sábado, 27 de outubro de 2012

ESQUERDA? VOU VER...


Não é volver em espanhol não...é vou ver em português mesmo. A propósito de postagem no blog do Célio Lima dia desses, fiquei pensando no real sentido da esquerda nos dias atuais. A impressão que se tem é que a esquerda perdeu o caminho e vive ziguezagueando por uma linha não muito reta. Em primeiro lugar, por ter se camisolado com o tempo. Os esquerdistas mesmo, de carteirinha, bandeira e ideologia, que enfrentavam gás lacrimogêo, que não se importavam em ir presos e encarar banhos frios nas celas pelo brasil, hoje tem seus empregos, se acomodam na estabilidade e fazem suas compras nos mesmos supermercados que os capitalistas que tanto combatiam. Continuam ostentando as velhas foices, martelos e estrelas, mas são apenas souvenirs de tempos idos, são guerreiros cansados, já não pegam em armas nem aconselham os filhos a sequestrar ninguém. Outro detalhe é que, ao chegar ao poder, muitos desses revolucionários padeceram dos mesmos males dos liberais que tanto combateram. Se meteram num lamaçal sem fim de corrupção, de corruptelas, mensalões, presentinhos, muitos e muitos processos e escândalos. Também se formos pensar, todos os revolucionários ao chegar ao poder se tornaram autocráticos, de Robespierre a Fidel. Mas não se pode condenar a tribo inteira pelo crime de um índio. No que diz respeito à nossa cidade , não há nada que desabone os governos de esquerda em termos do trato com a coisa pública. Pode-se até questionar ações e resultados, mas não há manchas. Já em âmbito nacional, não há mais pureza. O que existe é uma coleção de fatos obscuros. Há quem diga que pra chegar ao poder, a esquerda teve de usar as armas dos adversários. Será?Tudo bem contratar o maior marketeiro do país, dar uma polida na imagem, mas depois, apareceram várias ratazanas, igualando as práticas da república liberal. Daí se justifica a pergunta: - Puxa, mas então a esquerda é isso que está aí? De jeito nenhum. A esquerda não são as pessoas. A esquerda é um jeito de pensar. Se alguns desgarrados saíram da linha, foi pelas fraquezas humanas, pelo apego ancestral ao material, cultura que não se vence da noite pro dia. De maneira simplista, eu diria que o liberal pensa em si e em sua família e seus atos são no sentido de concentrar renda e benefícios para o núcleo familiar. Já um socialista pensa em si, na família e na coletividade em que está inserido. A grande diferença de ser de esquerda é esse olhar social. Há quem professe que bem e mal, esquerda e direita são pontos de vista e nada mais. Eu discordo. Até tem pessoas que fazem o mal justificando que na batalha pela sobrevivência vale tudo. Pode até ser. No fundo, todos se imaginam bons e justos. Atacando e aniquilando os adversários, serei vilão pra eles, mas herói para a minha tribo. Outra questão é que não é necessário estar na esquerda para ser de esquerda. Pode-se ter um pensamento socialista e difundí-lo dentro de sistemas capitalistas...assim como ter colaboradores liberais trabalhando dentro do socialismo, exemplo disso foi o Francisco Meirelles comandando o dinheiro em pleno governo Lula. A confusão é mesmo grande. Vejam a China Comunista, sendo o grande motor do capitalismo. É tudo ao mesmo tempo agora, como no disco dos Titãs. Mas ainda sobre a pergunta do título. Esquerda? Pois é! Vou ver se os candidatos que se apresentam, mais que discursos, tem mesmo sensibilidade social. Nada contra os liberais. Eles dizem que querem ensinar a pescar ao invés de dar o peixe. Mas e os desvalidos que não podem nem chegar próximos ao rio? A exclusão funcional é que mata. E pra encerrar, que essa conversa tá ficando longa, não é proibido uma pessoa de esquerda prosperar patrimonialmente, desde que compartilhe parte de riqueza, que nem sempre será financeira. O pensamento de esquerda vai além. Falo isso de forma intuitiva. Há muita gente muito mais instrumentalizada que eu, que conhece a fundo a história da esquerda no mundo. Mas mesmo assim, me arrisco a dizer o que sinto. Meu coração está no lugar certo: do lado esquerdo do peito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário