem industrial. O Brasil tornou-se player mundial em diversos segmentos como a mineração, petróleo e agronegócios e no jogo do dinheiro vale tudo, principalmente obter informações privilegiadas a qualquer custo. Mas é um erro querer criminalizar apenas os americanos. As informações divulgadas dão conta de que existem outros países que integram uma rede mundial, um espécie de consórcio internacional envolvendo os Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Austrália e Nova Zelândia. Convenhamos. Tremenda conversa fiada.Os Estados Unidos vão fingir que vão parar de espionar, os países vão fingir que acreditam e a espionagem continuará empregando milhares de pais de família pelo planeta afora. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário