quarta-feira, 2 de maio de 2012

ROCK MADE IN MONLEX

O Rock em Monlevade passa por um bom momento, mas para se consolidar de verdade precisa sair do estágio de cover e passar à fase autoral e isso já está acontecendo. Sei que muito neguim de banda vai dizer: - Ah, mas o pessoal que contrata shows não quer saber de músicas próprias. Querem e exigem que as bandas toquem músicas de gente conhecida. Ora, não tem problema. A banda pode tocar coisas de bandas conhecidas também. O Capital Inicial toca vários covers em seus shows, os Beatles tocavam covers, o Van Halen gravou Pretty Woman, enfim. Agora, a diferença é que as bandas de personalidade procuram toca os covers de um jeito próprio, não tentando imitar exatamente como as bandas originais. Tá certo. Tem gente que vai nos shows e acha admirável quando um guitarrista toca igualzinho o original. Mas vou perguntar uma coisa pra vocês: a não ser Emerson Nogueira, já ouviram falar de alguma banda de cover que fez realmente sucesso e ganhou dinheiro? Muito raro. A banda tem de ter sua personalidade sonora, sua expressão cultural. Me corrijam se eu estiver errado, mas acho que toda banda tem de ter seu CD e suas músicas pra tocar em rádios, na internet, seja onde for. Algumas bandas até se notabilizam pelas releituras. Por exemplo, a banda Audio-Funcho apresentou em seu show algumas releituras interessantes de clássicos do rock nacional. As versões ficaram muito legais. Além do mais, os caras tem se esforçado pra compor coisas novas e em minha opin tião, estão no caminho certo. O Umbigo Trio também tem músicas próprias muito interessantes e precisa é recuperar esse tesão de compor, reativar essa fonte criativa que se forma quando os Umbiguenses entram em ação. O Infocus está um pouco à frente. Já gravou seu primeiro CD e o Marco continua compondo. A banda The Travel já começa a trabalhar com essa perspectiva também. A Clara Albuquerque, que é irmã de outra boa compositora ( Carol) parece que está compondo e até me dispus a passar algumas músicas pra elas. Sugeri que busquem músicas também com Isa Lelis, Aggeu Marques, Marco do Infocus entre outros. O Rose IN Black também começa a criar músicas próprias. Ouvi umas ideias musicais do Guitarrista Maurício Ribeiro que são muito boas. A Banda Diroque também tem músicas interessantes. O Flying High eu já não sei se trabalha nessa linha de composições. O Desarme também produziu a pouco tempo a música PARANÓIA, que ficou sensacional.  E ainda tem uma turma mais nova vindo por ai, como a galera do The Mistake, Fanzine e outras. Tô sentindo firmeza na cena. Tá na hora de pararmos de fazer artesanato para fazermos arte, não concordam? Artesanato é imitação de uma criação original. Tem o seu valor, mas é cópia. Sinto que a turma tem grande potencial artístico e boas coisas podem surgir. Vamos ver qual a próxima banda a lançar seus singles, seus Cds e clips. Quem sabe lá na frente não possamos juntos, montar um CD Coletânea composto pelas músicas dessa turma? Vai ficar show de bola. E viva o Rock made in Monlex.

Um comentário: