quarta-feira, 23 de maio de 2012

ENTREVISTA COM A PRODUTORA SAMIRA LIMA

Tive a hora de entrevistar  a produtora SAMIRA LIMA, que balançou a cena cultura de João Monlevade durante um bom tempo. Suas produções, principalmente no Sindicato dos Metalúrgicos, foram importantes até para a configuração da cena atual. Muitos artistas que hoje figuram na cena musical monlevadense começaram nos eventos montados pela Samira, principalmente os Tributos, onde os artistas mergulhavam nas obras de artistas conhecidos e faziam de um jeito todo especial. Samira contou um pouco da sua história, falou  das dificuldades em produzir cultura, abriu um pouco o seu coração. Mas chega de introdução. Fiquem com a entrevista. 

MARCOS MARTINO: Você passou uma temporada aqui em Monlevade, marcou a produção cultural na cidade e depois partiu para o Rio de Janeiro. Você é de onde? Conte um pouco a sua história.

SAMIRA LIMA:  Sou de São Paulo-capital, uma paulistana atípica, como diz o João Freitas ai de João Monlevade. Sou do Brasil, já passei pela Bahia, Paraná, Minas e agora virei uma carioca de coração. Trabalho com produções há aproximadamente 15 anos, mas foi em 2009, ai em João Monlevade que decidi caminhar como sempre digo, em carreira solo, produzindo do meu jeito, como sempre pensei que devia ser. E conheci pessoas talentosíssimas e companheiras aí em João Monlevade, como a Carla Lisboa, que foi e é uma das grandes parcerias e descobertas ai na cidade.

MARCOS MARTINO: Conte um pouco sobre os eventos que fez em Monlevade.

SAMIRA LIMA: Minha intenção sempre foi conhecer e valorizar os artistas locais, e fazer com que a comunidade conhecesse tantos que estavam escondidos nas esquinas, quintais, igrejas, fazer acontecer mesmo. Iniciei com o teatro, e foi quando conheci o pessoal da Cia. Salto, e começamos a ensaiar o musical infantil OS SALTIMBANCOS, e foi uma grata surpresa, ver tanto talento junto. Foi quando conheci a Carla, que tb é atriz e atuou no espetáculo e a convidei pra ser  parceira nos projetos e eventos. Aí partimos para os tributos onde misturávamos teatro, musica, arte plásticas. E sempre com a casa cheia e boas críticas..

MARCOS MARTINO:O que diz sobre os artistas locais?.


SAMIRA LIMA: Uma única palavra define os artistas locais de João Monlevade: GUERREIROS, e claro talentosíssimos

MARCOS MARTINO:Qual é a sua dinâmica de trabalho?

SAMIRA LIMA: Ainda estou trabalhando de forma auto sustentável ou independente,  mas agora com mais visibilidade do meu trabalho, venho conseguindo apoios e patrocínios com mais facilidade, e os artistas com os quais trabalho entendem esse mecanismo, dai estou conseguindo levar adiante.

MARCOS MARTINO: Quais foram as suas maiores dificuldades para produzir cultura em João Monlevade?

SAMIRA LIMA: A maior dificuldade sem dúvidas foi a falta de apoio local, tanto de empresários como até mesmo dos próprios artistas. Sentia muita falta nos eventos dos ativistas culturais locais. Sentia falta da união da categoria ir mesmo, prestigiar. Acredito que a união é a base e não as ditas "picuinhas"

MARCOS MARTINO: Já ouvi pessoas falando que o público monlevadense é generoso. Também já vi artista dizendo que é indiferente, não aplaude, não se manifesta. O que você acha do público monlevadense?

SAMIRA LIMA: Acho um povo carente de informações, mas muito generoso, aplaude sim e é bem receptivo. Se tiver a informação e  união vai cada vez mais estar presente nas manifestações culturais da cidade.

MARCOS MARTINO: Você trabalha criando e produzindo eventos e também empresariando artistas. Quais são os projetos que em que está trabalhando no momento e quais são os artistas que você vende no momento?

SAMIRA LIMA: A grande verdade, Martino, é que esse ano pensei muito em parar de produzir. Fiquei 6 meses meditando sobre seguir ou não. Amo o que faço e produzir é minha paixão, mas como vou pelo lado mais difícil (cenário independente), ai complica as coisas, ficam difíceis, não tem apoio, patrocinio, os próprios artistas não tem como investir na sua carreira. E estou com a produção da Marcia Lisboa (desde 2010), trabalhando seus shows, mas é uma parceria que fiz diretamente com a artista(existe o investimento do artista). No segundo semestre começo um projeto com o Grupo Samba na Sola, e a cantora Aline de Lima que tem uma carreira sólida na França e vem fazer o lançamento no Brasil,  e pretendo levá-la tb no Projeto Pulsação. Quanto a projetos, estou estudando algumas propostas.

MARCOS MARTINO: Você está trabalhando a ponte Rio-Monlevade. Isso quer dizer mão dupla, né? Quer dizer, trazer artistas cariocas pra tocar em Monlevade e também abrir espaço e vitrine para os artistas de Monlevade tocarem no rio? Pra isso o que as bandas tem de fazer?

SAMIRA LIMA: Esse na verdade é uma ideia antiga minha e de Carla. Quando começamos em 2009 fazer as produções já pensávamos nisso e dia desses conversando pelo facebook, esse assunto voltou a tona. Como já trabalhamos juntas aqui no Rio tb, e sabemos que a parceria dá certo, ela tomou a decisão de reativar esse grande sonho. É importante deixar bem claro que o Projeto Pulsação é uma iniciativa da Carla, mas claro vou fazer esse intercâmbio. Artistas que queiram participar desse intercâmbio é só procurá-la. Mas quero deixar registrado que o teatro é um grande foco no projeto Rio-Monlevade.

MARCOS MARTINO: O que tem a dizer sobre a Márcia Lisboa, que canta no dia 24 aqui em Monlevade?

SAMIRA LIMA: O trabalho da Márcia é sensacional. É uma cantora internacional, que foi bem recebida pelas plateias mais exigentes do planeta. É um privilégio trabalhar com ela .

MARCOS MARTINO: O que você recomenda para os artistas para difundirem seus trabalhos? As rádios ainda são os únicos caminhos ou a internet já se impõe como nova mídia preferencial?

SAMIRA LIMA: Sem dúvidas a internet é a preferencial, mas o caminho é o artista investir nele mesmo, tem que ter uma boa gravação, um bom áudio, vídeo de boa qualidade. Tem que cuidar de sua imagem nas redes sociais, e valorizar principalmente o profissional que vai correr paralelamente com o artista que é o Produtor. O artista precisa  valorizar o produtor.

MARCOS MARTINO: Você foi uma espécie de pioneira aqui em Monlevade,  juntou pessoas nos eventos que fez que continuam trabalhando juntas até hoje. Uma geração inteira muito bem trabalhada,  todos  com alta musicalidade. Você apostou no potencial da garotada e hoje, são talentos consolidados. Uma pessoa que eu sempre via do seu lado era a Carla Lisboa. Imagino que ela tenha tido um papel importante naqueles eventos. Conte um pouco da história dessas pessoas que foram parceiras nas suas produções por aqui.

SAMIRA LIMA: Fico feliz por esse reconhecimento e pode ter certeza o carinho e respeito pela cidade é retribuído. Carla foi e sempre será uma parceira fiel e competente, mas tem pessoas muito importantes que não posso deixar de citar aqui em forma de agradecimentos. Markus Camara da Cia. OSalto, um grande amigo, talentosíssimo. MArcela Barreto da Cia OSalto, que fez a melhor Galinha dos Os Saltimbancos que já assisti, grande artista, Quirino do Sindicato dos Metalúrgicos que acreditou em Samira Lima e prontamente abriu as portas do sindicato para nossos artistas,João Freitas, músico de qualidade, que como sempre me diz, "Samira Lima me tirou das trevas", produziu todos os eventos de tributos e hoje sinto orgulho do crescimento profissional dele.

MARCOS MARTINO: Eu perguntei lá atrás de onde você. Então...pra onde você vai? O que projeta para o seu futuro? Tem os projetos que já estão na forma...e imagino que tenha outros...

SAMIRA LIMA: Então vamos viver o aqui e agora, e hoje, estou empenhada no Projeto Pulsação, temos muita coisa boa por vir, que vai agradar Gregos e Troianos, e devagar e sempre chegaremos lá....

MARCOS MARTINO:  Deixe um recado para os artistas,,,

SAMIRA LIMA: NUNCA DESISTAM DOS SEUS SONHOS. Invistam nas  carreiras, na imagem, ouçam seus produtores, afinal são eles que caminham juntos. O sucesso do artista é sem dúvidas o sucesso do seu produtor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário