domingo, 13 de maio de 2012

MELO E AS MEMÓRIAS PROFUNDAS DA CIDADE


Magnífico o trabalho feito pelo jornalista e poeta Marcelo Melo na preservação das memórias Monlevadenses. Marcelo já mantém um blog há certo tempo, onde há vários anos, mesmo antes de morar em João Monlevade, eu já podia ver as fotos de tempos idos, de uma João Monlevade que  só existe nas fotografias e nas deliciosas histórias contadas pelo Melo. Marcelo também tem o Morro do Geo, um jornal que mistura humor com histórias saborosas, além de colunistas que dispensam comentários pela categoria e pelo amor a essa terra. Depois, Marcelo lançou o site Caminho de Riquezas, onde conseguiu juntar um vasto material histórico documental sobre a cidade, um projeto muito importante e marcante na história do município. Agora, está emplacando junto com Rômulo Rás, o bate Papo Cultural nas noites de quinta-feira no Emporium, na charmosa avenida Castelo Branco. Nesses eventos, Marcelo atua como entrevistador, sempre convidando figuras marcantes da história da cidade. A música fica por conta da categoria do Rômulo Rás, sempre com clássicos da MPB. Falando como ativista cultural há anos ( desde que me entendo por gente), sou pela diversidade e não poderia ser diferente. Talvez pela vivência na publicidade, aprendi a ver valor nas diversas manifestações culturais, até aquelas mais populares, muitas vezes consideradas subculturas pela ausência de intelectualismo e baixa qualidade literária. A cultura tem várias faces, interfaces, diversos públicos e segmentos a serem atendidos. Mas uma das vertentes mais importantes é a memória, as raízes. Sem raiz, não há árvore. Por isso, iniciativas como a do Marcelo e de outros agentes culturais independentes são extremamente importantes e somam e muito no bolo da produção cultural no município, fazendo com que a cidade se expresse tanto no que diz respeito à suas memórias profundas, abrindo espaços para o que virá, para as novas expressões, novos artistas, novas tendências. Agora, quanto as memórias, o Melo é imbatível. Melo tinha de ser tombado. Quer dizer, quando toma umas a mais isso deve acontecer naturalmente...

2 comentários:

  1. Renata Domenicci14 de maio de 2012 21:50

    Falou tudo, Martino. É grandioso o trabalho do Marcelo. Eu tive o prazer de trabalhar algum tempo ao lado dele, também com memórias e desde então, passei a admirá-lo como profissional e como pessoa: tudo o que ele faz é com muita paixão, muita determinação, muito prazer, e isso por si só já causa um resultado maravilhoso, ainda mais, aliado ao talento e sensibilidade que ele possui. Parabéns pelo texto! Grande abraço ao Melão! rsrsr...

    ResponderExcluir
  2. Este sim é um exemplo de pessoa que ama esta cidade. Gosta do que faz. E faz com qualidade. A história de nossa cidade ainda não se perdeu no tempo devido ao seu trabalho.
    Este sim é um "Monlevadense da gema". Parabéns Marcelo pelo seu trabalho!!

    ResponderExcluir