quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

RESENHA ATLÉTICO X SÃO PAULO

Uma bela partida de futebol entre Atlético e São Paulo. Dois estilos diferentes, um muito mais eficiente. O Atlético tem um diferencial chamado Ronaldinho. Ele faz o que ninguém imagina. Clarividência do lateral também. Bater aquele lateral daquele jeito foi de extrema esperteza. A torcida do Atlético tem uma implicância danada com o Marcos Rocha, mas ele as vezes fez a diferença. Foi um lance pra ser visto no mundo inteiro. E no gol do Rever, o Ronaldinho novamente fez o improvável. Driblou onde todos achavam que ia lançar. Acho que driblou até os locutores, a torcida. Foi incrível aquele lance. Calma, amigos cruzeirenses. Não passei pro outro lado. Mas estou falando sobre a realidade. O São Paulo por sua vez, parece que quer ser o Barcelona. Foi tentando trocar passes curtos ocupando o campo, só que pra esse tipo de esquema tem de ter um índice de eficiência muito acima da média...e o SP errava muitos passes. O SP até teve chances de empatar, mas o gol do Aloísio me pareceu irregular. Carga sobre o zagueiro. E no primeiro tempo o Atlético teve chances para golear. Bernard era mais veloz que todos em campo. Rever jogou uma partida de jogador de seleção. Ele e o Lúcio pelo outro lado. Dois zagueiros muito acima da média. Eu esperava mais do SP. Tem muitos japoneses por lá, jogadores que saíram de não sei onde. Ontem que percebi que o Atlético tem muito mais jogadores conhecidos e consagrados. Só o Cruzeiro mesmo para parar eles.

Um comentário:

  1. A derrota do São Paulo no jogo de ontem se deveu a erros de escalação e estrutura tática. Um erro capital foi a improvisação do Douglas como meia-atacante aberto pela direita (ele é lateral) para cumprir a função antes exercida pelo Lucas, no 4-2-3-1. O resultado disso já era esperado: o jogador não achou seu espaço em campo e pouco produziu nessa função. O segundo erro da equipe paulista foi ter afunilado demais o jogo no primeiro tempo. Assim, não havia poder nenhum de criação. O problema é que, além da improvisação do Douglas, que não deu certo, o Osvaldo, que deveria jogar aberto pela esquerda, centralizava demais e facilitava a marcação. Assim, a equipe tricolor ficou previsível e facilitou a marcação do Atlético Mineiro. No segundo tempo, com as mudanças, principalmente a entrada de um atacante de ofício (Aloísio) no lugar do Paulo Miranda, e o recuo do Douglas para a sua posição de origem, o time melhorou e por pouco não empatou no final. Ronaldinho fez boa partida pelas duas assistências, mas nada de excepcional como a mídia insiste em colocar. Trocando em miúdos: Ney Franco errou na montagem da equipe e essa foi a principal razão do revés são-paulino na noite de ontem.

    ResponderExcluir