segunda-feira, 28 de novembro de 2016

DIVERGENTES SIM, INIMIGOS JAMAIS!


Enquanto isso naquele bar, dois amigos se encontram...

- E aí? Tudo no esquema?
- Opa. A crise tá aí né? Mas não podemos ser pessimistas. Só atrai energia negativa. Vamos beber.
- Vamos beber enquanto não começa a guerra civil.
- Guerra civil? Como assim? 
- Esse país vai se fuder. Se Deus quiser.
- Ah...também não tá tão ruim assim. Parece que tá melhorando. Já há sinais de recuperação da economia.
- Eu discordo. O Brasil piorou muito desde que esse tal de foratemer deu o golpe.
- Ah. Você vai me desculpar mas eu não acho o Temer tão ruim. Ele tá cometendo erros, mas tá encaminhando as reformas necessárias.
- Você tá brincando? O Brasil vai se ferrar. Esse povo tem de se ferrar.
- Eu é que não vou ficar propagando negatividades. Prefiro ser otimista.
- Você está doido? Precisamos que o Brasil quebre...que esse povo passe fome pra aprender.
- Mas se o Brasil se ferrar você se ferra junto, sua família, seus amigos. Estamos no mesmo barco. Se afundar, morre todo mundo.
- Foda-se. Eu quero é que o Brasil afunde. Esse povo merece o pior.
- Calma, Onofre. Pra que tanto ressentimento? 
- Eu não me conformo. Um povo que não tem sangue nas veias.
- Calma. O Brasileiro tá aprendendo com os erros.
- Tá aprendendo o que? Tirar uma presidenta honesta e colocar um vampiro no lugar?
- Mas Onofre, ela também não tava indo bem. O país tava prestes a ser rebaixado pra a segunda divisão.
- Ela não tava bem mas foi eleita legitimamente por 54 milhões de Brasileiros.
- Mas Onofre...esses mesmos que a elegeram não aguentavam mais. O povo apoiava o impeachment. Ela tava indo muito mal.
- Foi a Globo que fez a cabeça do povo. Ela pelo menos não se vendia para os imperialistas americanos.
- Mas ela fazia pior. Tava malcomunada era com a Venezuela, com os comunistas.
- Mas o que tem de errado com o comunismo? Comunismo é justiça social.
- Todos iguais na miséria? E sem liberdade pra nada como acontece em Cuba onde todo mundo é pobre?
- Dobre a língua pra falar de Cuba. Lá o povo tem educação e saúde de graça. 
- Eu não acredito que você torce contra o Brasil por causa da sua paixão política. Você é um cara do bem!
- Eu torço contra sim. Tomara que o Brasil entre numa miséria terrível e esses coxinhas passem muita fome pra aprenderem as ser mais humanos. 
- É. Você não tem jeito. É do contra mesmo. Ô Jairim. Me traz mais uma SKOL por favor.
- Skol? Eu prefiro Brahma.
- Tudo bem. Jairim...uma skol e uma brahma pra nós.
- E de tira-gosto pra mim uma coxinha.
- Pra mim um pão com mortadela...
- E por favor, me traz uma guia...uma cachacinha daquela lá de Alvinópolis. 
- Opa. Nisso nós concordamos. Uma pra mim também.
- Vamos fazer um brinde à amizade?
- Claro. Um brinde a amizade que nenhuma política vai abalar.
- E um brinde ao galão da massa.
- E um brinde aos 6x1.
- 9x2.
- 14x3... 

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

ABDUÇÕES APAGADAS



  Enquanto isso naquela quebrada...

- Ai, amor. Calma...vamos olhar as estrelas.
- Uhn...mas que olhar estrelas...vamos nos amar.
- Calma...espere um pouco...tem uma estrela que tá crescendo...olha lá.
- O que tá crescendo é outra coisa...
- Para amor...eu tô falando sério...olha lá...
- Ah não. Assim você cortar o barato...deixa eu ver...ihhh...vamos embora.
- Amor...está chegando perto...ahhhh.

ALGUNS MINUTOS DEPOIS...

- Onde estou?
- Não se assuste. Você está na minha nave...podem ficar a vontade.
- Mas espere aí..vc é humano? Não vem de outro planeta?
- Não, menina.  Eu venho do futuro. Sou de alguns séculos adiante...
- Nossa. Sério? Mas cadê a sala de comando da nave?
- Não temos nada disso. A gente pensa e a nave vai onde a gente quer. Tudo automático.
- Puxa. Que maneiro. Então você viaja pelo tempo?
- Sim. Só a gente pensar que a nave nos leva a qualquer lugar no tempo.
- Caramba. Mas como é que desenvolveram essas tecnologias?
- Ah... Já está acontecendo no tempo de vocês. Estou aqui para testemunhar esse momento da história em que os seres humanos estão sendo substituídos em todos os setores.  
- Sério? O que está acontecendo? Uma invasão alienígena?
- Não. Mas prestem atenção. Os bancos de vocês praticamente não precisam mais de gente pra operar. Vocês fazem tudo nos caixas eletrônicos ou na internet.
- Mas e daí?
- Uai...daqui a pouco os motoristas não serão mais necessários. Os carros autônomos vão levar  ao destino. Só dizer o endereço
- Nossa. É mesmo.
- E as escolas também vão acabar. Os estudantes não precisarão mais de professores. As aulas serão disponibilizadas via computador, com provas e avaliações, diplomas, tudo valendo.
- Caraca
- Os médicos também deixarão de ser necessários. Serão lançados apps médicos que farão diagnósticos e prescreverão os tratamentos corretos para todos os males.
- Espere aí. Mas os seres humanos não terão mais empregos?
- Pra que empregos? Ninguém mais vai precisar trabalhar. Os computadores vão fazer tudo. 
- Uhn...até sexo?
- Sexo? O que é sexo computador?
- Sexo era o processo de cópula entre machos e fêmeas humanos no mundo primitivo.
- Ah tá. Não vai precisar mais de disso. As pessoas procuravam por causa do orgasmo. Com as novas tecnologias, todos podem  ter quantos orgasmos quiserem. É só pensar que o orgasmo vem.
- Mas não é possível. Que chatice. Pelo menos cerveja vai ter né? 
- Não. O álcool, as drogas, o sal e o açúcar serão abolidos.  
-  Credo. Mas nos diga uma coisa. O que você quer de nós. Por que nos raptou?
- Ah...sei lá...eu tava passando e vi vocês se atracando nesse terreno ermo. Foi um alvo perfeito.
- Mas não vai fazer nada com a gente? Experiências científicas,  torturas?
- Que nada. Vocês tem razão. Eu tô é fugindo do futuro que tá chato pra caramba. Eu tenho uns wiscks aqui, uns discos do Pink Floyd e até outras paradas mais viajandonas.  Topam uma volta ao mundo? 
- E depois?
- Depois levo vocês de volta. Não lembrarão de nada...

ALGUMAS HORAS DEPOIS

- Nossa amor...nós dormimos...puxa...quantas horas são?
- 4 da manhã. Vamos embora...amanhã tem trampo.
- Amor...olha lá aquela estrela no céu...
- O que tem?
- Nada...achei que tava se mexendo...mas sumiu...


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

DEBATE ENTRE ZÉ GUELA E ZÉ RUELA

Enquanto isso naquele debate político, 

-Bem, estamos aqui em mais um debate na nossa Rede Blogo. A pergunta é para o ser Zé Guela. Por favor, seu guela. Nos fale sobre a lei de Newton
-Olha. Eu na verdade sou um cumpridor das leis. Se é lei, nós vamos cumprir
-Um minuto para o comentário do Zé Ruela
-Mas vc é muito ignorante. Não sabe o que é lei de Newton? 
-Saber eu sei. Mas precisamos preservar a memória dele e da família.
-Eu não acredito. Você não sabe quem foi Isac Newton?
-Sei. Mas não frequento essas festinhas da elite. Eu sou do povo.
-Vamos então a próxima pergunta. Agora é para o senhor Zé Ruela. Sr  Zé. Para o senhor, qual é a importância das tordesilhas?
-Bem, eu considero muito importantes. Vamos investir pesado para que nossa gente continue tendo esse importante benefício.
-Sua opinião, sr zé guela.
-Eu também considero as tordesilhas muito importantes e também vamos investir para preservá-las.
-Pois bem. Então vamos a pergunta final. Senhor Zé Guela. Fale-me sobre a revolução farroupilha.
-A farra eu acho bom...agora...a pilha nós vamos ter de dar um jeito de descartar num local apropriado.
-A sua opinião, senhor zé ruela.
-Revolução farroupilha? Essa pergunta não tá meio estranha para um debate?
-Uai...deixa eu ver...nossa...me desculpem. Peguei por engano a prova de história da minha filha.  Mas então...vamos passar  a uma pergunta séria. Sr Zé Guela. O que o senhor pretende fazer pela arte e cultura?
-Como eu prometi cortar custos, vou juntar as pastas da cultura com agricultura...entenderam? Agri-cultura. O povo só gosta de festas com música sertaneja e quadrilha mesmo...
- E o senhor  zé ruela?
- Eu pretendo acabar com esse negócio de arte nas escolas. Ninguém gosta de criança que fica fazendo arte.
- Então vamos as considerações finais dos candidatos. Primeiro o senhor Zé Ruela.
- Bom, eu quero agradecer a todos que me receberam em suas casas e quero dizer pra todos que o cafezinho tava bom, a prosa também e quero convidar todo mundo para um cafezinho lá na prefeitura para comemorarmos a vitória.
- Eu também quero agradecer a todos e convidar vocês para uma cervejada e churrasco à vontade no caso de uma vitória da nossa chapa.

Bom...assim encerramos o nosso debate de hoje. Obrigado pela atenção de vocês e esperamos que tenhamos ajudado na decisão de seu voto. Nos encontramos na cervejada... 

terça-feira, 18 de outubro de 2016

FESTIVAL DA MÚSICA EM ALVINÓPOLIS, 11,12 e 13 DE NOVEMBRO


Atenção músicos, compositores e intérpretes!
Vem ai o 36º Festival da Música em Alvinópolis, um dos mais tradicionais de Minas.
O Festival de Alvinópolis vai distribuir 8000 em prêmios e vai acontecer nos dias 11,12 e 13 de novembro próximos.  As inscrições serão feitas apenas pela internet. O formulário e regulamento estarão disponíveis no site www.festivalalvinopolis.com.br a partir de hoje,

EVENTO MAIS VOLTADO PARA OS ARTISTAS

Os Festivais são importantes principalmente para os músicos, para aqueles que estão começando e para os que persistem na convicção de que música tem de ter conteúdo poético e musical.
Se você for um cantor ou cantora, encontre um poeta ou poetisa pra fazer uma música em parceria.
Se você for poeta ou poetisa, também pode encontrar músicos pra parceirar.
As bandas autorais tem espaço para fruição de seus trabalhos, para experimentar as músicas no contato com o público e ainda tem um filtro altamente qualificado através do corpo de jurados.  

ARTISTAS DO MÉDIOPIRACICABA, APAREÇAM...

Há 36 anos, o monlevadense Chico Franco semeou. Os alvinopolenses gostaram e cuidaram. Mas os mediopiracicabanos sempre marcaram presença.Queremos muito que a turma de Itabira apareça. De Monlevade também, onde tem muitos artistas autorais excelentes. Nova Era não sei como está, mas já teve Mario e banda que sempre participavam. São Domingos do Prata é terra de músicos famosos. Quero ver como anda a arte de Dom Silvério, de Sem Peixe. Santa Bárbara também é terra de músicos. Barão de Cocais também é. Catas Altas nos revelou Camila Calais. E os compositores locais? Ponte Nova não é da região do MEDIOPIRACICABA, mas também comparece sempre. Queremos ver a potência artística e musical da nossa região. 

UM POUCO DE POLÊMICA

O público não tem muita paciência com os trabalhos autorais. Prefere eventos que toquem músicas já conhecidas, pra poderem cantar juntos e ter um certo sentimento de pertencimento, pra não se sentir por fora.  Os festivais por serem eventos eminentemente autorais tem tido um esvaziamento nos últimos anos. 

O QUE FAZER?

Uma solução que alguns festivais encontraram foi misturar covers e autorais. Só que isso tira o foco das autorais e aumenta demais a duração do evento. Só se diminuísse o número de classificadas, mas aí estaríamos diminuindo o espaço para os compositores e para as novidades, objetivo primordial dos festivais. De qualquer maneira é um debate entre muitos que deveremos abrir.

PREFEITOS: FAÇAM FESTIVAIS!

Não existe nenhum evento melhor para fomentar a criatividade dos artistas locais e para promover a interação com músicos de outras cidades e fazer com que a música local fervilhe e gere belos dividendos no futuro.  Não vou mentir para vocês: festival vai gerar pouco voto. Mas eleva o nível geral de um povo, que depois vai votar em políticos honestos e que valorizam a arte e a cultura. 

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

VEREADORES SEM MANDATO

Há pessoas tão laboriosas e realizadoras, que são muito mais úteis para a sociedade que a maioria dos vereadores eleitos. Eu pensava nisso já antes das eleições quando passava os olhos sobre os feitos de um amigo lá da minha terra Alvinópolis. Lá tem um moço chamado Jucirley Nazário que tem uma trajetória muito interessante. Ele mantém na Vila Manoel Puig um bar interessantíssimo: a Selaria Raimundo Nazário, um quase museu cultural da cidade, repleto de livros, cds, recortes, objetos de diversas fases da cidade., que trabalha em várias frentes. Conseguiu um bocado de coisas pra cidade, dentre eles veículos, criou associações e ainda encontra tempo para presidir a centenária banda Santo Antônio da cidade. Ele foi candidato a vereador na cidade e não se elegeu. Ai eu fico pensando: será que faria tanto se fosse vereador? Outro amigo Vereador sem mandato é da cidade mineira de Passa Tempo, o produtor cultural Bianc Amorim. O sujeito consegue movimentar a cena cultural local com o seu projeto Estação Música na Praça. Ele montou uma estrutura pequena, com palco inflável( pequeno e lindo), som e luz e leva shows de excelente nível para a população local. E além disso, encontra tempo para abraçar os movimentos dos Quilombolas, do congado, fazendo um maravilhoso trabalho de resgate da cultura negra da cidade. E pra completar, ainda encampou um movimento para baixar os salários dos vereadores que causou um enorme alvoroço. Além de tudo, Bianc é um cantor afinado, de uma voz aguda de registro muito bonito. Imagino que faça mais pela cultura da cidade que a secretaria local(se é que existe). Em João Monlevade também temos vários vereadores sem mandato. Na cultura temos Carla Lisboa, que promoveu diversos eventos culturais na cidade juntamente com a turma do 7 faces. Monlevade teve alguma cultura nesses últimos anos por causa dela e turma, que mesmo com pouco dinheiro e apoio conseguiram promover diversos festivais. Outro sujeito que admiro e que tá sempre movendo as coisas é o meu amigo Breno Botelho. Já estive em diversas situações em que o Breno estava no meio, articulando, costurando almas e gerando trabalho para um monte de gente na publicidade. Poderia também citar a fotógrafa Lutécia, que registra e divulga a arte e cultura por onde vai. Perguntem se ela ganha alguma coisa com isso. As vezes um reconhecimento aqui e ali. Em Dom Silvério chegou a receber até moção da câmara de vereadores. Eu até acho que as cidades deveriam remunerar essas pessoas pelo bem que proporcionam. Mas parece que eles mesmos não se importam com isso, pois agem movidos pelos corações e não pelos bolsos. São locomotivas, que carregam o mundo nas costas. Bom, como sou ligado a arte e cultura, acabo puxando a sardinha pra minha brasa(rs). Mas tenho certeza que existem vereadores sem mandato em diversas áreas, como por exemplo, na área social, onde almas boas e caridosas ajudam de forma voluntária, sem visar nada que não seja o bem comum. Se você olhar ao redor, vai enxergar outros vereadores sem mandato, trabalhando com entusiasmo, com brilho nos olhos, fazendo o mundo melhor. E você? Também está disposto a fazer alguma coisa voluntária pelo bem comum? E Viva os vereadores sem mandato!

terça-feira, 4 de outubro de 2016

INGÊNUA MALANDRAGEM


Enquanto isso na roça

- E aí, Zé. Foi na cidade votá?
- Fui né? Nós semo obrigado a ir...
- Mas votô em quem?
- Uai...votei naquele candidato lá...aquele moreno
- Mas moreno todos dois são.
- Aquele gordão.
- Ah tá. O tal de Gersão né? 
- Esse mesmo.
- Mas por que ocê votou nele?
- Ah...sei lá...achei ele mais simpático.
- Mas você vota por simpatia?
- Ah......esse pessoal quando chega lá vai roubar meso...
- Nossa sinhora, Zé.  A gente não pode pensar assim não.
- Mas não é verdade?
- Ah...eu votei no outro candidato. Ele prometeu que ia trazer luz elétrica pra nós, posto de saúde.
- Mas ele não foi candidato da outra vez?
- Foi...
- E não prometeu a mesma coisa?
- Prometeu...mas uai...não deu tempo. Ele precisa ficar pra conseguir fazer.
- Ah...não sei não. Achei o outro mais simpático.
- E pra vereador?
- Ah...eu votei na Janaína Dentista.
- Mas como é que pode? Aquela muié é comunista. Dizem que é até macumbeira.
- E daí? Ela trata de dente de graça de nós. Conseguiu até essa dentadura pra mim ó...
- Crem Deus pai...vira essa boca pra lá. Ocê não escova dente?
- Escovo sim. Ganhei até uma escova que a Janaína me deu...uma escova bonita. É vermelha e tem o desenho de uma estrela, de uma lua e de uma foice.
- Eu já votei no Luiz do Sindicato Rural. Ele luta pelo homem do campo
- Eu já não gosto dele. Implicou que eu tava colocando um tantim de agua no leite que nós vende pra eles. Foram só uns baldinhos....
- Ocê também é malandro hein zé? Adulterar o leite não é legal.
- Não é adulterar...é melhorar. Bom que fica mais diurético. As pessoas precisam tomar mais água.
- Sei...é por isso que o Brasil tá desse jeito. As pessoas agem dessa maneira. Não podem esperar que seus representantes sejam honestos.
- Calma, sô. O leite fica mais gostoso. Nós coloquemo até um pouco de farinha pra ficar mais nutritivo, com fibras.
- Minha nossa senhora. Por isso que o Brasil não vai pra frente. Aposto que o senhor não paga nem energia. Aposto que tem gato lá no seu sitio.
- Ih moço...no meu sitio tem cachorro, galinha, pato, peru cavalo, boi e porco. Gato se tiver tá escondido...

sábado, 24 de setembro de 2016

VALE TUDO ELEITORAL


ENQUANTO ISSO NO CENTRO DA CIDADE, UM DESSES CABOS ELEITORAIS MALA ABORDA TODOS QUE PASSAM...

- Meu amigo...meu amigo...
- Sim sinhô.
- O sr já decidiu em quem vai votar?
- Ih, moço. Eu não gosto desses negócio não.
- Mas espere um pouco. O sr mora onde?
- Eu moro lá no Vale Encantado, na roça mesmo.
- Ah...mas então?  O sr então vai votar no nosso candidato. Ele vai levar saúde pro meio rural?
- Ih...moço. Lá não precisamos disso não. O povo lá tem saúde, nós come comida sem veneno, ovo caipira...temo agua limpa...morre de morte morrida. Morrer faz parte da vida.
- Ah...mas vocês do meio rural precisam ter saúde, segurança.
- Segurança pra que? Ocês vão mandar armadilhas pra pegá onça?
- Isso também não, né? Mais policiamento, umas câmaras de segurança...
- Ah...nós não precisamos disso não. Nós já temos os cachorros. Eles vigiam tudo, dão sinal e mordem quem se aproximar.
- Tá certo então. Ah...já sei...vamos asfaltar a estrada até a casa de vocês.
- Ih...moço. Não faz isso não. Nós estamos satisfeitos do jeito que está. Eu venho de cavalo pela tria. Precisa de asfalto não.
- Mas meu candidato vai mandar tratar a água de vocês.
- Ih, moço. A nossa água é limpinha, limpinha. Vocês da cidade é que sujam tudo.
- Tá certo. Mas nosso candidato pode mandar urbanizar lá pra vocês, colocar postes, luz elétrica.
- Ô seu moço. Num precisa mesmo. Lá nós temos luz do sol o dia inteiro e de noite nós vamos dormir...isso depois de cumprir a obrigação com a patroa né? E de noite nós temos os vagalumes...
- Mas vocês não tem luz elétrica? Mas não é possível...
- Nós não precisemos disso lá não.
- Mas vocês não tem rádio? E televisão?
- Não. Lá fica num lugar tão escondido, mas tão escondido que não tem nem eletricidade, nem rádio nem tv.
- Meu Deus. Como é que pode ter um lugar assim ainda no mundo. Mas como é que vocês fazem pra comprar roupas e outras coisas pro dia a dia?
- Ih, moço. Roupa a gente precisa de poucas pra viver. E não precisamos de muita coisa. A natureza nos dá tudo que a gente precisa.
- Mas não pode ser assim. Vocês precisam consumir...precisam gerar dinheiro.
- Ah...nós não liguemos pra dinheiro não. Nós temos tudo que precisamos.
- Mas vocês votam?
- Votemos. De 4 em 4 anos a gente vai na rua, vota e volta lá pro Vale Encantado.
- Mas então? Vote no meu candidato.
- Eu não posso. Seu candidato não pode ajudar nós. 
- Pode sim. Ele vai levar qualidade de vida, levar comércio, infra-estrutura, abrir ruas e loteamentos, indústrias...vai levar o progresso pra sua região.
- Mas o sinhô é insistente hein?
- E Então? Vai votar no nosso candidato?
- Mas no Vale Encantado ninguém liga pra política.
- Olha só...leve essas fotos pro pessoal e fale do nosso candidato pra eles. 
- Eu não quero fazê o sinhô perdê seu tempo. O pessoal lá não liga pra esses trem...
- Mas o senhor é difícil mesmo hein? Meu candidato só quer o bem do seu povo. Posso levar ele pra fazer uma reunião na comunidade de vocês?
- Poder pode. O único pobrema é que o Vale Encantado fica no município vizinho. Tem pobrema pro senhor?