terça-feira, 31 de maio de 2011

I PAD, I PED, I PID, I POD, I PUD - (reprise)

Vivemos a emergência do novo. E da-lhe música nova, filme novo, livro novo, moda nova. Nas propagandas, modelos jovens, homens e mulheres novos esbanjando saúde e poses. Essa ditadura do novo é uma invenção do marketing que precisa dessa voracidade para vender suas quinquilharias. Nas vitrines os novos sapatos da moda, a calça da vez, os cintos, os tênis. Mas nada se compara as novidades tecnológicas. São tantas maquininhas pra fazer tantas coisas que já estou começando a achar que um amigo de Teófilo Otoni foi profético em uma frase. Ele falou o seguinte: - "A tecnologia está evoluindo tanto, que daqui a pouco tempo não vamos precisar mais de gente". Só que ao mesmo tempo que existe essa cultura do novo, a internet traz a possibilidade de termos acesso a aquelas coisas que curtíamos nos tempos de criança e que nunca imaginávamos encontrar de novo. Encontrei Goldar, Ultraman, Nacional e Cisco Kid, a feiticeira, enfim. A frase de uma música dos Titãs também foi emblemática : "Tudo ao mesmo tempo agora". Enquanto desembocam em meu computador as novidades que convergem de todas as mídias, vou criando meu museu virtual particular.Todas as gerações tem opções de conteúdos. Tem tudo das décadas 60, 70. 80, 90 e por aí vai.Definitivamente não sou das gerações x, y ou z. Devo ser da geração "j" de jurássico. Mas peraí! Também nem tanto! Nasci na pororoca entre o analógico e o digital. Devo ser um dinossauro cyborg. Confesso-me apaixonado pelas facilidades que a tecnologia nos oferece neste self service infinito. Aprender a manusear os softwares e hardwares que se apresentam tem sido o grande desafio. Outro amigo me passou bela lição em uma frase: " o bom software é aquele que a gente domina". O sujeito que fica vigiando as novidades para se manter pseudo atualizado corre o risco de ficar louco. Pelo menos absorvi bem a transição do texto linear para o hipertexto. O que não consigo engolir é a apatia, a falta de curiosidade intelectual. Por um lado ficamos ilhados no meio de um mar de coisas medíocres. Aliás, vivemos a era dos medíocres, do domínio da média. Também, talvez tenha sido sempre assime a gente não se dava conta.

LENDO PORTAIS - DO MONLEVADENSE LEDINILSON RIBEIRO MOREIRA

Gosto muito de ficção científica. Pelo que parece, o autor morou em Ouro Preto, tamanho o detalhamento da ambientação. O ponto de vista é de uma turma de adolescentes vivenciando situações comuns, até que vão tomando conhecimento de uma realidade alternativa e suas vidas se transformam radicalmente. Um acontecimento radical em um ginásio, mostra que à partir dali, seria dar adeus a vida de antes. Naquele momento eles desvendaram uma procedência extra humana. Li até esse ponto.  Tá interessante. Vamos ver onde esses portais vão me levar...

segunda-feira, 30 de maio de 2011

ELZA SOARES - DE TIRAR O FÔLEGO



Uma artista nascida em 1937, que já viveu de tudo um pouco, sambista com nuances Jazzisticos, que já flertou com o Rock vide parceria com Lobão, que arrasa de verdade. Nessa versão aí de cima, flerta com a modernidade carioca. Bom com força. Garanto que os rockeiros também vão gostar. A letra parece ser de Fausto Fawcett, mas tenho de conferir. Sensacionante.

EXTRA, EXTRA...PROIBIRAM A CERVEJA!!!


Levei um grande susto naquela manhã e até me belisquei para ver se ainda estava dormindo. Ouvi um menino gritando:
- Extra, Extra...cerveja proibida no país...extra...extra...
Pensei comigo: Isso deve ser alguma gozação...ou algum desses jornais sensacionalistas.
Levantei num pulo, botei uma roupa e fui até a banca comprar o jornal.
Para meu espanto, a noticia estava em todos, cada um com uma manchete mais bombástica: “ CERVEJA E BEBIDAS ALCOÓLICAS SÃO PROIBIDAS”, “LEI SECA VOLTA AO PAÍS”, “FABRICAS DE CERVEJA SERÃO LACRADAS”.
Fiquei estarrecido. Sabia que há dias vinham sendo exaustivamente discutidas no congresso as conseqüências do uso de bebida alcoólica, principalmente no trânsito, com grande número de óbitos e prejuízos.
Comprei o jornal para me aprofundar no assunto e pude averiguar que em uma votação histórica, a câmara dos deputados havia aprovado a lei. Numa noite memorável de discursos inflamados, os políticos relataram casos de desagregação familiar, de graves problemas de saúde pública, enfim, de um calamitoso histórico de fatos que justificava a medida radical.
Um desses políticos acabou fechando questão, ao afirmar categoricamente que o álcool era uma droga e deveria ser tratado como tal, afinal, também modificava o comportamento, levava à violência e à degradação, quer dizer, se tinha as mesmas conseqüências das drogas, também teria de ser proibido.
Notei que todos estavam comprando jornais e completamente aturdidos.
A realidade é que as pessoas não tem costume de acompanhar o noticiário político e a maioria foi pega de surpresa pela catastrófica noticia.
Os noticiários televisivos mostraram as cenas das fábricas de cerveja sendo lacradas pela policia federal e as bebidas sendo recolhidas nos bares.
Durante o dia as pessoas até suportaram a situação, mas de tardinha, na hora sagrada da cervejinha, o caldo começou a entornar. Alguns “viciados” começaram a se revoltar ao saber que não teriam sua loira sagrada. Além do mais, refrigerante com tira gosto é o fim da picada. As pessoas estavam perdidas, sem saber o que fazer.
À noite no jornal da TV, foram relatadas cenas de revoltas em todo o país, com quebradeira em alguns bares no rio de janeiro e até mesmo de pilhagem em alguns estabelecimentos.
No outro dia, muitas autoridades, principalmente sambistas e artistas sertanejos, assinaram um manifesto condenando veementemente o que consideravam um cerceamento à liberdade e à alegria, afinal, a cerveja e a cachacinha faziam parte da cultura nacional. Ao final de uma poética lamentação eles diziam:
-Tenham piedade de nós...o que será do samba, do churrasquinho, do futebol, da praia, dos rodeios, das tardes de sexta-feira, das noites de sábado sem a cerveja?
Porém, nada disso sensibilizou nossos homens públicos. O ministro da justiça veio a público dizer que a decisão do congresso era soberana e que não seriam aceitas declarações públicas que fizessem apologia ao álcool, que à partir da nova lei, também seria considerado droga.
Logo após a declaração do ministro da justiça em rede nacional, foi a vez do ministro da saúde, que também ratificou a declaração do colega, dizendo que embora gostasse de uma cervejinha, abriria mão do vicio em nome de uma causa maior.
Nos dias subseqüentes, foram registradas algumas revoltas em pontos isolados do país, mas o aparato policial agia com rigor e depois de algum tempo, a situação chegou a uma normalidade aparente. As propagandas de bebidas sumiram dos noticiários, a maioria dos bares do país fechou oficialmente...mas só oficialmente.
O que aconteceu foi que o mercado negro se organizou, os bares começaram a funcionar nos bastidores da sociedade, logicamente com vistas grossas dos meios oficiais. A corrupção e o contrabando se instalaram e a classe média subia os morros para comprar cerveja.

domingo, 29 de maio de 2011

CRUZEIRO X PALMEIRAS - ATAQUE 1, RETRANCA 1

Precisamos é rezar para os Deuses do futebol. A bola não quer entrar. Achei bastante lúcida a entrevista do Cuca no Estado de Minas. Realmente, o futebol do Cruzeiro estava previsível e precisava de variações. Por isso vem preparando o Brandão. Só que o centro-avante tá mais pra Grandão e só. Parece pesar uma tonelada e já viu né?Quanto maior o peso, menor a agilidade. Pode ser até que entre em forma, mas vai ser duro esperar até que isso aconteça. Depois o Cuca colocou em campo o tal de Anselmo Ramon. O sujeito perdeu o gol mais incrível do ano, mas depois se redimiu. Nós torcedores precisamos mesmo ter paciência. O Cruzeiro está se reconfigurando. As coisas começaram a dar errado de um jeito incrível desde aquele jogo contra o Once Caldas. Do Barcelona das Américas, descemos ao fundo do poço num piscar de olhos. O bom disso tudo é que vão parar de falar que somos candidatos ao título e nos bajular. Isso enche o saco e enche o ego da torcida e dos jogadores de um jeito que todos acham que são craques. E não são. Nem o Montillo ainda é. No dia em que apresentar dois títulos importantes, tipo Campeonato Brasileiro ou Libertadores, poderá ser chamado de craque. Mas enquanto continuar não fazendo diferença em horas decisivas, será um ótimo jogador e só. De qualquer maneira, não podemos negar que o cara se esforçou muito, lutou, correu, dividiu e fez o que podia. No entanto, não tem sido o suficiente. Eu já sabia que seria um jogo muito difícil. Nunca é fácil jogar contra times treinados pelo Felipão. Mas perdermos muitos gols feitos. No primeiro tempo, com Brandão, aquela na trave do Walysson, outra do Gilberto que o Marcos pegou, várias no segundo tempo, aquela do Anselmo, outra do Gilberto na marca do pênalti, Mas não adianta chorar. O que vale é a bola na casinha. Ninguém mandou gastar tanto contra o América TO. Falando dos jogadores, Fábio não teve quase trabalho nenhum. Paraná jogou uma boa partida. Gil não deixou Kleber fazer nada, só jogando na bola. Leo também foi bem. Gilberto voltou a jogar muito bem. No meio, Guerreiro foi mais vez bem de líbero. Henrique só no arroz e feijão, como tem sido comum nas últimas partidas. Não me lembro quando foi a última boa partida que jogou. Montillo lutou muito, mas sem tanto brilho. Thiago Ribeiro não jogou nada. Walysson levou perigo em várias ocasiões e o Brandão não dá nem pra comentar. Nunca pensei que sentiria saudades do Wellington Paulista. E ainda bem que ele não jogou hoje. Já pensou se perdessemos com gol dele? O tal de Anselmo Ramon eu até gostei, mesmo perdendo aquele gol. Tem pinta. Sinceramente, me pareceu melhor, mais rápido, mas pronto pra entrar e jogar que o Grandão, digo, Brandão. O Everton entrou como sempre, com energia e só. Ortigoza de vez em quando acerta uma e quase acertou um gol por cobertura. Mas está longe de ser um jogador pra jogar no Cruzeiro. No próximo jogo, Roger deve retornar. Vamos torcer para que o time retome seu caminho de vitórias. Elenco para isso não falta. Curioso que no final do jogo, o goleiro Marcos falou que o time do Cruzeiro é o melhor do Brasil, mesmo com os últimos resultados. Não dá pra ficar levando a sério esse tipo de elogio barato. Isso só consegue fazer uma coisa: deixar os jogadores e a torcida mascarados.

sábado, 28 de maio de 2011

MONLEVADE FALA MAL DE SI

Sou de Alvinópolis e amo a minha terra natal. O pessoal de São Domingos do Prata também ama e se orgulha de sua terra. Os Riopiracicabenses também, os Saudenses, Novaerenses, até o pessoal de Major Ezequiel, todos são apaixonados pelas suas terrinhas. Sei de muitos Monlevadenses que gostam da cidade. Esta semana mesmo, trafegando de carro com um Monlevadense da gema, este amigo me falou que a cidade não tem atrativos, mas que gosta dela assim mesmo. Outros como Marcelo Melo, professor Dadinho, Chiquinho Barcelona, Rita do Hino, entre outros, são figuras que se integram ao espirito da cidade e quem falar mal da cidade perto deles pode levar um safanão. Mas e o povo? Será que o povo Monlevadense ama a cidade? Eu já fiz essa pergunta para alguns jovens. Sou viciado em fazer perguntas. A maioria me respondeu mais ou menos do mesmo jeito: -Ah, eu não gosto de Monlevade. Aqui não tem nada! Eu pensei comigo: mas como não tem nada? Se tem uma cidade na região que é polo, onde as coisas acontecem, onde as oportunidades existem, essa é João Monlevade. Sempre admirei essa terra pelo arrojo de sua gente(dizem que para amar é preciso admirar). E amo a cidade também através das pessoas, dos amigos que já tinha e que fiz durante essa minha estada aqui. Mas acho que sei o porque desse desamor. A cidade fala mal de si. Os jornais e algumas rádios no afã de fazerem suas anti-campanhas políticas, acabam falando mal da cidade o tempo inteiro. Pintam um quadro apocaliptico tentando convencer a todos que a cidade vai mal em tudo, que nada funciona, que não vale à pena viver aqui. Como ter auto-estima desse jeito? Eu já penso exatamente o contrário. Talvez por vir de fora, por ser recente a minha estada , vejo muita prosperidade . É lógico que toda prosperidade trás suas consequências. Marcelo Melo falou muito bem outro dia sobre a perda da identidade, sobre as mudanças na paisagem em função do crescimento da usina. Mas por outro lado, caminhando por aí (eu, o Barcelona, o Wir e o Zé Henriques formamos o clube dos andantes), vejo como estão subindo edificios pra todo lado, como a construção civil está bombando.( imagino que as lojas de material de construção e construtoras estejam fabricando novos ricos) com os shoppings que estão sendo construídos, com o asfaltamento de tantas ruas que vai começar em breve. E nem vou falar da ETE que tantos tentam diminuir, nem da internet wireless que está ainda no inicio, mas que quando estiver funcionando em sua plenitude, será sim revolucionária. Não sei. Acho que a cidade precisa de uma campanha positiva assumida por todos pra levantar o alto astral geral. Mas não ouso ser otimista, pois não vejo nenhuma iniciativa no sentido de depor armas e mudar a atitude. Mas espero viver pra ver o dia em que a política pequena que gera inércia pare de assombrar a cidade.Talvez depois do apocalipse quando Cristo em pessoa vier aqui e passar um pito na turma. É muito difícil!

sexta-feira, 27 de maio de 2011

BANDA INFÓCUS - À PEDIDOS

Acompanho o trabalho do Marco Aurélio e turma há algum tempo. Sou testemunha da evolução técnica da banda. Acompanhei parte da produção do CD como fã e amigo e ainda tive a honra de ter uma canção do República incluída. Pelo que posso observar, não conheço ninguém que utilize tanto as mídias sociais como o Marco Aurélio. O Infocus deve ser a instituição monlevadense mais presente no twitter. Aliás, muito bacana também acompanhar o twitter da banda. Quem acompanha, pode sentir como as pessoas tem dado retorno muito positivo. O pessoal tá gostando do som de verdade. Não é atoa que um grupo Gaúcho resolveu investir na banda. Tem potencial mesmo. Pena que muitos não percebam. Mas é o efeito Santo de Casa. Porém, a banda está tendo uma excelente aceitação fora também. Pelo twitter dá pra perceber. Mas não foi só por isso que cheguei à essa conclusão. Encontrei-me com uma pessoa de São Gonçalo que me falou que a banda tocou por lá e o público gostou e muito. Gostou tanto que a banda tá voltando a se apresentar por lá. Muito bom quando uma banda volta a tocar num lugar à pedidos, né não?

CAMINHO DE RIQUEZAS - O PASSADO DE PRESENTE

O lançamento do site João Monlevade, caminho de riquezas me deu uma inveja danada. Como todos sabem, sou de Alvinópolis. Lá também tem uma história muito rica, por tratar-se de uma cidade centenária, mas grande parte das fatos pregressos, encontram-se no museu de Mariana. A história recente, do século XX pra cá pode ser contada através dos arquivos fotográficos, só que esse material encontra-se disperso em arquivos de familias, enfim. Mas João Monlevade teve a sorte de ter esse acervo de grandes fotógrafos reunidos por pessoas como o próprio Marcelo e como o grande Chiquinho Barcelona. Logicamente, tem-se de reconhecer o trabalho fantástico de fotógrafos como o Mestre Diló, Taquinho e outros. Mas a capacidade do Marcelo e do Barcelona em juntar tantos fragmentos de memórias, foi o que possibilitou que a idéia se fizesse realidade. Pessoas como o Prof. Dadinho, como o próprio pessoal da Shine-On foram imprescindíveis. Mas não tenho dúvidas que Marcelo e Barcelona ( justamente homenageado com uma placa) são os grandes depositários das memórias Monlevadenses, pessoas que fazem essa cidade mais humana, mais aconchegante e poética . Esses dois sujeitos deram um presentaço para a cidade. Estou mesmo muito feliz pelo lançamento do site. Há alguns meses o Marcelo nos procurou com a idéia e achei bastante interessante. Comentei internamente na prefeitura:- Que projeto bacana. Não podemos ficar de fora de maneira nenhuma. Será um marco histórico. Todos concordaram, não apenas pela importância da obra, mas também pelo fato do Marcelo ser muito querido lá, como na maioria dos espaços da cidade. Eu não me enganei. Eu ousaria dizer que talvez tenha sido essa a maior ação cultural realizada em João Monlevade em muitos e muitos anos. Que Deus abençoe esses dois. Ah, em próxima postagem vou contar para vocês sobre um festival em Monlevade no ano de 1981, que eu ganhei, mas não levei. Quem quiser acessar o site é http://www.morrodogeo.com.br/home

quinta-feira, 26 de maio de 2011

FESTIVAL DE ARTES CÊNICAS - MONLEVADE NUNCA MAIS SERÁ A MESMA.

Elza em brilhante parceria com o Roqueiro Lobão.
Sua parceria com Chico Buarque também ficou pra história.


Preparem-se, amigos. Está chegando a João Monlevade um festival de espetáculos que vai entrar pra história. O FESTIVAL DE ARTES CÊNICAS que chega por aqui no inicio de junho, vai criar um clima jamais experimentado na cidade. Serão diversos espetáculos teatrais e musicais. Um deles será com a Diva da MPB, Elza Soares. Dona de uma voz rouca, que flerta hora com o samba, hora com o jazz, Elza vem à Monlevade trazendo a sua alma artística, sua história de vida e seu canto único. Será um previlégio recebê-la em nossa cidade. Já sobre os espetáculos teatrais, muitas coisas boas vindo de diversas partes do Brasil. Nesse sentido, será muito rico culturalmente também, ao refletir a diversidade linguistica e estética desse país continental. O Festival terá outro aspecto muito bacana também de ser um abraço do país, na cena local. Os artistas Monlevadenses também estarão presentes, interagindo, atuando e aprendendo com tantos nomes nacionais . Mas não é será só isso. Falei apenas da parte mais light. O mais interessante e fantástico mesmo eu nem vou adiantar pra não estragar as surpresas. Mas garanto pra vocês que as intervenções de rua, a ousadia dos grupos vão marcar a cidade profundamente. O Festival é uma realização do grupo NO ATO CULTURAL, com apoio da Fundação Casa de Cultura e da Prefeitura de Monlevade. Aliás, diga-se de passagem, não consigo entender porque a mídia local está omitindo a participação da Fundação Casa de Cultura e da Prefeitura. Não imaginam o trabalhão que dá. O excelente executivo Gladevon, está se matando para atender às demandas do pessoal e a Fundação Casa de Cultura mobilizada. O prefeito Gustavo Prandini também se entusiasmou bastante e solicitou a todos que não medissem esforços para que os Monlevadenses tivessem acesso aos espetáculos que o grupo "No Ato" está trazendo. Mais informações no site http://www.festivaldeartescenicas.com.br/. Sugiro também o facebook do Festival, que tem tudo atualizado: http://www.facebook.com/pages/Festival-de-Artes-C%C3%AAnicas-de-Jo%C3%A3o-Monlevade/196414380399923

quarta-feira, 25 de maio de 2011

BR 381 - DUPLICANDO A LOROTA ???

Parece que armaram um grande teatro para nos engalobar. Fizeram audiências públicas, prepararam vídeo com computação gráfica, deram declarações, entrevistas, publicaram releases e pra que? Para o Diretor Geral do DNIT declarar que não existem recursos disponíveis para a execução das obras na BR-381. Segundo ele “Existe um projeto parcial, pois há a necessidade de estudar novos entroncamentos. Ela não é prioridade nesse momento. A BR-381, está licitada da cidade de Governador Valadares até Belo Horizonte. É uma obra de mais de R$ 3 bilhões, é moderna, com vias laterais, passarelas. É uma obra de grande porte. O governo federal tinha um programa de concessão para essa rodovia, mas a tarifa estava altíssima. Por isso transferiu em outubro de 2009, a obra da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para o DNIT. O DNIT não faz políticas públicas, somos executores de obras e precisamos de projetos bem feitos". São muitas declarações contraditórias em pouco tempo. Políticos mineiros em Brasília dão declarações de que o Ministro virá a Minas para colocar a Licitação na praça. Amigos blogueiros, mais otimistas que eu, acham que começa esse ano. Mas não sei não. Já tô achando que precisamos contratar macumbeiros, feiticeiros ou alguns terroristas. Vejam matéria completa no http://www.br381.org/2011/05/para-diretor-geral-do-dnit-br-381-nao-e.html?utm_medium=twitter&utm_source=twitterfeed

POLÍTICA MONLEVADENSE

BR 381 - UMA CONTABILIDADE MACABRA

Não tenho a estatística correta em mãos, mas parece que são quase 500 mortes por ano na BR 381. Que fossem apenas 365, seria então no mínimo uma morte por dia. Sendo assim, qualquer dia de atraso no cronograma da duplicação, representará uma morte. Quer dizer, havia um planejamento para lançar a licitação em maio. O mês ainda não acabou, mas existem boatos dando conta de que só será lançada em junho, numa provável vinda do ministro a Minas. Vejam bem a aritmética. Cada dia de atraso, representará então uma morte na conta do ministro e do DNIT. O problema é que a calculadora deles não faz cálculos nesse sentido. Só de dividendos políticos e outros mais. Há de se considerar também a instalação dos radares, que pode estar diminuindo o número de acidentes de forma sensível, como o próprio DNIT alardeou. Resta saber se estão funcionando mesmo, pois ainda não temos estatísticas à respeito.

PORTAIS MONLEVADENSES

Interessante que há algum tempo li o excelente "Do aço à forja", do escritor Monlevadense Jairo Martins. Jairo faz uma ficção inspirada no passado, imaginando uma estória pra história do grande pioneiro Jean Monlevade. De certa forma, o livro do Jairo é um espécie de portal, de lente pra viasualisar um passado possível. Agora estou lendo o livro Portais, do também monlevadense, Ledinilson Ribeiro Moreira. Alguém já havia me falado sobre um escritor da cidade que se dedicava à ficção científica. (Monlevade tem mesmo um cenário de ficção, que é a própria Arcelor). Fiquei curioso. Eis que o livro chegou às minhas mãos e estou lendo nas brechas de tempo. Por enquanto, o cenário é de um ambiente de uma república de estudantes em Ouro Preto, do seu cotidiano e de coisas fantásticas que começam a acontecer. Ainda estou no início do livro. Em princípio, o tom é coloquial, contextualizando, vamos ver no que vai dar. Quem quiser se informar um pouco mais acesse www.portaisolivro.com.br (o Ledinilson está fazendo palestras falando do livro, levando seu conteúdo pra debater com os estudantes. É muito importante esse diálogo do escritor com os jovens, pois além do debate do seu conteúdo, ajuda a despertar a curiosidade intelectual e o interesse pela leitura, além de incentivar novos escritores). Mas falando em portais, outro que está para se abrir é o Caminho de Riquezas, do jornalista, poeta, blogueiro, etc, Marcelo Melo, tendo o luxuoso auxílio do memorialista e fotógrafo Chiquinho Barcelona . Estou muito ansioso para ver o site e o material em DVD. Muito bom isso. Queira Deus que outros portais possam se abrir...

.


CALA BOCA, MOREIRA! E A FORÇA DO FACEBOOK

Ontem, como tive vários compromissos fora do meu ambiente de trabalho, fiquei mais distante do notebook e com isso, perdi grande parte de uma "corrente" de internet, que fez o maior barulho na cidade: o Cala Boca, Moreira! Logo pela manhã, encontrei com um sujeito na rua que já foi logo me perguntando: o que é que está acontecendo? Dizem que tem um negócio na internet, um tal de "Cala boca, Moreira" que tá dando o maior comentário na cidade. Pensei comigo: uai, o que será isso? Fiquei maluco, querendo entrar na net pra ver o que se sucedia. Ai fui perceber que se tratava de um enquete no facebook. Considerada a maneira como o radialista age, o bordão procede. Eu nunca vi em toda a minha vida, um comunicador tão parcial assim. O sujeito não está ali como radialista, mas como candidato de si. Qualquer coisa que qualquer um disser, ele canalisará para críticas contra os seus desafetos, principalmente contra o atual prefeito, Gustavo Prandini. Como já falei antes, só pra ilustrar, cito um fato acontecido que nunca vi em toda a minha vida. Um comercial da prefeitura, falando de obras e do quanto a cidade mudou pra melhor estava sendo veiculado na Rádio Cultura. Um desses comerciais tocava dentro do programa do Moreira. Pois não é que logo depois de uma veiculação, o sujeito entrou descendo a lenha no comercial, dizendo que era uma absurdo uma campanha daquelas com dinheiro público, como se no tempo dele não houvesse comerciais do mesmo jeito. O sujeito é surreal e o pior é que com sua linha populista, consegue enganar um monte de gente. Porém, uma coisa é certa. Sua oposição é tão sem noção, que até algumas pessoas que afinam com o grupo político dele estão hoje com o CALA BOCA MOREIRA na ponta da lingua. É só começar o programa hoje que muitos vão repetir o bordão, mesmo que mentalmente. Outra coisa. Pra quem pensa que o facebook é só modismo, melhor rever os conceitos. As coisas alastram de forma muita rápida. Uma ferramenta e tanto para os marketeiros de plantão. Quem não souber usar, já entrará nas campanhas com muitos pontos a menos.

terça-feira, 24 de maio de 2011

BR 381 - O MÊS ESTÁ ACABANDO. CADÊ A LICITAÇÃO?

Pelo visto, tão cedo deixaremos de ver cenas como essa.

Observando postagens anteriores, vi que a data prevista para a licitação do primeiro lote da duplicação foi o mês de maio. Só que maio está indo embora e começo a ler declarações de políticos dizendo que deve acontecer no inicio de junho. O atropelamento do cronograma começou. Já vi essa história antes. Aliás, outro nome da 381 poderia ser Rodovia dos Adiamentos. Que me perdoem os políticos mineiros em Brasilia, mas estão sem moral nenhuma. Já estou até vendo as desculpas. " Ah...é por que com essa queda da ponte, o DNIT teve de rever todos os cálculos. Precisaremos de mais quatro meses para entregar uma nova avaliação". Ai, mais à frente, dirão que com o problema na ponte de Nova União, terão de fazer um novo adiamento. Enquanto isso, mais gente morre, mais lágrimas, quem sabe até um de nós que está lendo esse post pode ser a próxima vítima.

BR 381 - CAMINHO DE TRISTEZAS

Duplicada a BR 381 poderá ser um caminho de riquezas.
Por enquanto tem sido caminho de tristezas.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

ODEIO A PALAVRA "URGENTE"

Cada um é como é, cada um tem suas táticas, suas estratégias de produtividade e eficiência. Por isso, tem pessoas que inserem a palavra URGENTE em seus vocabulários e toda vez que te ligam para solicitar qualquer coisa, usam-na para finalizar as frases. Colocam essa urgência como condição indispensável para a sobrevivência da espécie humana na terra. Não sei não! Acho que a palavra urgente não deveria ser usada em vão, mas apenas quando necessário. É uma palavra com enorme carga de stress, deixando-nos completamente alertas. Ainda mais que, tudo que é urgente é por que não foi planejado, sinal de falta de projeto, de ineficiência. Por isso, recomendo mais cuidado ao usar o urgente. Só de ouvir a palavra, um calafrio já percorre a espinha e acho que a palavra já deve ter causado até infartos fulminantes. O pior é frustrar expectativas e gerar mal estar, pois quanto se constata que a urgência não era tão urgente assim, dá uma baita vontade de enforcar o urgenteiro. Mas é como eu falei lá no início. Não tem jeito! Cada um com suas inclinações e manias. Agora vocês vão me dar licença pois tenho de fazer uma coisa urgente!

SERRAÇÃO DE CORTAR COM FACA

Hoje o dia amanheceu com uma neblina maravilhosa.
Eu pelo menos gosto muito.

O sol levantou um pouco mais tarde e o galo nem cantou.

BENTIVI

O Bichim mais cortês do mundo.
Seu canto é um elogio.
Boa semana a todos

domingo, 22 de maio de 2011

VÍDEO CASSETADA E DERROTA DO CRUZEIRO

Campeonato Brasileiro é longo e não cabe cornetar. Mas jogar o campeonato mineiro engana muito. O time do Figueirense respeitou o Cruzeiro no primeiro tempo. Parecia Cruzeiro e Tupí. Só o Cruzeiro atacava, posse de bola exagerada do time azul e inspiração zero. O cruzeiro ficou trançando a bola de lá pra cá, jogando com paciência, parecendo que a qualquer momento poderia resolver. Mas nada feito. No inicio do segundo tempo, já deu pra perceber que o Figueira sairia um pouco mais. Foi o que aconteceu. O time do Cruzeiro jogava um futebol preguiçoso, não encontrava espaços e de repente, 3 escanteios seguidos para o Figueirense e a videocassetada. Fábio foi dar um soco na bola, que bateu no Marquinhos Paraná e aquela lambança. Tem dia que a bola bate na canela, que as divididas todas ficam para o adversário e nada dá certo. Quanto o Cuca resolveu tirar o Montillo, desanimei mais ainda. Quanto o melhor jogador do time joga tão mal, fica difícil. Mas sinceramente, impressionante a falta de pontaria, de noção de espaço-tempo do time nessa partida. Os lançamentos na área sempre encontravam as mãos do goleiro. Lançamentos na área não tem sido mesmo uma jogada forte do Cruzeiro. Nem Gil nem Leo tem feito a diferença. O Cruzeiro quase só faz gol pelo chão. O Figueirense fez que nem o Atlético naquele primeiro jogo da decisão do mineiro. Congestionou tudo e ficou esperando o erro do Cruzeiro. E o erro veio. Campeonato Brasileiro é muito diferente de tudo. Um longo certame e já começamos a perder pontos para um time que é sério candidato ao rebaixamento. Será que vai ser a nossa sina de novo? Perder ponto para os pequenos? Sobre os jogadores, Fábio pegou várias bolas e deu azar na videocassetada. Não se pode culpá-lo. Marquinhos Paraná, a mesma coisa. Mas ele perdeu bolas incríveis. Num lance bisonho, embolou com uma bola e saiu com ela sozinho para a lateral. A zaga, nem trabalho teve. Nem vou comentar. Gilberto foi o lateral esquerdo. Foi mais que isso. Pra mim foi o melhor em campo. Muita raça e excelentes chutes. No meio campo, Guerreiro jogou o feijão com arroz. Henrique também foi apenas razoável. Roger não jogou mal. O primeiro tempo não foi tão horroroso assim. Eu pelo menos não concordo em substituir o Roger. Montillo também não jogou nada. Tudo dava errado. Wallysson também fez o que podia, tentou de tudo mas nada deu certo, o mesmo acontecendo com o Thiago Ribeiro. Dudú também entrou mas ficou tocando de um lado pro outro, sem nada conseguir. Depois veio o Fabrício, mas nada feito. Cuca vai ter muito trabalho. O Cruzeiro vai ter de estudar como jogar contra esses times que jogam fechadinho. É bom lembrar que estamos no inicio do campeonato, mas que o último foi vencido com apenas 2 pontos de diferença. Vamos ter de descontar no outro Palestra...

PROFECIA FALHOU...AINDA BEM!!!

Há muito tempo não tínhamos uma onda apocaliptica no planeta. Dessa vez veio até com viés publicitário. Até eu fiquei daqui, ironizando um pouco, mas pelo sim pelo não atento aos estrondos e trombetas. Quando eu era pequenininho em Alvinópolis, morria de medo do mundo arrasar. Diziam que iria ser com fogo. Primeiro com água e finalmente com fogo. Lembro-me que perguntei a minha mãe se poderia dormir debaixo da cama mas ela não permitiu, me dando um beijo e me dizendo para dormir tranquilo, que aquilo era apenas uma onda. Fiquei ali na minha cama lutando contra o sono, com medo de nem acordar no outro dia. Mas eis que acordei. Me belisquei pra ver se tava vivo mesmo. Abri a tramela da janela e olhei satisfeito para o sol que banhava o quintal da nossa casa. Olhei pro céu e agradeci a Deus pela graça da vida. Hoje fiz a mesma coisa de novo. Acordei cedinho, olhei pela janela e a Igreja do Sagrado Coração de Jesus estava lá. Tudo como ontem. Agradeci à Deus mais uma vez pela graça da vida e por poder permanecer mais tempo vivo no planeta. Só resta agora dar o melhor de mim, interceder para que o mundo da minha filha seja melhor e isso significa consciência e atitude.

Obs - Ontem, um vulcão que entrou em erupção na Islândia ainda me assustou. Já pensou se outros vulcões começam a vomitar lava ao ponto de derreter aquelas geleiras todas? Seria outro dilúvio na terra. Mas os cientistas dizem que não tem esse perigo. Não sabemos quando virá uma hecatombe, nem se virá. Nem sabemos se teremos tecnologia para evitar, por exemplo, um impacto de um meteoro gigante. Mas uma coisa podemos fazer: melhorar a nós mesmos, para que não sejamos responsáveis pelo auto-extermínio, este sim um motivo forte para que a ira divina recaia sobre nós.

sábado, 21 de maio de 2011

BELOS HORIZONTES

Na última viagem que fiz, de João Monlevade para Belo Horizonte, deixei de lado a leitura, o notebook, concentrando-me na paisagem, deixando os olhos passearem, imergirem no que via. A queda da ponte do Rio das Velhas provocou uma mudança de trajeto que por um lado nos perturba, mas ao mesmo tempo nos permite novos olhares, por uma região pelo menos para mim até então desconhecida. Impressionante o quanto a região de Santa Luzia é industrializada. É cimenteira pra todo lado, indústrias químicas, fábricas de tudo enquanto é jeito. Mas na chegada a BH, próximo ao Bairro São Gabriel, me impressionou muito o complexo de favelas...ou quase favelas. Um mundaréu de casas, várias empilhadas uma em cima da outra, todas se escorando, se segurando de pé.



Sinceramente, tenho o maior respeito por esse pessoal. A primeira vista, tudo parece paupérrimo, sujo, sem nexo. Mas por outro lado, como sou ignorante total em matéria de construção, como não tenho o maior talento para coisas práticas, respeito muito esse pessoal que se vira como pode , que sobrevive e até consegue ser feliz no meio da miséria aparente.


Mas na favela tem mais que miséria. A arte e a cultura pululam, fervem e inspiram

Veio o contraste.
Sai da favela e fui parar na Savassi,
uma das regiões mais sofisticadas do país.
O por do sol na Savassi
mostra porque a cidade se chama Belo Horizonte,
com seus dourados, lilazes e azuis.
O mais bacana é que o horizonte é belo para todos.
Visto da favela então é mais bonito ainda.

COITÊINERES QUE VIRAM CASAS

Historicamente utilizados para o transporte de carga, os contêineres marítimos passam no máximo dez anos viajando de porto a porto até serem descartados. Mas um novo conceito na construção civil está impedindo que estes grandes recipientes de metal virem sucata. Além de ser uma forma de reaproveitamento integral do material, a construção de casas-contêiner economiza recursos naturais, pois dispensa o uso de areia, tijolo, cimento. E ainda esbanja um design pop e inovador.

Na Inglaterra, a empresa inglesa Urban Space Management já levantou mais de 20 construções utilizando contêineres. Em 2001, seu projeto Container City deu origem a um prédio de cinco andares na antiga zona portuária de Docklands, em Londres. O edifício é feito com 80% de material reciclado e ficou pronto em cinco meses.


Já a Holanda abriga o maior complexo habitável de contêineres do mundo. Desenvolvido pela empresa Tempohousing, em 2005, o projeto construiu 12 edifícios para atender à demanda de moradias estudantis em Amsterdã. Cada unidade possui um dormitório independente, com cozinha, banheiro e varanda.

Já pensou uma cidade inteira feita de contêineres? Pois ela existe e é uma das principais atrações turísticas da Cholula, no México. Idealizado pelo designer gráfico Gabriel Esper Caram, o local possui cinco mil m² de área urbana, onde cerca de 50 contêineres que perderam o uso comercial estão instalados. Dentro deles funcionam bares, lojas, livrarias, galerias de arte, restaurantes, padarias e até hotéis. Todos eles possuem um sistema térmico para manter a temperatura ideal, além de isolamento acústico.

A estrutura conta ainda com rede wi-fi disponível para toda a cidade e música ambiente nas suas vielas.

No Brasil, uma série de projetos residenciais e comerciais que utilizam contêineres já foram desenvolvidos. Um deles é a casa ecologicamente correta criada pela arquiteta Lívia Ferraro. Com apenas 6 metros de comprimento por 2,5 metros de largura, não é muito espaçosa, mas o acabamento deixa o ambiente muito charmoso. “Eu tinha essa ideia há muito tempo. Mas só com essa onda de sustentabilidade que os arquitetos começaram a aceitar a ideia de projetar uma casa de metal reciclado”, conta.

A residência possui um sistema de armazenamento da água da chuva, painéis de energia solare sistema de tratamento de resíduos.

O módulo básico de 15 metros quadrados custa R$ 39 mil, com acabamento e mobília incluídos.

Matéria extraída do site Greenvana, onde rolam conteúdos muito interessantes sobre vida racional, sustentável, futurista. http://style.greenvana.com/