sexta-feira, 2 de novembro de 2012

A BR 381 e os GATOS ESCALDADOS


Este post vai contrastar com o otimismo pelo anuncio do edital de licitação. Não estou sendo pessimista, mas realista em função dos acontecimentos. No que diz respeito a 381, todo ceticismo é pouco. Na última quarta-feira o ministro dos transportes esteve em Belo Horizonte e juntamente com o governador Antônio Anastasia, anunciou o lançamento do edital de licitação. Só que essa duplicação virou novela ( depois da Avenida Brasil, a Avenida Morte) A própria Dilma já havia declarado que a 381 seria prioridade. Anunciaram e adiaram essa licitação por diversas vezes. No início do ano passado, fui a uma audiência pública em São Gonçalo, onde foi inclusive divulgado um vídeo, simulando as principais modificações na pista. Nesta reunião, dois engenheiros discursaram e depois conversaram com os presentes. Parecia que dessa vez a coisa andaria. Muitas pessoas ficaram otimistas. Mas houve um primeiro adiamento, depois outro e as coisas foram se estendendo. Mas tem aquela frase “brasileiro: profissão, esperança!”. Na última quarta-feira, fiquei desce cedo aguardando uma anunciada entrevista com o governador e o ministro dos transportes e quando recebi a noticia através do twitter, fui logo compartilhar no facebook, todo feliz. Mas passada a euforia e lendo alguns comentários, fiquei com alguns elefantes atrás da orelha. Primeiro porque parece haver muitas etapas a cumprir (projeto executivo, desapropriações, questões ambientais, etc ) e esses prazos podem ser alongados ao máximo. Se formos considerar o histórico até agora, não dá deveríamos ficar tão animados assim. Parece que essa turma da política não tem o mínimo problema em prometer e depois adiar, não fazer, enrolar. Os políticos já contam com a complacência do povo, que esquece muito rapidamente sobre o que foi dito. Enquanto isso, nos últimos dias, estamos assistindo a uma escalada de acidentes, principalmente envolvendo caminhões e carretas. O número de veículos pesados na rodovia parece exagerado. Será que está dentro dos limites de segurança e tráfego?  Os acidentes com vítimas não param de tingir o asfalto de sangue, enquanto aumenta o luto das famílias. Recebi algumas mensagens falando que essa minha insistência no tema 381 já está ficando chata, que estou querendo me promover em cima da rodovia. Coisa nenhuma! Na realidade, morro de medo de morrer preso entre ferragens, ver a vida se esvaindo, faltando pedaços do corpo, sem esperanças, pensando nos entes que ficam. Por isso, vou continuar minha luta, usando as armas que tenho que são as palavras. Fazendo que nem aquele beija-flor que leva água no bico pra ajudar a apagar o incêndio. Sobre a declaração conjunta do governador e do ministro, rezarei para que dê tudo certo, para que não seja mais uma entrevista coletiva pra inglês ver. Mas temos de considerar que, mesmo que as obras começarem em março, até lá serão 5 meses. Se as coisas continuarem como estão, serão mais 5 meses de carnificina, de colisões frontais, de mais óbitos e sequelados. Além do mais, a partir do seu inicio, serão 3 anos para realizar. Quer dizer: continuaremos convivendo com a carnificina por mais 3 anos? Não, meus amigos! Precisamos de mais que isso. Precisamos que a 381 seja utilizada de forma racional. O número de carretas precisa ser repensado. É covardia o pessoal nos carros pequenos imprensados no meio dos super-caminhões, ocupando todas as pistas. Outra coisa: punição exemplar para os motoristas infratores. Os ligeirinhos precisarão temer, ter a certeza da punição. Precisam saber que, se não respeitarem a velocidade permitida e as faixas de segurança, perderão realmente pontos nas carteiras, terão os veículos apreendidos e ainda serão multados. Importante também uma sinalização realmente eficiente, chamando a atenção para os pontos mais passiveis de acidentes.. Mas tenho dúvidas de que a maior didática, a maior pedagogia, a única educação que pode funcionar mesmo, é a mordida no bolso dos infratores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário