segunda-feira, 7 de maio de 2012

AS RELAÇÕES AZEDAM

Complicadas as relações humanas.Quantas vezes fazemos amigos, nos encantamos com suas qualidades, nos irmanamos, relevamos os defeitos para usufruir das companhias. Neste interim defendemos esses amigos de todas as línguas malditas, entramos na frente de tiros, fazemos de tudo por essas amizades. Isso acontece também nos romances. A pessoa amada é perfeita, sem máculas, digna de adoração. Mas o tempo desvela tudo e nada resiste à ferrugem da rotina. Dos amigos, enxergamos as mesquinharias, a hipocrisia, os interesses, que são inerentes ao ser humano...e até a nós mesmos ( ninguém quer enxergar as próprias imperfeições). O que era encantamento, vira desencanto. O que era lealdade, conveniência. O que era defesa, vira ataque pelas costas. O que era amor, vira ódio, rancor, calúnia, julgamento sumário sem direito à defesa. A certa altura da vida, sobram poucos amigos.Já dizia Cristo que os amigos mais leais o trairiam e o fizeram. O salve-se quem puder é a lei da selva. Quanto ao amor a dois, a mesma coisa. Os defeitos, as fraquezas, as desencompatibilidades criam labirintos, muros, precipícios. A resignação dos antigos caiu em desuso. O amor familiar existe e é uma fortaleza, um refúgio que poucos conseguem preservar. Os amigos leais, são bem poucos. Com boa vontade dá pra contar nos dedos...do Lula. Nem adianta nos indignarmos, pois são leis universais que acontecem nos círculos das relações. É natural que tudo nasça, ganhe em frescor, em doçura e depois azede e finalmente apodreça pra gerar mais vida lá na frente. Triste madurar com essas constatações, mas imperativo será repensar o mundo a partir dessa visão, afinal não há outro jeito. É dar uma embrutecida no coração e Adeus às ilusões. Como dizia Renato Russo. É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, pois na verdade não há. Que solidão medonha essa vida!

Nenhum comentário:

Postar um comentário