quinta-feira, 20 de junho de 2013

MOVIMENTOS PRA TODO LADO ( mas podem ler que não é mais do mesmo)

Se os artistas fossem se manifestar...

Já imaginaram uma passeata, um movimento de artistas saindo pelas ruas com suas vozes afinadas, seus instrumentos, suas causas? Seria uma grande serenata, retreta ou sei lá o quê. Imaginem as bandas de música, os corais, que lindo seria.Poderiam se manifestar na frente das rádios e canais de TV, protestando contra a falta de espaço. Poderiam se manifestar defronte às casas de show pelos baixos pagamentos e a opção pelas atrações mais popularescas. Poderiam protestar contra o preconceito, contra a desvalorização da classe por boa parte da sociedade, que vê o artista como marginal, incapaz de gerar renda e algo de proveito. Protestar contra o público, que não se abre ao novo e segue a cartilha do que é imposto pelas mídias de massa.Se não estiver na globo, não existe. Protestar contra as leis de incentivo, cujas verbas são em sua maioria canalizadas para quem já tem dinheiro. Protestar contra as empresas, que também preferem investir em projetos de artistas já famosos e consagrados e não apostam em projetos voltados para os que estão buscando seu lugar ao sol. Protestar contra a insensibilidade das prefeituras, que privilegiam os eventos agropecuários, pra onde canalizam quase toda a verba disponível, deixando as migalhas para distribuir para as outras manifestações culturais. E aí, artistas? Uma manifestação dessas terá quórum? 

Independente dos movimentos, a cultura continua acontecendo...

Os Coletivos

São grupos de artistas que se unem para mover projetos juntos. Tem vários coletivos se formando pelo país e muita gente de talento aproveitando as vitrines. Em Monlevade os coletivos já fizeram um evento conjunto que foi o Grito do Rock. A Carla Lisboa é uma adepta e incentivadora da cena. Tá sempre interagindo e compartilhando informações. Os coletivos podem  ser o futuro da música. Talvez nasça daí uma cultura alternativa, tribalista, diferente odo modelo atual. E por falar nisso, O “Coletivo Canela de Cachorro estará em Alvinópolis no dia 26” com vários artistas.

O Festival de Alvinópolis

A organização está entusiasmada com o movimento. Inscrições chegando de várias partes do país e promessa de muita qualidade. Tomara que pintem novos artistas. E que alguns mais tradicionais também arrisquem a enviar suas músicas.

Festival em João Monlevade

Já conversei com algumas pessoas e vamos tentar fazer. Alguns projetos são assim mesmo. Você primeiro almeja, depois trabalha em cima pra ver  se é possível. Se a cidade quiser, vai ter.

Outros Festivais

Vai ter festival em Ribeirão das Neves, promovido pelo amigo Carlim Credalde, que é artista plástico e tocou comigo no Verde Terra. Vai ter também um festival interessante patrocinado pela empresa Pássaro Verde. 

Projetos que almejamos, mas  recuamos para retomar depois...

Nem sempre conseguimos realizar alguns projetos. O que não significa que eles não serão retomados no momento apropriado. Queríamos fazer o ROCK PIRA, chegamos a iniciar uma divulgação, mas tivemos alguns problemas e preferimos adiar do que realizar de um jeito que não julgávamos apropriado naquele momento. Mas as vezes é como levar o projeto para a oficina, reparar os defeitos e recolocar o projeto em pauta.

Samba de primeira

Estou produzindo um CD que vai dar o que falar: dos meus  amigo Samyr Issa e seu irmão Semer. Eles tiveram uma casa noturna chamada Manhattan em Monlevade. A melhores bandas da época tocaram lá. O Samyr, quer dizer, Dr Samyr  é médico e seu irmão Semer é empresário. Há algum tempo conheci o Samyr, tivemos alguns contatos profissionais, porém não conhecia a fundo o seu trabalho como cantor e compositor. Qualidade surpreendente. Um desses compositores de boa mão que numa encruzilhada da vida, tem de optar por uma profissão mais rentável e segura. Mas isso não lhe tira o talento. Faz  sambas em  todas as vertentes, com boas letras e melodias muito agradáveis. Tá sendo um prazer trabalhar com os caras e tenho certeza que o resultado final será um belo álbum.

Ellus de volta

Um passarinho loiro me contou que o grupo vocal Ellus vai voltar a ativa. Não se sabe exatamente qual será o formato, pois nem todos os componentes estão na ativa, mas a notícia é excelente.  De qualquer maneira, Ronivaldo Magalhães e Trupe saberão retomar a fórmula do Ellus, à base de vocais femininos agradáveis e afinadíssimos , arranjos vocais bem elaborados e músicas especialmente escolhidas. O grupo canta a minha “Do Outro Lado Do Espelho” de um jeito muito especial.

Solo Fértil

Estarei lançando em breve blog e trabalhos realizados em parceria com vários parceiros, músicos e compositores muito inspirados. Em principio, lançarei apenas na internet.

Verde Terra e República dos Anjos

Estamos trabalhando para viabilizar o álbum com as músicas mais representativas do Verde Terra. A produção não é tão ágil quanto gostaríamos, mas uma hora sai. Com relação ao República, estamos refazendo algumas faixas que começamos a experimentar, como Belle Epoque e Dom. E trabalhando em material novo. Em breve teremos novidades.

E as cenas?

Como estão Infocus, Soul do Samba, Dizarm, Umbigo, Le Trolls, The travel, The Mistake, Alvaro e Vinícius, Derramasters, Isa Lelis, AudioFuncho, Cenas da Periferia, Fabrício e Eucimar, Caravan Escarlate, Roseinblack, Esboço, Carolina Albuquerque, Rômulo Rás, Black Roses, Mike Santos, Viúvas Negras, Código Vermelho, Porão 71, Ponto Morto, Tulhio, Juney e Maycon,  Carolina Nóbrega, Tatiane Coura, Luluth, Kalamidade Pública, Black Factory, Hard Case, Marcela D’Morais, Silvanna e a Máquina do Tempo, Wick and Blues, Celso Adolfo, Banda Agá, Livvia Bicalho, Amanda Alves, Heroes in the hell, Plataforma 3, Ronivaldo e José Roberto, Serginho Martinelli, Mark Jr, Concreto, Gordo e os Alones, Código Livre, Mário e Banda, The Flying Hight, Gilvan e Rayan, Márcia Prímola, Ricardo Monlevade, Luiz Bira, Nilton Baiandeira ( in memoriam), Chico Franco,  Kenny e Kerlon, Nathy Gregório, Tupete, Família Rodrigues, In rock, Banda Dirock, Aulus Rodrigues?

Uma frase

“A ARTE É LONGA E A VIDA É BREVE”

Passarão os vereadores, os secretários, os prefeitos, governadores, presidentes, mas a arte sobreviverá. Os Romanos deixaram de  ser os comandantes do mundo, mas o coliseu e as obras de arte estão lá, assim com a arquitetura, que também é outra forma de arte. Tá aí o comunista Niemeyer pra nos provar. Os egípcios antigos nem existem mais, mas as pirâmides estão lá. Assim acontece com a música clássica. Várias gerações após, ela continua viva e atemporal. Por isso, tenhamos a clarividência de abrir os canais para que a arte possa se expressar.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário