terça-feira, 10 de janeiro de 2017

NETO E VÔ FILOSOFANDO NA PESCARIA

A beira da lagoa, Neto e Vô esperam calados e nada de peixe. De repente o menino resolve romper o silêncio...

- Ô vô ...
- Fala, Julim...
- Devia ter wifi aqui...tá um tédio.
- Fale baixo. Assim você espanta os peixes.
- Mas vô...eu ia poder jogar uns games...tem até um legal de pescaria....
- Que isso, minino. Conecte-se à natureza. Ouça os grilos cantando, o som das águas, os pássaros.
- Ih...vô. Eu tenho isso tudo salvo no meu celular.
- Não é a mesma coisa. O que você tem é cópia. O original é isso aí ó.
- Mas vô...é verdade que foi Deus quem fez isso tudo?
- É sim. Foi o criador.
- Mas vô...que Deus tá valendo?
- Como assim?
- Sabe o que é, vô? A nossa professora de geografia nos falou que os povos no planeta adoram deuses diferentes. Tem Buda, Khrisna, Jeová, Alah, Baal, Jesus, Javé, Maradona, uma deusada danada.
- Ah...mas no fundo é um Deus só. Cada povo faz segundo sua imagem e semelhança.
- Mas assim fica difícil da gente rezar. A gente tem de pensar em que?
- Uai. Como Deus foi feito a nossa imagem e semelhança, imagine que ele tem a sua cara. Reze pensando em você.
- Ah não, vô. Assim eu não gosto. Eu penso num velho cabeludo e barbudo usando uma bengala de ouro.
- Tá valendo. Deus vai ter a cara que você quiser.
- E os santos e anjos?
- Ahh...anjos são pessoas atentas pra te salvar na hora do aperto. E os santos são aquelas pessoas muito boas, que só fazem o bem.
- Mas vô...Deus é poderoso mesmo? Pode tudo?
- Para Deus nada é impossível.  
- Mas então por que não mandou botar wifi na lagoa?
- Por que isso não é tarefa pra Deus. E quer saber? Se a gente tivesse wifi aqui a gente não tava nem conversando.
- Vô. Parece que fisguei alguma coisa...veja...
- Legal...cuidado pra não machucar a mão com o anzol.
- Puxa, vô coitado do peixinho. É muito pequeno...deve ser um bebê peixe.
- Tem razão. Quer devolver ele pra água?
- Podemos. Mas primeiro vamos colocar um band-aid na boca dele.
- Bom...já tá caindo a noite...hora de ir embora...
- Que pena vô. A conversa tá boa. A última pergunta então...será que os peixes sabem que Deus existe?

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

CONSELHOS DO MESTRE


Enquanto isso, aquele discípulo consultava o mestre sobre as perspectivas para o futuro.

DISCÍPULO - Mestre, o que devo fazer para ser feliz?
MESTRE – É simples. Não se deixe atrofiar.
DISCÍPULO - Como assim não atrofiar, mestre?
MESTRE - O que a gente não usa atrofia. É uma lei universal
DISCÍPULO – Mas o que devemos fazer então?
METRE - Beije, chupe, morda, tateie, sinta o arrepio, se entregue ao cio da pele, sinta o sangue correndo nas veias, respire e inspire os aromas do mundo, transe, viva as delícias do sexo, pratique seu esporte preferido, toque um instrumento, nade, dance, use as potencialidades do seu corpo. E use sua mente fantástica, consulte suas memórias, viaje até o futuro e volte, conecte-se com o divino, medite, faça alongamentos, penteie os cabelos, ouça músicas, sinta a música, faça arte, faça parte, use-se e interaja com os afins.
DISCÍPULO - Mas mestre. Isso tudo exige que a gente desacelere. Como fazê-lo nesse mundo dominado pelo capitalismo e pelo consumo frenéticos?
MESTRE – Vivendo melhor com menos. Preenchendo o tempo com coisas mais prazerosas
DISCÍPULO – Mas não dá, mestre. Tudo que a gente faz custa dinheiro. A gente tem de trabalhar continuamente pra suprir as necessidades da família, da sociedade. E ainda temos essa crise que não acaba...
MESTRE – Mas ainda assim é necessário você parar e se beliscar, lembrar que está vivo.Usar-se não custa nada. Correr, caminhar, namorar, observar a natureza, as paisagens, respirar o ar puro sai de graça. Não é incrível isso? O espetáculo do por do sol é de graça.
DISCÍPULO - Tudo bem mestre. Mas como nos livrar da tecnologia digital que a cada dia nos torna mais ociosos e sedentários?
MESTRE – Mas você não precisa de se livrar da tecnologia. Deve usar a tecnologia mais avançada do planeta.
DISCÍPULO -Mas que tecnologia seria essa?
MESTRE - O seu próprio corpo. Use-o com responsabilidade. E agradeça a Deus, que lhe disponibilizou um equipamento tão sofisticado.
DISCÍPULO - Mas usando-o a gente evita a atrofia?
MESTRE - Sim. O que vc não utiliza vira estria, muxiba, ferrugem, vira pensamento fossilizado.

DE REPENTE UMA VOZ INTERROMPE A CONVERSA

- Amor, amor...
- Anhh...o que aconteceu?
- Você estava sonhando e falando sozinho...falando umas coisas estranhas...
- Ah é? não liga pra isso não...vem cá.
- Amor...que disposição é essa...vc andava meio devagar.
- É que assim eu não deixo o trem atrofiar...
- Enfiar aonde? Vai com calma, hein amor...que sonho foi esse? Eu gostei...aiiii....

sábado, 10 de dezembro de 2016

MONLEVADENSE VOADOR...

O piloto monlevadense Edson Coelho Jr foi o vencedor da mais importante prova do calendário nacional em Interlagos na categoria turismo. Foi a última corrida da temporada. A prova foi transmitida ao vivo pelo canal Sportv. O piloto, de 22 anos, vem sendo considerado como um dos mais promissores da atual geração do automobilismo brasileiro. 
Após conquistar diversos pódios e sagrar-se campeão em diversas provas, o monlevadense terminou em terceiro lugar na temporada 2016, com chances de ser campeão até a última prova. Precisava contar com uma combinação de resultados que não aconteceu, mas venceu a última corrida numa recuperação incrível. Saiu em 7º e chegou ao ponto mais alto do pódio, deixando a melhor impressão. Para quem não sabe, a categoria Turismo é considerada principal série a revelar pilotos para a Stock Car, uma das principais categorias do automobilismo brasileiro e para onde Edson Coelho Jr tem convites para se mudar no próximo ano. Mas vamos à entrevista.
CENÁRIOS – De onde vem essa paixão pela velocidade..

EDSON JR-  Desde criança eu me interessava muito por carros e corridas. Pensava em competir profissionalmente um dia e sabia que a base de quase toda categoria automobilística é o kart. Aos 9 anos de idade meu pai me levou para uma visita ao Kart Clube Ipatinga. Meu interesse pelo esporte foi inevitável. Compramos um kart e comecei a competir.

CENÁRIOS – Quem foram seus grandes incentivadores?

EDSON JR- A maior parte dos meus grandes incentivadores (e também ídolos) está na minha família. Um grande ídolo e o primeiro incentivador - sem dúvidas o maior deles até hoje - é meu pai. Ele me incentivou a começar no kart e me acompanha em todas as corridas desde que comecei.

CENÁRIOS – Você passou por outras categorias antes de chegar a Categoria Turismo? Como foi a sua trajetória?

EDSON JR- Permaneci no Kart de 2004 até 2010, quando, já tendo conquistado muitas vitórias e títulos, completei 16 anos.  Fui convidado a assistir um treino da categoria Marcas e Pilotos e me encantei. Algumas semanas depois, pilotei um carro da categoria pela primeira vez. Nessa categoria, disputei o Campeonato Paulista por dois anos e os bons resultados abriram as portas para o início da minha trajetória no automobilismo nacional. Aos 17 anos de idade, fiz minha estreia no Mercedes-Benz Grand Challenge, onde permaneci por dois anos e, em 2013, conquistei a 3ª colocação no campeonato. Em 2014 ainda fiz participações na categoria da Mercedes-Benz como piloto convidado e venci a primeira corrida com a CLA 45 AMG (novo carro da marca). O foco nesse ano, porém, foi o início no Campeonato Brasileiro de Turismo, categoria em que corro atualmente.

CENÁRIOS – A Categoria Turismo envolve um investimento muito alto por parte das equipes? Como é a estrutura da sua equipe atual, o investimento financeiro e perspectivas futuras?

EDSON JR - O Campeonato Brasileiro de Turismo é uma categoria muito profissional e, naturalmente, exige boa estrutura física e de pessoal por parte das equipes, o que demanda alto investimento financeiro. Geralmente, um único carro de corrida mobiliza ao menos cinco pessoas em tempo integral – entre mecânicos, engenheiros e chefe de equipe.   Minha atual equipe, a W2 Racing, tem sede no Rio de Janeiro e é um dos times de maior força e reconhecimento na categoria. Além disso, é a equipe que mais levou pilotos à Stock Car – desde 2013, três pilotos que passaram pela W2 conseguiram se promover e atualmente participam da categoria principal, entre eles Felipe Fraga, atual líder da Stock Car. Essa realidade me traz boas perspectivas para o futuro.

CENÁRIOS – Como é que funciona a captação de patrocínios. É feita por vc mesmo ou tem alguém que cuida dessa parte?

EDSON JR -O trabalho de captação de patrocínios consiste basicamente em demonstrar o potencial de marketing envolvido em um evento como o da Stock Car. É de responsabilidade do piloto, em um trabalho contínuo e incessante. Tenho também contratos firmados com empresários específicos do setor.

CENÁRIOS – Como foi vencer a última prova do ano em Interlagos? 

EDSON JR -  Tenho um ótimo histórico nessa pista e trata-se do local em que conquistei minha primeira vitória na categoria. Tivemos dificuldades com o carro no treino de classificação, mas na hora do prova deu tudo certo. Quanto ao título, dependia de um uma combinação de resultados para ser campeão, mas a vitória na última prova do ano foi muito importante.

CENÁRIOS – Quais são as perspectivas de chegar a categoria principal da Stock Car

EDSON JR -Para 2017, recebi convites de equipes renomadas para competir na Stock Car (categoria principal). Esse fato, por si só, já me deixa bastante contente, pois representa reconhecimento no meio automobilístico. Para concretizar este projeto, dependo exclusivamente de apoio financeiro de empresas com interesse em ter retorno de mídia em nível nacional.

CENÁRIOS – E quanto a Fórmula 1? Almeja chegar a principal categoria do automobilismo mundial?

EDSON JR - O caminho que decidi percorrer no automobilismo é o dos carros de Turismo (carros fechados). A Fórmula 1 passa por uma trajetória distinta, com outro tipo de preparação. A Stock Car, brasileira; e a NASCAR, categoria americana, são alguns dos sonhos que tenho para minha carreira.

CENÁRIOS – Você é Monlevadense. Teve apoio na cidade para acelerar e chegar às vitórias?

EDSON JR - Do ponto de vista financeiro, a única empresa da cidade que sempre esteve ao meu lado foi a EMC Sistemas, empresa familiar. Várias foram procuradas, mas poucas compreenderam a oportunidade representada pela exposição de marca no automobilismo nacional. No entanto, se tratando de torcida e sentimento da população, sempre tive bastante apoio na região.

CENÁRIOS – O que aconselha para os jovens que também amam a velocidade a almejam uma carreira no automobilismo?

EDSON JR - O automobilismo depende de um bom trabalho de base, que começa no Kart. A evolução no meio depende não só do gosto pela velocidade, mas também de virtudes como habilidade, persistência e dedicação. Seguir a carreira como profissional é missão árdua, sendo necessário superar muitas barreiras, inclusive financeiras.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

DIVERGENTES SIM, INIMIGOS JAMAIS!


Enquanto isso naquele bar, dois amigos se encontram...

- E aí? Tudo no esquema?
- Opa. A crise tá aí né? Mas não podemos ser pessimistas. Só atrai energia negativa. Vamos beber.
- Vamos beber enquanto não começa a guerra civil.
- Guerra civil? Como assim? 
- Esse país vai se fuder. Se Deus quiser.
- Ah...também não tá tão ruim assim. Parece que tá melhorando. Já há sinais de recuperação da economia.
- Eu discordo. O Brasil piorou muito desde que esse tal de foratemer deu o golpe.
- Ah. Você vai me desculpar mas eu não acho o Temer tão ruim. Ele tá cometendo erros, mas tá encaminhando as reformas necessárias.
- Você tá brincando? O Brasil vai se ferrar. Esse povo tem de se ferrar.
- Eu é que não vou ficar propagando negatividades. Prefiro ser otimista.
- Você está doido? Precisamos que o Brasil quebre...que esse povo passe fome pra aprender.
- Mas se o Brasil se ferrar você se ferra junto, sua família, seus amigos. Estamos no mesmo barco. Se afundar, morre todo mundo.
- Foda-se. Eu quero é que o Brasil afunde. Esse povo merece o pior.
- Calma, Onofre. Pra que tanto ressentimento? 
- Eu não me conformo. Um povo que não tem sangue nas veias.
- Calma. O Brasileiro tá aprendendo com os erros.
- Tá aprendendo o que? Tirar uma presidenta honesta e colocar um vampiro no lugar?
- Mas Onofre, ela também não tava indo bem. O país tava prestes a ser rebaixado pra a segunda divisão.
- Ela não tava bem mas foi eleita legitimamente por 54 milhões de Brasileiros.
- Mas Onofre...esses mesmos que a elegeram não aguentavam mais. O povo apoiava o impeachment. Ela tava indo muito mal.
- Foi a Globo que fez a cabeça do povo. Ela pelo menos não se vendia para os imperialistas americanos.
- Mas ela fazia pior. Tava malcomunada era com a Venezuela, com os comunistas.
- Mas o que tem de errado com o comunismo? Comunismo é justiça social.
- Todos iguais na miséria? E sem liberdade pra nada como acontece em Cuba onde todo mundo é pobre?
- Dobre a língua pra falar de Cuba. Lá o povo tem educação e saúde de graça. 
- Eu não acredito que você torce contra o Brasil por causa da sua paixão política. Você é um cara do bem!
- Eu torço contra sim. Tomara que o Brasil entre numa miséria terrível e esses coxinhas passem muita fome pra aprenderem as ser mais humanos. 
- É. Você não tem jeito. É do contra mesmo. Ô Jairim. Me traz mais uma SKOL por favor.
- Skol? Eu prefiro Brahma.
- Tudo bem. Jairim...uma skol e uma brahma pra nós.
- E de tira-gosto pra mim uma coxinha.
- Pra mim um pão com mortadela...
- E por favor, me traz uma guia...uma cachacinha daquela lá de Alvinópolis. 
- Opa. Nisso nós concordamos. Uma pra mim também.
- Vamos fazer um brinde à amizade?
- Claro. Um brinde a amizade que nenhuma política vai abalar.
- E um brinde ao galão da massa.
- E um brinde aos 6x1.
- 9x2.
- 14x3... 

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

ABDUÇÕES APAGADAS



  Enquanto isso naquela quebrada...

- Ai, amor. Calma...vamos olhar as estrelas.
- Uhn...mas que olhar estrelas...vamos nos amar.
- Calma...espere um pouco...tem uma estrela que tá crescendo...olha lá.
- O que tá crescendo é outra coisa...
- Para amor...eu tô falando sério...olha lá...
- Ah não. Assim você cortar o barato...deixa eu ver...ihhh...vamos embora.
- Amor...está chegando perto...ahhhh.

ALGUNS MINUTOS DEPOIS...

- Onde estou?
- Não se assuste. Você está na minha nave...podem ficar a vontade.
- Mas espere aí..vc é humano? Não vem de outro planeta?
- Não, menina.  Eu venho do futuro. Sou de alguns séculos adiante...
- Nossa. Sério? Mas cadê a sala de comando da nave?
- Não temos nada disso. A gente pensa e a nave vai onde a gente quer. Tudo automático.
- Puxa. Que maneiro. Então você viaja pelo tempo?
- Sim. Só a gente pensar que a nave nos leva a qualquer lugar no tempo.
- Caramba. Mas como é que desenvolveram essas tecnologias?
- Ah... Já está acontecendo no tempo de vocês. Estou aqui para testemunhar esse momento da história em que os seres humanos estão sendo substituídos em todos os setores.  
- Sério? O que está acontecendo? Uma invasão alienígena?
- Não. Mas prestem atenção. Os bancos de vocês praticamente não precisam mais de gente pra operar. Vocês fazem tudo nos caixas eletrônicos ou na internet.
- Mas e daí?
- Uai...daqui a pouco os motoristas não serão mais necessários. Os carros autônomos vão levar  ao destino. Só dizer o endereço
- Nossa. É mesmo.
- E as escolas também vão acabar. Os estudantes não precisarão mais de professores. As aulas serão disponibilizadas via computador, com provas e avaliações, diplomas, tudo valendo.
- Caraca
- Os médicos também deixarão de ser necessários. Serão lançados apps médicos que farão diagnósticos e prescreverão os tratamentos corretos para todos os males.
- Espere aí. Mas os seres humanos não terão mais empregos?
- Pra que empregos? Ninguém mais vai precisar trabalhar. Os computadores vão fazer tudo. 
- Uhn...até sexo?
- Sexo? O que é sexo computador?
- Sexo era o processo de cópula entre machos e fêmeas humanos no mundo primitivo.
- Ah tá. Não vai precisar mais de disso. As pessoas procuravam por causa do orgasmo. Com as novas tecnologias, todos podem  ter quantos orgasmos quiserem. É só pensar que o orgasmo vem.
- Mas não é possível. Que chatice. Pelo menos cerveja vai ter né? 
- Não. O álcool, as drogas, o sal e o açúcar serão abolidos.  
-  Credo. Mas nos diga uma coisa. O que você quer de nós. Por que nos raptou?
- Ah...sei lá...eu tava passando e vi vocês se atracando nesse terreno ermo. Foi um alvo perfeito.
- Mas não vai fazer nada com a gente? Experiências científicas,  torturas?
- Que nada. Vocês tem razão. Eu tô é fugindo do futuro que tá chato pra caramba. Eu tenho uns wiscks aqui, uns discos do Pink Floyd e até outras paradas mais viajandonas.  Topam uma volta ao mundo? 
- E depois?
- Depois levo vocês de volta. Não lembrarão de nada...

ALGUMAS HORAS DEPOIS

- Nossa amor...nós dormimos...puxa...quantas horas são?
- 4 da manhã. Vamos embora...amanhã tem trampo.
- Amor...olha lá aquela estrela no céu...
- O que tem?
- Nada...achei que tava se mexendo...mas sumiu...


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

DEBATE ENTRE ZÉ GUELA E ZÉ RUELA

Enquanto isso naquele debate político, 

-Bem, estamos aqui em mais um debate na nossa Rede Blogo. A pergunta é para o ser Zé Guela. Por favor, seu guela. Nos fale sobre a lei de Newton
-Olha. Eu na verdade sou um cumpridor das leis. Se é lei, nós vamos cumprir
-Um minuto para o comentário do Zé Ruela
-Mas vc é muito ignorante. Não sabe o que é lei de Newton? 
-Saber eu sei. Mas precisamos preservar a memória dele e da família.
-Eu não acredito. Você não sabe quem foi Isac Newton?
-Sei. Mas não frequento essas festinhas da elite. Eu sou do povo.
-Vamos então a próxima pergunta. Agora é para o senhor Zé Ruela. Sr  Zé. Para o senhor, qual é a importância das tordesilhas?
-Bem, eu considero muito importantes. Vamos investir pesado para que nossa gente continue tendo esse importante benefício.
-Sua opinião, sr zé guela.
-Eu também considero as tordesilhas muito importantes e também vamos investir para preservá-las.
-Pois bem. Então vamos a pergunta final. Senhor Zé Guela. Fale-me sobre a revolução farroupilha.
-A farra eu acho bom...agora...a pilha nós vamos ter de dar um jeito de descartar num local apropriado.
-A sua opinião, senhor zé ruela.
-Revolução farroupilha? Essa pergunta não tá meio estranha para um debate?
-Uai...deixa eu ver...nossa...me desculpem. Peguei por engano a prova de história da minha filha.  Mas então...vamos passar  a uma pergunta séria. Sr Zé Guela. O que o senhor pretende fazer pela arte e cultura?
-Como eu prometi cortar custos, vou juntar as pastas da cultura com agricultura...entenderam? Agri-cultura. O povo só gosta de festas com música sertaneja e quadrilha mesmo...
- E o senhor  zé ruela?
- Eu pretendo acabar com esse negócio de arte nas escolas. Ninguém gosta de criança que fica fazendo arte.
- Então vamos as considerações finais dos candidatos. Primeiro o senhor Zé Ruela.
- Bom, eu quero agradecer a todos que me receberam em suas casas e quero dizer pra todos que o cafezinho tava bom, a prosa também e quero convidar todo mundo para um cafezinho lá na prefeitura para comemorarmos a vitória.
- Eu também quero agradecer a todos e convidar vocês para uma cervejada e churrasco à vontade no caso de uma vitória da nossa chapa.

Bom...assim encerramos o nosso debate de hoje. Obrigado pela atenção de vocês e esperamos que tenhamos ajudado na decisão de seu voto. Nos encontramos na cervejada... 

terça-feira, 18 de outubro de 2016

FESTIVAL DA MÚSICA EM ALVINÓPOLIS, 11,12 e 13 DE NOVEMBRO


Atenção músicos, compositores e intérpretes!
Vem ai o 36º Festival da Música em Alvinópolis, um dos mais tradicionais de Minas.
O Festival de Alvinópolis vai distribuir 8000 em prêmios e vai acontecer nos dias 11,12 e 13 de novembro próximos.  As inscrições serão feitas apenas pela internet. O formulário e regulamento estarão disponíveis no site www.festivalalvinopolis.com.br a partir de hoje,

EVENTO MAIS VOLTADO PARA OS ARTISTAS

Os Festivais são importantes principalmente para os músicos, para aqueles que estão começando e para os que persistem na convicção de que música tem de ter conteúdo poético e musical.
Se você for um cantor ou cantora, encontre um poeta ou poetisa pra fazer uma música em parceria.
Se você for poeta ou poetisa, também pode encontrar músicos pra parceirar.
As bandas autorais tem espaço para fruição de seus trabalhos, para experimentar as músicas no contato com o público e ainda tem um filtro altamente qualificado através do corpo de jurados.  

ARTISTAS DO MÉDIOPIRACICABA, APAREÇAM...

Há 36 anos, o monlevadense Chico Franco semeou. Os alvinopolenses gostaram e cuidaram. Mas os mediopiracicabanos sempre marcaram presença.Queremos muito que a turma de Itabira apareça. De Monlevade também, onde tem muitos artistas autorais excelentes. Nova Era não sei como está, mas já teve Mario e banda que sempre participavam. São Domingos do Prata é terra de músicos famosos. Quero ver como anda a arte de Dom Silvério, de Sem Peixe. Santa Bárbara também é terra de músicos. Barão de Cocais também é. Catas Altas nos revelou Camila Calais. E os compositores locais? Ponte Nova não é da região do MEDIOPIRACICABA, mas também comparece sempre. Queremos ver a potência artística e musical da nossa região. 

UM POUCO DE POLÊMICA

O público não tem muita paciência com os trabalhos autorais. Prefere eventos que toquem músicas já conhecidas, pra poderem cantar juntos e ter um certo sentimento de pertencimento, pra não se sentir por fora.  Os festivais por serem eventos eminentemente autorais tem tido um esvaziamento nos últimos anos. 

O QUE FAZER?

Uma solução que alguns festivais encontraram foi misturar covers e autorais. Só que isso tira o foco das autorais e aumenta demais a duração do evento. Só se diminuísse o número de classificadas, mas aí estaríamos diminuindo o espaço para os compositores e para as novidades, objetivo primordial dos festivais. De qualquer maneira é um debate entre muitos que deveremos abrir.

PREFEITOS: FAÇAM FESTIVAIS!

Não existe nenhum evento melhor para fomentar a criatividade dos artistas locais e para promover a interação com músicos de outras cidades e fazer com que a música local fervilhe e gere belos dividendos no futuro.  Não vou mentir para vocês: festival vai gerar pouco voto. Mas eleva o nível geral de um povo, que depois vai votar em políticos honestos e que valorizam a arte e a cultura.