segunda-feira, 30 de julho de 2012

AS CAMPANHAS NO FACEBOOK

Apesar dos esforços dos militantes virtuais, pelo menos por enquanto, vejo como incipientes as campanhas no facebook e na internet. Pelo que posso perceber, são mais ou menos as mesmas pessoas que entram pra conferir se seus candidatos estão bem na fita, se tem alguma piadinha nova com o outro candidato pra morrer de rir e também se tem algum crápula,algum desalmado fazendo piadas com os candidatos da sua escolha. Pode ser que em algum ponto a campanha esquente na internet, mas nesta eleição, sinto que valerão as velhas táticas de sempre: gastar muita sola de sapato, muita saliva, gente nas ruas, jingle e novelinhas nos carros de som e os programas de  rádio, que só começam no dia 21 de agosto. O povão mesmo, aquele que é lembrado apenas na época das eleições, está lá nos seus mundos à parte, esperando as festas, esperando que os candidatos saiam de suas bolhas para visitar suas ruas quase descalças ou pra pagar uma pinga no boteco copo sujo da esquina. Agora, todo mundo é companheiro, todo mundo é camarada, todo mundo é amigão. Esse "povão" até usa a internet, mas para namorar, para zoar, para postar frases de efeito, mensagens religiosas , do batizado do neném, do baile funk, do pagode do último sábado à beira de uma piscina de plástico. Esse povo não vota por consciência crítica, mas por achar que A é mais bonito que B,  que B é mais simpático que C, ou que C vai favorecer a ele a sua família mais que A. As pesquisas por enquanto só apontam tendências, mas a grande massa de eleitores ainda está indecisa. E dessa  massa, pequena parte acessa a internet. Parece um cenário improvável para nós que vivemos on-line quase 24 horas, mas é a realidade desse país onde o sofisticado e o palpérrimo convivem lado a lado.Esse é o real desafio dos marketeiros. O resto é perfumaria.  

sábado, 28 de julho de 2012

ADORO FRIO!!!

Há pouco tempo, li uma matéria dizendo que é um grande engano pensarmos que o planeta está aquecendo, que a tendência das massas é perder calor. Pode até ser. Mas sinto que em algumas àreas, parece que o frio diminuiu mesmo. Nesta semana, tive uma prova cabal disso. Estive de segunda a quarta em João Monlevade e a temperatura estava bem amena. Fui para Santa Bárbara e a temperatura também não estava alta. Fui para Belo Horizonte a a temperatura também estava temperada. Cheguei em Betim e também não senti queda expressiva de temperatura. Mas quando cheguei em meu sitio, que fica entre Betim e Esmeraldas, o frio estava demais. Dormi com algumas camadas de cobertores por cima. No outro dia, coisa rara, fui levantar as 9:30 e o frio dentro de casa estava muito forte. Abri toda a casa pra deixar o sol entrar, mas o frio ainda era grande. Só conseguimos nos aliviar quando saímos de casa e fomos "quarar" sol na estrada. Perto de onde temos sitio  passa um rio. Talvez esse frio esteja relacionado a este rio, cuja água vem da serra. A nascente fica numa região de muitas pedras, quer dizer, em altitudes maiores, imagino que o sofre um vento mais frio, que resfria a agua, que desce pelo rio e traz com ele a baixa temperatura, que gela até os nossos ossos. Daí não dá pra concluir em regiões menos úmidas, o frio tende a ser menor,afinal, os desertos são muito frios à noite. Mas pelo menos em nossa região, se tem muita água, fatalmente haverá frio. E pra ficar mais charmoso ainda, alguma neblina em suspensão. Aliás, adoro esse clima de frio. Esses dias estou tendo a oportunidade de vislumbrar cenários magníficos. Tenho trafegado pela estrada de terra que a gente pega para Santa Bárbara, que passa próximo a lagoa do Peti. Quando a gente passa pela manhã é uma delírio de paisagens de inverno, com neblina baixa sobre a lagoa, muitas sombras e muita luz. Se eu fosse um fotógrafo, faria uma viagem por essa estrada as 6:30 da manhã só para captar esses momentos mágicos. 

POLÍTICA NÃO É LUGAR PARA SANTOS

Há o costume dos correligionários de santificarem seus candidatos e demonizarem os adversários. Fica fácil quando a eleição é polarizada, pois haverá apenas um demônio a combater. Quando são três, a magia tem de ser mais forte. O interessante é que com mais de três candidatos, a luta pode ficar mais fácil. Quem dera fosse uma olímpica peleja entre anjos. Até poderia ser, pois há pessoas de alma nobre nas contendas. Mas ao redor, uma horda de hienas e lacaios, tendo o auxilio da esquadrilha dos morcegos e do exército dos mercenários. O povo se envolve como torcida de futebol, pega bandeiras, canta hinos, participa das ôlas. Nem percebe que o que pra ele é festa, pra tantos outros é guerra. No pedestal dos exércitos, estão os anjos que demônios se fazem, pois quando anjos, são piedosos e hesitam em dar o golpe fatal. Definitivamente, embora quase canonize, a política não é lugar para santos. 

sexta-feira, 27 de julho de 2012

O FRANKSTEXTO

FRANKSTEXTO

Em certas ocasiões as pessoas se juntam para escrever um texto em comum. Se não tiver um craque pra costurar, sai um frankstexto, uma bizarrice pensada por 8 pessoas. São 80 dedos, 16 olhos, 16 mãos e 8 mentes pensando, opinando, lapidando, numa confusão dos diabos. Perigas sair um troço entre o barroco e o franskstexto. Sabem o Frankenstein, que foi feito com uma perna de um, orelha de outro, estômago do outro e por aí vai? Pois é! Há profissionais hábeis em costurar tão bem costurado,que nem aparece a costura. Fica perfeitim. Ele cose com maestria, faz uma plástica, passa verniz e tá tudo certo. Se bem que lá no fundo ainda é um frankstexto, colagem de fragmentos de almas, mas bem costurado. Por falar em almas, devo recorrer de novo a um filme que assisti, acho que o Exorcista 2, 3 ou sei lá quanto. Nesse filme, um padre entra num quarto de hospício para exorcizar um demônio que havia se apossado de um louco. Ele se aproxima do maluco com seu cruficíxo e pergunta: - Quem está aí? O louco responde com a voz mais macabra do mundo: -LEGIÃO ( haviam mais de 100 espíritos encarnados no sujeito. Credo!!!

ROCK MINEIRO

Nós de Minas ficamos revoltados quando os paulistas e cariocas ignoram os times mineiros. Mas não nos indignamos com a não citação do Rock Mineiro como um dos movimentos mais importantes do Rock Brasil. Todos citam Legião, Paralamas, Titãs, Barão, mas o 14 Bis pouco é citado e é um grupo sensacional. O rock mineiro caminhou paralelo ao Clube da Esquina. Aliás, Milton e turma sempre tiveram um flerte com o Rock, vide músicas emblemáticas como Para Lennon e MacCartney, um dos melhores riffs de guitarra da música Brasileira. São muitas e muitas músicas emblemáticas. Daniel Bahia que o diga. Em próxima coluna, vou tratar do assunto de forma mais aprofundada.

BATE PAPO CULTURAL

Um sucesso o projeto do Rômulo Rás. A iniciativa do músico prova que o Dimdão tem razão. As coisas feitas com o coração vão pra frente. Se for pra frente e ainda der um dinheirim, melhor ainda, né Dimdão?

DESTAQUE MINEIRO

Estou tendo a honra de trabalhar com Leila Pavan no DESTAQUE MINEIRO 2012. Leila é uma locomotiva e tá se esmerando para que tudo saia perfeito. Sucesso pra ela e para os parceiros.

CAMPANHA 2012

Parece que todos retardaram a campanha desse ano. Ninguém tá botando a cara de fora, parece que todos aprenderam com o Chelsea, que é melhor jogar na retranca, esperando a hora certa de atacar. Bom, depende sempre das necessidades dos candidatos. Um precisam se mostrar para o povo o quanto antes e outros já são conhecidos. Nessa hora a estratégia certa será decisiva. E olhar as nuvens...

MONOCULTURA é um SACO

O ruim do tempo de política é a monocultura, o assunto único, o fuxico único. Não se consegue falar sobre arte e cultura. Só se forem idéias para futuros planos de governo. Só se fala o polítiquês. Não se consegue pensar em projetos que não passem pela política. Há quem ache tudo muito divertido e em certa medida é. Para muitos é um game, um RPG vivo onde muitos atuam e poucos ganham. Ao mesmo tempo suscita uma paixão avassaladora que atropela todos os outros assuntos. Mas não tem jeito. Parece que temos uma pulsão por esses assuntos que de alguma forma aglutinam as pessoas. Isso é claro, com uma grande campanha de marketing impulsionando. Por falar nisso, daqui há  anos teremos  a Copa do Mundo do Brasil. Dá até medo...

sexta-feira, 20 de julho de 2012

MÃE, O QUE É VOTO ?



ENQUANTO ISSO, AQUELA MÃE PROFESSORA ENCARAVA UMA PARTIDA DE XADREZ COM O FILHO INTELECTUAL PRECOCE E ENQUANTO ISSO IA RESPONDENDO A  MAIS UM FESTIVAL DE PERGUNTAS DESCONCERTANTES...

- MÃE, EXPLIQUE PRA MIM O QUE É O VOTO
- UAI MEU FILHO, O VOTO É UMA COISA MUITO IMPORTANTE EM QUE A GENTE ESCOLHE OS  POLÍTICOS QUE VÃO ADMINISTRAR O PAÍS, OS ESTADOS E AS CIDADES.
- AH TÁ...MAS TEM LUGAR PRA ENSINAR A VOTAR?
- NÃO TEM DISSO NÃO, MININO.
- MAS DEVIA TÊR. E SE A GENTE ERRAR?
- SE A GENTE ERRAR, SÓ CONSERTA DAQUÍ A 4 ANOS.
- TÁ VENDO? TINHA DE TER CURSO PRA APRENDER A VOTAR.
- UAI...VOCÊ PODE FICAR SABENDO DE TUDO ATRAVÉS DAS PROPAGANDAS, DOS PROGRAMAS DE RÁDIO, PLANOS DE GOVERNO.
-AH...MAS ESSAS PROPAGANDAS TODOS OS CANDIDATO TEM. NÃO DÁ PRA SABER QUEM É QUE VAI FAZER ALGUMA COISA.
- ENTÃO TÁ...VOCÊ ENTÃO ACHA QUE O POVO NÃO SABE VOTAR.
- SE SOUBESSE, NÃO IA TER MAIS GENTE MORRENDO. PORQUE NÃO FAZEM UMA LEI PROBINDO AS MORTES?
- Ô MEU FILHO. ISSO SÓ DEUS MESMO...
- MÃE. NAS QUE SERVE VEREADOR?
- UAI, PRA FAZER LEIS...EU ACHO.
- TÁ VENDO? A SENHORA PODERIA VOTAR NUM VEREADOR QUE CRIASSE UMA LEI PROBINDO AS MORTES.
- QUEM DERA, MEU FILHO. O POVO NUNCA SABE O QUE ESSE PESSOAL FAZ. AGORA, SE FOR PRA HOMENAGEAR ALGUÉM, PODE CONTAR. ELES ADORAM UMA TAL DE MOÇÃO.
-  MOCIONANTE, HEIN MÃE.ISSO É LEGAL HEIN? MAS QUEM ELES HOMENAGEIAM LÁ?
- QUALQUER UM, TIPO O ENCANADOR DO ANO, MELHOR TIRADEIRA DE CUTÍCULA, AQUELE VELHINHO QUE FEZ 115 ANOS MAS SÓ LEMBRA DE1997 PRA CÁ.
- NOSSA SENHORA.  E ESSES VEREADORES SÃO FORMADOS?
- QUE NADA...MUITOS SÃO ATÉ SEMI ANALFABETOS...
- ENTÃO TÁ . QUER DIZER ENTÃO QUE VOCÊS ADULTOS FICAM NO NOSSO PÉ, SÓ COBRANDO ESTUDO E VOCÊS MESMO NÃO QUEREM SABER DE ESTUDAR NÉ?
- CALMA. FELIPE. SÃO OS VEREADORES. ELES SÃO REPRESENTANTES DO POVO.
- MAS COMO, SE NÃO SÃO PREPARADOS PRA ISSO?
- É...VOCÊ TEM RAZÃO
- E OS PREFEITOS. PELO MENOS ELES SÃO FORMADOS NÉ?
- NEM SEMPRE. MUITOS SÓ FORMADOS NA ESCOLA DA MALANDRAGEM.
- NÃO ACREDITO.... COMO PODE UM SUJEITO SER PREFEITO SEM TER FEITO PELO MENOS UM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA?
- POIS É, NÉ MEU FILHO. É A DEMOCRACIA. MUITAS VEZES A PESSOA NÃO TEM CONHECIMENTO ACADÊMICO, MAS FORMOU-SE NA ESCOLA DA VIDA.
-MÃE. ASSIM VOCÊ ESTÁ FAZENDO O JOGO DELES. ELES NÃO QUEREM QUE NINGUÉM ESTUDE PRA FICAR MAIS FÁCIL DOMINAR.
- ELES QUEM, MEU FILHO?
- O SISTEMA, UAI.
- MAS QUE SISTEMA...O QUE VOCÊ ANDOU LENDO?
- UNS LIVROS ANTIGOS QUE O TIO LUDOVICUS DEIXOU AQUI...
- DEIXA EU VER...MARX, ENGELS, ORWELL, NITZSCHE, SARAMAGO...E VOCÊ LEU TUDO?
- TÔ É QUERENDO MAIS.
- MEU DEUS. ESTOU DIANTE DE UM FENÔNEMO.
- FABULOSO, MÃE. EU GOSTO É DO LUIS FABIANO.
- HEIN?
- NADA MÃE. VOCÊ NÃO IRIA ENTENDER...
- MAS ME DIGA UMA COISA, FILHO. DE QUE VOCÊ GOSTARIA. DE SER PREFEITO OU VEREADOR?
- ACHO QUE SER VEREADOR É MELHOR. O SALÁRIO É MENOS MAS A PRESSÃO É MENOR E O VEREADOR AINDA FAZ AS LEIS QUE O PREFEITO VAI TER DE CUMPRIR ... QUE DIZER, OS VEREADORES MANDAM NO PREFEITO.
- DEVERIA SER ASSIM NÉ.
- ALÉM DO MAIS, OS VEREADORES ESTÃO SEMPRE JUNTOS E O PREFEITO FICA MUITO SOZINHO.
- INTERESSANTE ESSA VISÃO. CONFESSO QUE NUNCA HAVIA PENSADO NISSO.
- MÃE...TEM UMA COISA QUE TÁ ME PERTURBANDO. SUPONHAMOS QUE CHEGAMOS À CONCLUSÃO DE QUE VOTAMOS ERRADO. TEM JEITO DE DESVOTAR?
- DE DESVOTAR NÃO, MAS SE JUNTAR MUITA GENTE, TEM JEITO DE IMPUGNAR. JÁ TIRAMOS UM PRESIDENTE ASSIM.
- DEVIA SER QUE NEM TREINADOR DE FUTEBOL., PERDEU 4 DIRETO TÁ FORA NÉ MÃE?
- FILHO, EU ENTENDO SUA INDIGNAÇÃO. A DEMOCRACIA É UM PROCESSO PENOSO, DOLOROSO, AS VEZES INJUSTO, MAS AINDA ASSIM É O MELHOR QUE A HUMANIDADE INVENTOU ATÉ HOJE.
- NÃO SEI NÃO VIU MÃE. SE FOSSE TÃO BOM NÃO COMEÇAVA COM DEMO.

sábado, 14 de julho de 2012

CARRO QUE DIRIGE SOZINHO


Até que enfim vou tomar coragem de comprar um carro. Mas vou esperar um pouquinho ainda. Surgiu finalmente o automóvel ideal para um motorista inapto como eu: o carro que dirige sozinho. Olhando para nossas ruas vomitando milhares e milhares de carros e motoristas loucos, parece impossível. Mas é bom prestar atenção. Quem está trabalhando a ideia é nada mais nada menos que a GOOGLE. Segundo Eric Schmidt, presidente executivo da gigantesca empresa, a Google já falou com todas as montadoras sobre o assunto e todos ficaram muito impressionados com os argumentos utilizados. Segundo a Google, "O maior problema atualmente é que o carro anda no limite de velocidade e ninguém anda no limite de velocidade", afirmou Schmidt. Por conta disso, a Google está fazendo testes com os carros em lugares distantes em que ele divide ruas com motoristas reais e não apenas pequenas viagens feitas por avenidas vazias. Mais uma vez eu repito. Não é um projeto de cientistas malucos. É real mesmo. Para que se tenha um ideia, já foi aprovado em alguns estados americanos e segundo. O único inconveniente até agora é que para que seja realmente eficaz e sem problemas, todos os motoristas deveriam topar se submeter a velocidade permitida. Mas como não é isso que acontece e o pés de chumbo aparecem por todos os lados, para ser implantado, vai requerer mais rigor nas fiscalizações. Para mim vai ser uma boa. Eu não aprendi a dirigir até hoje por puro comodismo. Se eu me preocupar em dirigir, terei de desligar o note, não terei como escrever ou ler. Já com esse esquema do carro que dirige sozinho, será entrar no veículo automotor, passar o endereço pro carro, ele arma o GPS e enquanto o carro se locomove, dá pra atender celular, ligar o note, ler um livro, jornal. etc. dá pra fazer muita coisa.O mais surpreendente é que a Google não só aposta na viabilidade do projeto, como prevê que num tempo médio, os carros sem motorista serão preponderantes. Quem deve ficar de olho mesmo são os motoristas, taxistas e afins. Se bobear a tecnologia chega e toma os empregos de todo mundo. 


segunda-feira, 9 de julho de 2012

O BOM JINGLE É QUE NEM ROUPA...

É sério. O  bom jingle é trabalho pra alfaiate. Tem de tomar as medidas do candidato, entender seu estilo e vestir de forma adequada, caimento perfeito. Já vi candidato tentando mudar a natureza e nunca dá certo. Tipo aquele cara que tem perfil mais de intelectual, de professor, mas quer criar pra si um personagem mais popularesco. O sujeito vive o ano inteiro de camisa de manga comprida, sapato e cinto e de repente coloca chinelo de dedos, camisa velha e boné na cabeça e sai a caminhar pela periferia. O povo olha e pensa: sujeito endoidou ou quebrou! Coisa estranha também acontece quando se faz um jingle inadequado. Tem sujeito que  tem um perfil mais executivo e cisma de fazer um jingle sertanejão pra tentar conquistar os votos do povão, onde nunca conseguiu chegar. Há um estranhamento. Fica falso. Imagine o que aconteceria se  você pegasse um caipira, botasse ele num terno e soltasse num jantar da high society? Nada mais fora do lugar, não é mesmo? Pense nisso na hora de fazer seu jingle. Antes de qualquer coisa, converse com quem vai criar, fale sobre o estilo que o agrada, diga como é o eleitor com quem pretende conversar e assim, o jinglista vai compor algo sob medida pra você, uma música que vai vesti-lo muito bem e você se sentirá confortável. Vou aproveitar pra fazer a minha propaganda. Se você quiser fazer seu jingle comigo, a gente combina, tiro suas medidas e lhe entrego uma musica  que caiba certinho em você. Meu telefone é 31 88151041 - Marcos Martino e sou compositor musical e produtor de jingles há pelo menos 20 anos.  

domingo, 8 de julho de 2012

ELEIÇÃO É SURREAL

Por mais disciplinados, por mais certinhos, por mais pragmáticos que sejamos, a surrealidade impera. Sofrem os que tem fobia de organização. Por mais que tentemos dominar os impulsos, as loucuras e as perversões sempre dão um jeito de se manifestar, de vazar, de transbordar. Sofrem os que reprimem a natureza. O mundo humano é tudo, menos racional. As pessoas tendem a sair da linha, quebrar regras, atropelar as leis. Pra viver, ai de quem não tiver malandragem e coragem, pois pode ser necessário dar o primeiro tiro. Licença pra matar? Talvez! Em tempos de política, uma psicodelia desconcertante aflora com muito mais força. Num cenário tão multi cultural, tudo é surreal. Quase me atropela o coelho do pais das maravilhas, apressado para fazer um registro. O marketing por enquanto, tímido. Os candidatos aguçam seus discursos, se preparam. Dentro de pouco tempo começa o verdadeiro carnaval. Num primeiro momento, fica um esperando a manobra do outro. Os candidatos a vereador procuram nomes capazes de popularizá-los. Tem o Zé do Cemitério, a Dona Maria do Esgoto, o  NIMIM, o NEU, tem  o Padre Mephisto, nomes que até o capeta duvida. A vida se desfaz em fantasias futuristas, em planos de desgoverno, em tradições soterradas, em partidos desfigurados, uma democracia fake contaminada por interesses coorporativos, quando deveria emanar do povo. Mas quem é que liga se uma mineradora vai patrocinar A ou se uma siderúrgica vai patrocinar B? O que importa é que eleição é uma festa. O povo, em extase acompanha 3 novelas ao mesmo tempo e ainda vai ter a chance de escolher o final...

quinta-feira, 5 de julho de 2012

BANCADA DA CULTURA ( COLUNA DO BOM DIA)

A gente ouve falar na Bancada Ruralista que defende o interesse dos proprietários rurais ou mesmo da bancada evangélica, que se une em defesa dos objetivos cristãos no país. Mas nunca ouvi falar de bancada da cultura. Se existe eu não fiquei sabendo. Deixa eu fazer algumas perguntas básicas: em nível nacional, quais são os políticos comprometidos com as causas culturais? Como é que os artistas podem fazer valer suas expressões no congresso? E na esfera estadual? Quem são os deputados que gostam e apoiam a cultura no estado através de incentivos ou projetos de leis voltados para o segmento? E em nível municipal? Se observarmos o quadro de vereadores, quais tem algum tipo de ação voltada para a cultura? Quem apresentou projetos de lei voltados para o aperfeiçoamento do sistema cultural da cidade? E entre os vereadores que estão apresentando seus nomes? Quem tem propostas interessantes para a cultura? Com quem os profissionais da cultura poderão contar, pelo menos pelo discurso? Aliás, importante observar se os digníssimos postulantes incluem a cultura como uma das prioridades. Outra coisa percebível é que os amigos da cultura não concentram votos sobre um candidato, na tentativa de eleger pelo menos um vereador comprometido com a causa da cultura. Os votos da cultura são pulverizados e a classe corre o risco de não eleger ninguém. Não seria ideal que a classe cultural concentrasse os votos em um só candidato? Mas pelo que percebo, isso não vai acontecer. Agora, falando dos planos de governo, tá aí uma oportunidade da classe formular um documento direcionado a todos os partidos da cidade, com as propostas dos artistas para o município, um documento comum e não partidário.  Os artistas podem reivindicar algumas coisas e podem ter os bons vereadores como parceiros. Podem ser feitas algumas mudanças na maneira do município conduzir a cultura. A primeira seria romper com uma cultura de que a cidade precisa trazer os melhores shows nacionais. Por aqui passaram Roberto Carlos, Benito de Paula, Fábio de Melo, os melhores artistas sempre vieram a Monlevade. O povo está acostumado e existe a crença de que o político que não trouxer, tá morto politicamente. No entanto, trazer shows dessa envergadura, consome grande parte da verba da cultura, sobrando pouco dinheiro para investir em eventos mais voltados para os artistas locais e regionais. Cidades como Dom Silvério fazem isso bem. Os eventos de lá são quase sempre com artistas da região e continuam enchendo do mesmo jeito, a cidade está limpinha e com dinheiro em caixa. É uma questão a ser bem conversada. Algumas cidades separaram Cultura de Turismo, Lazer e Cultura, destinando verbas diferentes para cada pasta, ficando a verba da cultura para a cultura e a outra secretaria com os eventos populares de entretenimento. Tomara que haja debates sobre cultura no meio da campanha. Pode ser em uma rádio, pode ser na internet, pode ser em qualquer sitio. O Nataniel e a ACORDAR CULTURAL estão fazendo um trabalho interessante de cadastrar todas as instancias culturais do município. Junto a isso, uma pesquisa. Penso que a grande maioria dos artistas já está na net. Depois tem de fazer uma varredura pra identificar algumas manifestações que ainda não migraram para o mundo virtual. Na Casa de Cultura deve ter essas informações. Quanto à Bancada Cultural, difícil que se reúna de verdade, pois o povo das artes é cheio das panelas.  No entanto, quem sabe as convergências ajudem a configurar ideias interessantes? Que tal criarmos esse documento comum da classe artística para todos os candidatos? Neste documento, ideias e sugestões para contribuir com a melhoria do sistema municipal de cultura, em consonância com os sistemas estadual e nacional. Importante dizer que o que está sendo dito aqui, vale para todas as cidades. E a sua cidade? Como é a cultura por aí? Pense se tem alguém que seja comprometido com a cultura e que mereça o seu voto.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

AINDA SOBRE A CULTURA E O CORAÇÃO

Algumas pessoas na rua me pararam para comentar sobre um post anterior, sobre a Cultura e o Coração, que também foi a coluna do Bom Dia da última sexta-feira. Umas pessoas aprovaram, mas outras nem tanto. Um dos que me deu  um puxão de orelhas foi um dos grandes nomes da cultura local, o nosso Francisco de Paula Santos, também conhecido como Francisco Barcelona. Quer dizer, cultura local até certo ponto, pois trata-se de um Monlevadense Saudense, oriundo de Dom Silvério, vizinha da minha Alvinópolis. Ele me disse que leu a coluna, mas que tinha ressalvas. Ele entendeu o contexto, acha que realmente o artista quase sempre trabalha movido pelo coração, de forma gratuita, mas que há um pressuposto muito perigoso na matéria. É fato que todo ato artístico-cultural tem um forte lastro na emoção, mas isto acaba servindo de justificativa para que os que detém o poder não coloquem dinheiro, patrocínios,  esforços nas produções culturais. Tá vendo, Dimdão? Como as as razões são relativas? Realmente, sem coração não vai, mas tem de haver também um choque de realidade, pois vivemos num mundo capitalista que impõe suas regras. É como bem disse o Nataniel Flávio. Pra se fazer arte, o artista tem lá suas despesas. Só de sair de casa pra se apresentar tem de pagar pelo traslado, tem ainda despesas de alimentação, vestuário, enfim. Tudo bem que o Congado sobrevive há séculos, mas tem lá seus colaboradores, os Reis, Rainhas e a igreja. O Festival de Música lá de Alvinópolis também vem sendo realizado há muitos anos, mas sempre teve de ter patrocinadores para bancar, quase sempre predominando o poder público como principal patrocinador, mas com alguns entusiastas patrocinando com o que podem. Sei também que as bandas de rock da cidade, a turma da MPB, do Sertanejo, do funk, do samba, seja como for, em primeiro lugar tocam por amor, mas precisam fazer dinheiro , afinal, todos tem despesas, todos tem de botar o sagrado dinheiro em casa. O meu amigo Francisco Barcelona ainda argumentou dizendo que o artista já tem trabalho demais com o seu fazer artístico e desviá-lo deste fazer será gerar prejuízo para o acabamento de sua arte. Nisso eu já discordo um pouco. Penso que o artista precisa sim aprender a vender a sua arte, a ser convincente, criar reputação, coisas inerentes ao capitalismo e ao marketing. Esse negócio romântico de que o bom artista se impõe por si é a cada dia mais raridade, pois em meio a uma imensa quantidade, conseguir se destacar é muitas vezes questão de ter dinheiro para se divulgar ou o acaso ( sorte?) Além do mais, há de se considerar que falamos de um patamar de amadorismo, onde um ou outro poderá se destacar e até chegar ao estrelato, mas a maioria encontra outra profissão que gere mais dinheiro e passa para o rol dos admiradores da cultura (platéia) ou praticam suas artes como hobby. Mas existem outras coisas que me preocupam e de que vou tratar nas próximas postagens. Uma delas é que, embora o cenário seja fecundo, carece de atitude criativa. Pelo menos na música, tem muita gente fazendo cover e poucos compondo seus próprios materiais. Outra pergunta que venho me fazendo: o que essa geração vai deixar para o futuro? Será apenas repetidora de tudo que se faz no mundo ou criará sua própria identidade?